O Pentágono considera uma força-tarefa naval permanente no Pacífico para combater a China

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O porta-aviões USS Theodore Roosevelt (CVN 71) navega no Oceano Pacífico em 25 de janeiro de 2020 (Foto: Kaylianna Genier/US Navy).

O porta-aviões USS Theodore Roosevelt (CVN 71) navega no Oceano Pacífico em 25 de janeiro de 2020 (Foto: Kaylianna Genier/US Navy).

O Pentágono está considerando o estabelecimento de uma força-tarefa naval permanente na região do Pacífico como contraponto ao crescente poderio militar da China, de acordo com duas pessoas familiarizadas com as discussões internas.

O plano também envolveria a criação de uma operação militar para o Pacífico que permitiria ao secretário de Defesa alocar verba e recursos adicionais para a questão da China, disseram as fontes, que pediram anonimato por discutir planos pré-decisórios.

As duas iniciativas, que ainda não foram finalizadas, dariam mais força ao duro discurso do presidente Joe Biden sobre a China e enviariam um sinal de que a nova administração dos EUA leva a sério a repressão ao aumento militar e ao comportamento agressivo de Pequim na região do Pacífico.

A notícia chega no momento em que os líderes da OTAN estão cada vez mais se alinhando com a postura de confronto de Washington contra Pequim. Quatro anos depois que o ex-presidente Donald Trump fez do combate à China uma das principais prioridades da política externa, os aliados da OTAN esta semana declararam Pequim um desafio à segurança e disseram que os chineses estão trabalhando para minar a ordem global.

As discussões surgiram do trabalho da Força-Tarefa do Pentágono para a China, que Biden encomendou em março para examinar as políticas e processos do departamento relacionados ao país. O grupo, liderado por Ely Ratner, principal funcionário de política para o Indo-Pacífico do Pentágono, recentemente concluiu seu trabalho e apresentou recomendações ao secretário de Defesa Lloyd Austin.

Um funcionário de Defesa, respondendo a um pedido de comentário, enfatizou que nenhum dos planos decorrentes da força-tarefa da China foi finalizado.

“Estamos analisando uma série de propostas no Indo-Pacífico e em todo o Departamento, para melhor sincronizar e coordenar nossas atividades”, disse a pessoa, falando sob condição de anonimato para discutir assuntos ainda não decididos. “No entanto, como disse o secretário, agora é a hora de trabalhar, há muitos detalhes e especificidades ainda a serem finalizados.”

Embora as iniciativas não sejam uma solução mágica para resolver o problema da China, os esforços são um sinal de que o Pentágono está comprometido em retirar recursos do Oriente Médio e elevar as necessidades do Pacífico, disse Elbridge Colby, ex-funcionário do Pentágono da era Trump que agora atua como diretor do think tank The Marathon Initiative.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

“A força-tarefa e a operação sugerem que eles vão elevar a atratividade e o poder da força orientada do Pacífico Ocidental”, disse Colby, observando que se a força-tarefa “está focada no Pacífico Ocidental, se está focada na China, de forma explícita ou implícita, tem um vigor burocrático para dizer ‘ei, não [Comando Central], só porque você tem uma reação instintiva a algo acontecendo, você não pode roubar nossos ativos’”.

A força-tarefa naval seguiria o modelo de uma construção da OTAN lançada na Europa antes e durante a Guerra Fria, as Forças Navais Permanentes do Atlântico, disseram pessoas familiarizadas com as discussões. O esquadrão foi uma força de reação imediata que poderia responder rapidamente a uma crise, mas passava a maior parte do tempo navegando pela região, participando de exercícios programados e fazendo escalas de boa vontade. Seis a 10 navios de vários países da OTAN – destroieres, fragatas e navios auxiliares – ficavam normalmente ligados à força por até seis meses.

A força-tarefa europeia permitiu que essas nações “maximizassem sua influência no mar e especializassem seus investimentos simultaneamente”, disse Jerry Hendrix, analista da empresa de consultoria Telemus Group e autor do livro To Provide and Maintain a Navy. Ele observou que uma força-tarefa eficaz no Pacífico também incluiria aliados europeus, como a Grã-Bretanha e a França, que estão aumentando sua presença naval no Pacífico, bem como o Japão e a Austrália.

A iniciativa proposta seria um “impedimento porque demonstra uma unidade de esforços no combate às ameaças excessivas chinesas ao conceito de um mar e comércio livres com suas grandes reivindicações marítimas territoriais”, disse Hendrix.

Ainda não está claro se a força-tarefa envolveria apenas navios dos EUA ou incluiria também militares de outras nações, disseram as fontes.

As autoridades que trabalham na política da China no Pentágono também estão considerando estabelecer uma operação militar nomeada para o Pacífico, que criaria um processo de planejamento formal para o secretário de defesa e forneceria autoridade orçamentária adicional e recursos para o esforço. O Pentágono ainda não informou ao Capitólio sobre os planos, disse uma das fontes.

Com base no trabalho da força-tarefa de Ratner, Austin emitiu uma diretiva na semana passada iniciando vários esforços de todo o departamento para melhorar o enfrentamento aos desafios de segurança apresentados pela China como o “desafio de ritmo número um” dos Estados Unidos. Mas as autoridades se recusaram a dar quaisquer detalhes, dizendo que muitas iniciativas são confidenciais.

Fonte: Politico.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também