Departamento de Defesa dos EUA conclui força-tarefa da China e mantém recomendações em sigilo

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O presidente dos EUA, Joe Biden, dirige-se a militares americanos na RAF Mildenhall na Grã-Bretanha na quarta-feira 9 de junho (Foto: AP).

O presidente dos EUA, Joe Biden, dirige-se a militares americanos na RAF Mildenhall na Grã-Bretanha na quarta-feira 9 de junho (Foto: AP).

Um órgão consultivo do Departamento de Defesa dos EUA estabelecido para fazer recomendações sobre maneiras de melhorar a forma como o departamento executa sua estratégia militar relacionada à China concluiu sua atividade, disse o Pentágono na quarta-feira.

Muitas das recomendações da força-tarefa, que foram classificadas e, portanto, não descritas, “têm como objetivo agilizar e fortalecer a cooperação com aliados e parceiros dos EUA, particularmente no Indo-Pacífico”, anunciou o departamento.

Liderado por Ely Ratner, um assistente especial do secretário de Defesa Lloyd Austin, o órgão ad hoc, criado pelo governo Biden como uma de suas primeiras ações, reuniu funcionários de cada ramo das forças armadas e da comunidade de inteligência dos Estados Unidos. Sua missão era “conduzir uma avaliação de base dos programas, políticas e processos [do Pentágono] relacionados à China” e entregar a Austin “um conjunto de principais prioridades e cursos de ação recomendados”.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou a formação da força-tarefa em fevereiro, durante seu primeiro discurso com foco na Defesa. Nesse discurso à equipe do Pentágono, ele caracterizou a rivalidade entre os EUA e a China como “a competição do futuro” e alertou sobre os “desafios crescentes” colocados por Pequim.

Biden continuou várias semanas depois, em sua primeira entrevista coletiva como presidente, com a promessa de impedir a China de se tornar o país “líder” e “mais rico” do mundo, continuando a estreitar relações com aliados e impulsionar o investimento da América em tecnologia.

Pressionado por detalhes em uma coletiva na quarta-feira, o porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse apenas que as recomendações não correspondiam a uma estratégia militar. Em vez disso, disse ele, eram mais “uma avaliação de como o departamento está se saindo em relação a realmente tratar a China como o principal desafio de ritmo, e a força-tarefa encontrou algumas lacunas e falhas, algumas coisas que poderíamos fazer melhor”.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Ele acrescentou que a força-tarefa não endossou um orçamento ou qualquer programa de armas em particular. As recomendações, que Kirby disse ter sido endossadas por Austin, incluem “planos para melhor incluir a China como área de foco dentro da força de trabalho, e particularmente no mundo do treinamento e educação, e o quanto estamos realmente certos de ter uma força de trabalho, ou parte da força de trabalho, que pode nos ajudar a focar melhor na China.

“É preciso treinamento, educação e proficiência … em compreender aquela nação naquela parte do mundo”, disse ele.

As recomendações “ajudarão a informar tanto a revisão da postura global, que está em andamento, e será concluída no final deste verão, quanto o trabalho inicial que estamos fazendo para começar a construir uma nova estratégia de defesa nacional”.

Kirby negou que a força-tarefa tenha sido convocada para desfazer práticas iniciadas por governos anteriores e disse que endossava algumas medidas tomadas pelos governos Trump e Obama.

Com relação ao treinamento e educação, o antecessor de Austin, Mark Esper, secretário de defesa do então presidente Donald Trump, instruiu os acadêmicos militares dos EUA a devotar metade de seus cursos para compreender a China, a fim de melhor combater com mais eficácia a “agressão” de Pequim.

“Como parte de nossa meta dos 10 principais de focar o departamento na China, instruí a National Defense University a redirecionar seu currículo, dedicando 50% do curso à China até o ano acadêmico de 2021”, disse Esper em um discurso em outubro em a Fundação Heritage de Washington.

Fonte: SCMP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também