China diz que exercícios navais EUA-Austrália são “flexão de músculos”

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
A Marinha dos EUA disse que o destroier USS Curtis Wilbur conduziu um “trânsito de rotina no Estreito de Taiwan” (Foto: AFP).

O destroier americano USS Curtis Wilbur conduz operações no Estreito de Taiwan em 18 de maio de 2021 (Foto: AFP).

A China disse na sexta-feira que os EUA e a Austrália estavam “flexionando seus músculos” com recentes exercícios navais no Mar da China Meridional, ressaltando a sensibilidade de Pequim sobre a hidrovia estratégica que afirma ser sua.

A 7ª Frota da Marinha dos EUA disse que o destroier de mísseis guiados classe Arleigh Burke USS Curtis Wilbur e a fragata da Marinha Real Australiana HMAS Ballarat concluíram uma semana de operações conjuntas no Mar da China Meridional. Isso incluiu exercícios de manobra junto com navios de reabastecimento, operações de helicóptero cruzando o convés e exercícios de artilharia com fogo real.

“Os navios aprimoraram suas habilidades avançadas em um ambiente conjunto, ao mesmo tempo que reforçavam a normalidade das operações de rotina em toda a região de acordo com o direito internacional”, disse a US Navy.

Em uma reunião diária em Pequim, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Wang Wenbin, disse que os dois países deveriam “fazer coisas que conduzam à paz e estabilidade regional, em vez de flexionar seus músculos”.

Os vizinhos dos EUA e da China rejeitam a reivindicação de Pequim de praticamente todo o Mar da China Meridional, no qual trafegam cerca de US$ 5 trilhões em viagens comerciais a cada ano.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

A Austrália se juntou a eles expressando preocupação com a presença crescente da China no Mar da China Meridional, principalmente por meio da construção de ilhas artificiais militarizadas construídas sobre recifes de coral no disputado grupo de ilhas Spratly. Taiwan, Filipinas, Brunei, Malásia e Vietnã têm reivindicações que se sobrepõem às da China.

A China, por sua vez, considera a presença naval dos EUA no Sudeste Asiático a maior ameaça à segurança regional, particularmente sua insistência em navegar perto de territórios sob controle chinês nas chamadas operações de liberdade de navegação.

Em uma tentativa de acalmar as preocupações, Pequim recebeu ministros das Relações Exteriores da Associação de Nações do Sudeste Asiático, com 10 membros, e o Ministro das Relações Exteriores Wang Yi disse a eles que a China continua comprometida em assinar um código de conduta, há muito tempo parado, sobre as atividades no Mar do Sul da China. para evitar conflitos.

Fonte: Military Times.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também