Dezoito países da OTAN e nações parceiras realizam treinamento de combate em exercício BALTOPS 50

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Marinhas de países da OTAN na costa da Dinamarca em 6 de junho de 2021 durante o exercício BALTOPS 50 (Foto: Bryan Underwood/Royal Canadian Navy).

Marinhas de países da OTAN na costa da Dinamarca em 6 de junho de 2021 durante o exercício BALTOPS 50 (Foto: Bryan Underwood/Royal Canadian Navy).

Os EUA, aliados da OTAN e nações parceiras estão participando do 50º exercício de Operações Bálticas (BALTOPS 50), atualmente em andamento até 18 de junho no Mar Báltico e arredores.

O BALTOPS 2021 apresenta recursos aéreos e marítimos de 18 aliados da OTAN e nações parceiras, que participarão de treinamentos que incluem defesa aérea, guerra antissubmarina, operações anfíbias, interdição marítima e operações de contra minas.

O comando e controle do exercício está sendo conduzido a partir do quartel-general das Forças Navais de Ataque e Apoio da OTAN (STRIKFORNATO) em Oeiras, Portugal. A II Brigada Expedicionária dos US Marines e o Segundo Grupo de Ataque Expedicionário fornecerão o comando e controle das forças dos Fuzileiros Navais durante todo o exercício a bordo do USS Mount Whitney, demonstrando a integração naval internacional e a projeção de poder em terra em uma demonstração anfíbia na Lituânia.

“Este ano, celebramos o 50º BALTOPS, um exercício que estabelece a base da interoperabilidade em toda a aliança”, disse o vice-almirante Gene Black, comandante das Forças Navais de Ataque e Apoio da OTAN e comandante da 6ª Frota dos EUA. “O BALTOPS é a pedra angular da nossa temporada de exercícios, demonstrando meio século de compromisso inabalável de nossos parceiros e Aliados. As lições aprendidas no BALTOPS permitem operações de grupo de ataque internacional, capacidades avançadas de defesa antimísseis e missões de grupo de ação de superfície contínuas.”

De acordo com um comunicado da OTAN, o BALTOPS 50 consiste em duas fases de treinamento no mar: o treinamento de aprimoramento de combate (CET) e o treinamento de integração de força (FIT) e a fase final tática do exercício (TACEX).

“Durante os primeiros seis dias (fase CET/FIT), navios e aeronaves transitarão pelo Estreito dinamarquês, com foco nas operações marítimas em pontos de estrangulamento críticos, garantindo o acesso e a liberdade de navegação no Mar Báltico. O exercício continuará a se mover para o leste durante suas duas fases, operando de acordo com o direito internacional e apoiado pelos aliados e parceiros participantes. O exercício culminará com a fase TACEX, onde o paradigma do exercício mudará para uma porção de ‘jogo livre’ e os comandantes terão mais liberdade para executar seus próprios programas táticos”, disse o comunicado. “A fase TACEX é projetada para representar melhor a operação em situações do mundo real.”


LIVRO RECOMENDADO

A Arte da Guerra segundo os Seals da marinha norte-americana

  • Rob Roy e Chris Lawson (Autores)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

O exercício deste ano incorpora táticas defensivas de guerra cibernética, técnicas e procedimentos para ajudar as forças a se adaptar e treinar para garantir uma vantagem assimétrica na era da guerra moderna.

O BALTOPS 50 envolve a participação de 16 países da OTAN – Bélgica, Canadá, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Itália, Letônia, Lituânia, Holanda, Noruega, Polônia, Espanha, Suécia, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos – e duas nações parceiras, Suécia e Finlândia. Juntas, as nações estão operando 40 unidades marítimas, 60 aeronaves e 4.000 tropas para o exercício.

Dirigindo-se a repórteres de sua sede em Nápoles, Itália, Black disse que o BALTOPS é um exercício que abrange toda a gama de missões marítimas e estabelece a base da interoperabilidade em toda a aliança.

“O BALTOPS representa meio século de compromisso inabalável com a segurança marítima por parte de nossos parceiros e aliados”, disse Black. “As lições aprendidas durante o BALTOPS permitem operações de grupo de ataque internacional, capacidades avançadas de defesa contra mísseis, missões de grupo de ação de superfície contínua, operações anfíbias e guerra contra minas.”

Falando de Portugal, o Subcomandante das Forças Navais de Ataque e Apoio, Contra-Almirante da OTAN James Morley, da Royal Navy, disse que o BALTOPS é um elemento chave do programa de exercícios da OTAN e da dissuasão e defesa da OTAN, bem como demonstra e desenvolve a capacidade e prontidão da aliança. “Isso serve para uma série de propósitos, mas principalmente é uma oportunidade de demonstrar a coesão da aliança, uma chance de demonstrar, desenvolver e testar a capacidade da aliança, e tudo é feito com ênfase na transparência. E posso apenas tocar em cada um desses pontos por vez.”

Morley disse que o BALTOPS oferece a oportunidade para os aliados operarem lado a lado, “Assim como eles lutariam juntos, treinando em todo o espectro da guerra naval contra ameaças convencionais de aeronaves, navios e submarinos, incluindo este ano contra um submarino sueco altamente capaz, e na guerra contra minas, em operações anfíbias e em operações de interdição marítima.”


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

O BALTOPS 2021 começou com um período de treinamento e integração para melhorar a prontidão da unidade usando um programa serializado pré-planejado. O exercício então passa para uma fase tática ou de jogo livre. “As unidades não saberão o que o inimigo fará a seguir e deverão reagir como fariam de verdade a uma série de desafios de ameaças múltiplas”, disse Morley.

O exercício deste ano também adicionará táticas, técnicas e procedimentos defensivos de guerra cibernética ao cenário. “É algo que enfrentamos e fazemos todos os dias, mas dará aos comandantes e operadores algo mais com que lutar”, disse Morley. “Também faremos experiências com sistemas autônomos e não tripulados, particularmente na guerra contra minas.”

Morley disse que as forças usarão uma variedade de sistemas convencionais e autônomos que várias nações estão testando no exercício para dar a eles algum contexto do mundo real e testá-los juntamente com a capacidade convencional.

Os oficiais enfatizaram a transparência. “O BALTOPS é um exercício planejado há muito tempo e anunciado publicamente, conduzido em conformidade com a lei internacional, com um forte foco na segurança do mundo real”, disse Morley.

“O BALTOPS é regularmente programado e anunciado, e sempre há um ligeiro aumento na atividade russa conforme trazemos forças e operamos no Báltico”, disse Black.

Fonte: Seapower Magazine.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também