China denuncia comunicado da OTAN e defende política de gastos militares

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Soldados do Exército de Libertação Popular da China em treinamento militar nas montanhas Pamir em Kashgar, noroeste da China, região de Xinjiang (Foto: AFP/Getty Images).

Soldados do Exército de Libertação Popular da China em treinamento militar nas montanhas Pamir em Kashgar, noroeste da China, região de Xinjiang (Foto: AFP/Getty Images).

A missão chinesa à União Europeia denunciou na terça-feira a declaração da OTAN que classificou Pequim como um “desafio à segurança”, dizendo que a China é na verdade uma força de paz, mas se defenderá se for ameaçada.

O comunicado à imprensa chinês disse que a declaração da OTAN foi uma “calúnia sobre o desenvolvimento pacífico da China, um erro de avaliação da situação internacional e do próprio papel (da OTAN) e uma continuação da mentalidade da Guerra Fria e da psicologia política organizacional”.

Os aliados da OTAN juntaram-se aos Estados Unidos na segunda-feira para criticar formalmente Pequim como um “desafio de segurança constante”.

Washington apontou a China como uma ameaça em particular, especialmente no Mar da China Meridional, onde construiu e militarizou ilhas artificiais, bem como em suas tentativas de intimidar o governo autônomo de Taiwan, que a China afirma ser seu território e que será re-anexado por força militar, se necessário.

A missão chinesa disse que os gastos de Pequim com seus militares são consideravelmente menores do que os de membros da OTAN e acusou a organização de conjurar uma ameaça militar da China para justificar sua própria agenda.

A China “nunca desistirá do direito de manter a paz, mas defenderá firmemente nossa soberania, segurança e interesses de desenvolvimento”, disse a missão.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Os líderes da OTAN disseram que a China está trabalhando para minar a ordem global, uma mensagem em sincronia com os apelos do presidente dos EUA, Joe Biden, para confrontar Pequim nas práticas de comércio, militares e de direitos humanos.

Em declaração da cúpula, os líderes disseram que os objetivos da China e “o comportamento assertivo apresentam desafios sistêmicos à ordem internacional baseada em regras e às áreas relevantes para a segurança da aliança”.

Os líderes expressaram preocupação com o que disseram ser as “políticas coercitivas” da China, as formas opacas com que está modernizando suas forças armadas e o uso da desinformação.

Em resposta, a missão chinesa disse que as forças armadas de Pequim tinham fins puramente defensivos e sua modernização militar é “razoável, racional, aberta e transparente”.

O orçamento de defesa da China é o segundo maior depois dos EUA, mas a missão disse que a cifra de aproximadamente US$ 209 bilhões ainda é mais de um quinto menos do que os países da OTAN gastaram juntos. Observadores dizem que a China gasta mais do que diz com seus militares ao não declarar os custos de novas armas e outros programas.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Os países da OTAN também mantêm bases em todo o mundo e “enviam seus porta-aviões para todos os lugares para exibir seu poderio militar”, disse a missão chinesa.

Também fez referência ao atentado à bomba contra a Embaixada da China na Sérvia em 1999, que matou três jornalistas da mídia estatal. A OTAN disse que isso foi resultado de uma seleção de alvos defeituosa, mas a maioria dos chineses acredita que foi um ataque deliberado.

A missão também disse que o arsenal nuclear da China é 20 vezes menor do que o da OTAN e que nunca seria a primeira a usar tais armas ou contra nações não nucleares.

“Não vamos representar um ‘desafio sistêmico’ para ninguém, mas se alguém quiser nos representar um ‘desafio sistêmico’, não ficaremos de braços cruzados”, disse a missão.

A OTAN deve “despender mais energia no avanço do diálogo e da cooperação e fazer mais coisas que sejam verdadeiramente conducentes à manutenção da segurança e estabilidade internacional e regional”, afirmou.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também