O Hamas adverte Bennett que Marcha em Jerusalém na terça-feira reacenderá as tensões

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Jovens em Jerusalém em maio, antes da planejada Marcha das Bandeiras de Jerusalém (Foto: Ohad Zwigenberg/Haaretz.

Jovens em Jerusalém em maio, antes da planejada Marcha das Bandeiras de Jerusalém (Foto: Ohad Zwigenberg/Haaretz.

O Hamas alertou Israel que a Marcha da Bandeira de Jerusalém marcada para terça-feira renovará os distúrbios, menos de um mês depois que os dois lados alcançaram um cessar-fogo após 11 dias de hostilidades em Gaza.

“Estamos conclamando os palestinos em Jerusalém e dentro da Linha Verde a interromper a marcha de amanhã”, disse o porta-voz do Hamas, Abdulatif al-Qanua, na segunda-feira. Ele apelidou a marcha, na qual grupos de direita desfilam pela Cidade Velha carregando bandeiras israelenses, um “estopim para uma nova explosão para a proteção da Mesquita de al-Aqsa e de Jerusalém”.

Na segunda-feira, Omer Bar-Lev, o ministro da segurança pública recém-empossado, deve se reunir com o comissário de polícia Kobi Shabtai e participar de uma avaliação situacional antes da marcha.

Os organizadores da Marcha da Bandeira de Jerusalém chegaram a um acordo com a polícia de Israel na sexta-feira para permitir que uma marcha ocorra na terça-feira. Ela havia sido planejada para quinta-feira passada, mas foi cancelada depois que os organizadores e a polícia não chegaram a um acordo sobre uma rota pelo temor da polícia de que a marcha reacenderia as tensões e levaria a tumultos na cidade ao passar por áreas palestinas.

A marcha estava programada originalmente, como é tradição, para o Dia de Jerusalém no mês passado, e foi adiada devido a questões de segurança, conforme os confrontos entre a polícia e os palestinos na cidade se intensificaram. Ela foi dispersada logo após o início, depois que as tensões aumentaram e o Hamas lançou foguetes contra Jerusalém a partir de Gaza.

A marcha planejada para terça-feira continuará pela estrada Sultan Suleiman antes de chegar ao Portão de Damasco, um foco de tensões entre os palestinos e a polícia nos últimos meses. Uma dança da bandeira israelense será realizada na praça em frente ao portão. Os manifestantes, entretanto, não entrarão na Cidade Velha pelo Portão de Damasco e o portão será fechado.

Do Portão de Damasco, os manifestantes passarão pelo Portão de Jaffa e seguirão em direção ao Muro das Lamentações pelas áreas periféricas do Bairro Muçulmano da Cidade Velha. Parte da rota será desviada pelo Bairro Judeu devido a questões de segurança e para evitar a superlotação.


LIVRO RECOMENDADO

A porta dos leões: Nas linhas de frente da Guerra dos Seis Dias

  • Steven Pressfield (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Os organizadores da marcha disseram: “Agradecemos à polícia de Israel, ao comissário da polícia e ao Distrito de Jerusalém por sua cooperação e estamos felizes que as bandeiras israelenses serão hasteadas com orgulho em todas as partes da Cidade Velha.”

Os organizadores acrescentaram: “Apelamos a todos os cidadãos de Israel para se juntarem a nós nesta terça-feira com as bandeiras israelenses, para louvar o heroísmo israelense e dançar com alegria em Jerusalém.”

A mudança na rota do desfile veio depois que o comandante do distrito de Jerusalém, Doron Turgeman, se recusou a permitir que a marcha passasse pelo Portão de Damasco, ou o centro do bairro muçulmano. Turgeman disse que em hipótese alguma aprovaria a rota originalmente solicitada pelos organizadores, temendo que a marcha pudesse incitar motins em toda a Cidade Velha.

O vice-chefe do Hamas em Gaza, Khalil al-Hayya, emitiu um alerta a Israel na noite de quinta-feira, alertando que se o “extremismo dos colonos” e a Marcha da Bandeira não forem interrompidas, o “frágil cessar-fogo poderia explodir”.

O braço militar do Hamas disse que “está acompanhando de perto as ações provocativas e agressivas dos usurpadores e seus líderes em Jerusalém e na Mesquita de Al-Aqsa. Advertimos contra os danos contra a Al-Aqsa e saudamos seus defensores livres em Jerusalém”.

No mês passado, as forças de segurança israelenses entraram em confronto repetidamente com palestinos próximos e na mesquita de Al-Aqsa, deixando centenas de palestinos feridos.

Autoridades de segurança dizem que a situação na Faixa de Gaza ainda é muito delicada e que o líder do Hamas em Gaza, Yahya Sinwar, está procurando uma desculpa para aumentar as tensões com Israel – e pode encontrar uma nos acontecimentos em Jerusalém.

Fonte: Haaretz.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também