Mídia da Austrália está sofrendo com escassez de informações de Defesa

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O Ministro da Defesa da Austrália, Peter Dutton (Foto: Sam Mooy/Getty Images).

O Ministro da Defesa da Austrália, Peter Dutton (Foto: Sam Mooy/Getty Images).

Os jornalistas de Defesa da Austrália estão tendo o acesso negado a altos funcionários do Departamento de Defesa sob uma repressão imposta pelo novo ministro da Defesa, Peter Dutton.

Dutton assumiu o cargo em 30 de março, tornando-se a sexta pessoa a ocupar o cargo desde que o governo de coalizão assumiu o poder em setembro de 2013, e não é por acaso que o Departamento de Defesa australiano se tornou significativamente menos transparente sob sua supervisão.

A situação agora se deteriorou a ponto de os funcionários do departamento receberem novas diretrizes sobre como se relacionar – ou não – com os jornalistas. De acordo com Kym Bergmann, editora do Australia Pacific Defense Reporter, se essas diretrizes forem aplicadas (e elas estão sendo aplicadas de forma esmagadora), nenhum membro pode falar com a mídia sem a aprovação do gabinete do ministro.

Citando o documento de orientação, Bergmann escreveu que os funcionários foram instruídos a manter as respostas às perguntas da mídia “tão breves e sucintas quanto possível”, limitar todas as respostas a três parágrafos, independentemente da complexidade da pergunta, evitar “entrevistas relacionadas à capacidade” e, em vez disso, reverter às respostas escritas.

Eu não vi essas diretrizes, mas minha experiência tem sido consistente com elas. No mínimo, meus últimos 10 pedidos de entrevistas em uma variedade de assuntos foram atendidos com uma resposta, dentro ou depois do prazo, que “educadamente recusa” o pedido sem mais motivos. Até mesmo um pedido benigno para falar com o chefe da Real Força Aérea Australiana sobre o 100º aniversário da força foi recusado, e pelo menos uma visita à mídia liderada pela indústria foi cancelada sem explicação.

Isto é uma preocupação, pois relatórios recentemente vazados sugerem que nem tudo está bem com programas de aquisição de alto nível, como o futuro programa de submarinos de AU$ 80 bilhões (US$ 62 bilhões) da Marinha Real Australiana e a remoção do Sistema de Gerenciamento de Campo de Batalha do Exército por motivos de segurança. Apesar da última notícia ter surgido em abril, nem o Departamento de Defesa nem seu ministro comentaram sobre o assunto, e as consultas da mídia também não obtiveram resposta.


LIVRO RECOMENDADO

Prisioneiros da geografia: 10 mapas que explicam tudo o que você precisa saber sobre política global

  • Tim Marshall (Autor)
  • Em Português
  • Kindle ou Capa comum

As reclamações não se limitam a membros da mídia. O assunto surgiu em uma audiência recente em Canberra com os Comitês Permanentes de Defesa e Comércio dos Negócios Estrangeiros do Senado, durante a qual altos funcionários foram questionados pela Senadora Penny Wong, a líder da oposição no corpo legislativo.

De acordo com a transcrição oficial, Wong perguntou se Dutton ou seu escritório forneceram orientações ao departamento. Em resposta, a Secretária Associada de Defesa Katherine Jones confirmou que viu relatos na mídia sobre um vazamento de e-mail.

“Meu entendimento é que veio de um e-mail que foi enviado por alguém do departamento com a intenção de parafrasear isso”, disse ela. Quando pressionado a revelar quem parafraseou e divulgou, Jones respondeu: “Era um oficial de baixo escalão dentro da organização”.

Durante a audiência, Jones apontou o dedo firmemente para o escritório do ministro como a fonte original do e-mail. “O e-mail enviado não veio da minha região. Foi alguém resumindo o conselho dado à liderança sênior”, disse ela.

Qualquer que seja a gênese da missiva, sua mensagem agora foi passada o nível de unidade dentro das forças, alertando o pessoal sobre como falar com a mídia.

O Departamento de Defesa historicamente tem sido rápido em levantar a ponte levadiça ao enfrentar o escrutínio da mídia sobre programas de aquisição atrasados ​​e acima do orçamento. Nesse caso, parece que as “diretrizes” departamentais são instruções diretas ou foram zelosamente adotadas para evitar o vazamento de informações que teriam impacto negativo sobre o governo. De qualquer forma, o perdedor final com essa falta de transparência é o contribuinte australiano.

Se esta é uma política direta do governo atual, liderado pelo primeiro-ministro Scott Morrison; do ministro da Defesa, ou de outro funcionário de seu gabinete, ainda não está claro. Mas uma coisa é certa: o jornalismo de defesa em um país que se considera uma das democracias mais estáveis ​​do mundo se tornou mais difícil.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também