Israel lança ataques aéreos contra Gaza depois que palestinos lançam balões incendiários

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Chamas eclodem depois que um ataque aéreo israelense atingiu alvos do Hamas na Cidade de Gaza, em 15 de junho de 2021 (Foto: Ali Jadallah/Agência Anadolu/Getty Images).

Chamas eclodem depois que um ataque aéreo israelense atingiu alvos do Hamas na Cidade de Gaza, em 15 de junho de 2021 (Foto: Ali Jadallah/Agência Anadolu/Getty Images).

A Força Aérea israelense lançou ataques aéreos na Faixa de Gaza na manhã de quarta-feira, depois que militantes no território palestino enviaram balões incendiários ao sul de Israel, na primeira erupção entre os dois lados desde um grande conflito que matou centenas no mês passado.

Os ataques aéreos e balões marcaram a primeira grande explosão entre Israel e Gaza desde o cessar-fogo em 21 de maio encerrou 11 dias de combates pesados ​​que mataram 260 palestinos, segundo autoridades de Gaza, e 13 pessoas em Israel, segundo a polícia e o exército local.

A tensão atingiu a Cisjordânia ocupada, onde o exército israelense disse que atirou em uma mulher palestina depois que ela tentou atacar soldados.

Os ataques em Gaza foram os primeiros sob o novo governo de coalizão liderado por Naftali Bennett, que assumiu no domingo após destituir o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

O aumento da violência veio depois que mais de mil manifestantes nacionalistas judeus carregando bandeiras israelenses marcharam na Cidade Velha de Jerusalém na terça-feira, com dezenas de policiais posicionados e monitores internacionais pedindo calma.

De acordo com fontes palestinas, a força aérea israelense teve como alvo pelo menos um local a leste de Khan Yunis, no sul da Faixa de Gaza. Um fotojornalista da AFP em Khan Yunis viu as explosões.

Os militares disseram que em resposta aos “balões incendiários”, seus “aviões de combate atingiram complexos militares pertencentes à organização terrorista Hamas”. O relatório disse que “instalações e locais de reunião para terroristas” em Khan Yunis foram os alvos. Não havia indicação de vítimas.

Os militares acrescentaram que estão “preparados para qualquer cenário, incluindo a retomada das hostilidades, em face das contínuas atividades terroristas na Faixa de Gaza”. Os bombeiros israelenses disseram que os balões incendiários causaram cerca de 20 incêndios.


LIVRO RECOMENDADO

A porta dos leões: Nas linhas de frente da Guerra dos Seis Dias

  • Steven Pressfield (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Restrição

Na Cisjordânia, na quarta-feira, uma mulher palestina foi baleada após tentar atropelar soldados israelenses com seu carro e atacá-los com uma faca, disseram os militares. O ministério da saúde palestino disse que a mulher morreu mais tarde por causa dos ferimentos.

O incidente aconteceu perto de Hizma, ao sul de Ramallah, com o site oficial de notícias palestino Wafa identificando a mulher como Mai Afana, 29, da cidade de Abu Dis, nos arredores de Jerusalém.

No dia anterior, mais de mil israelenses tomaram as ruas da anexada Jerusalém Oriental, em uma marcha polêmica de ativistas nacionalistas e de direita. Tanto as Nações Unidas quanto os Estados Unidos pediram moderação antes da marcha, que o novo governo de Bennett havia autorizado.

Com a tensão elevada, a polícia israelense foi implantada em grande número, bloqueando estradas e disparando granadas de choque e balas com ponta de espuma para dispersar os palestinos da rota.

Os médicos disseram que 33 palestinos ficaram feridos. A polícia disse que dois policiais ficaram feridos e 17 pessoas presas. A marcha desencadeou protestos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza e gerou repreensões e advertências dos aliados de Israel.

A chamada Marcha das Bandeiras celebra o aniversário da “reunificação” da cidade depois que Israel capturou Jerusalém Oriental da Jordânia em 1967 e a anexou, um movimento não reconhecido pela maioria da comunidade internacional.


LIVRO RECOMENDADO

Israel x Palestina: 100 anos de guerra

  • James L. Gelvin (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

A manifestação de terça-feira foi originalmente marcada para o início de maio, mas foi cancelada duas vezes em meio à oposição da polícia e ameaças do Hamas, o grupo islâmico que controla Gaza.

Multidões de jovens religiosos cantaram, dançaram e agitaram bandeiras na entrada do Portão de Damasco para a Cidade Velha, que foi limpa de suas habituais multidões palestinas. Alguns gritavam “Morte aos árabes” antes que outros os persuadissem a parar.

“Provocação”

A marcha ocorre apenas dois dias depois de Netanyahu ter sido deposto após 12 anos consecutivos no poder, derrubado por uma coalizão ideologicamente dividida que inclui, pela primeira vez na história de Israel, um partido árabe.

O próprio Bennett é um nacionalista judeu, mas os aliados de Netanyahu acusaram o novo primeiro-ministro de traição por se aliar aos árabes e à esquerda. Na terça-feira, alguns manifestantes carregavam cartazes com os dizeres “Bennett, o mentiroso”.

Yair Lapid, o arquiteto do novo governo, tuitou que acredita que a marcha deve ser permitida, mas que “é inconcebível como você pode segurar uma bandeira israelense e gritar ‘Morte aos árabes’ ao mesmo tempo”.

Mansour Abbas, cujo partido islâmico conservador Raam é vital para a coalizão, chamou a marcha de terça-feira de uma “provocação” que deveria ter sido cancelada.

Fonte: France 24 / AFP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também