Se o congresso americano puder encontrar dinheiro, a Marinha dos EUA gostaria de outro novo destroier este ano

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Guindastes erguem o convés de popa de 320 toneladas do destroier USS Jack H. Lucas (DDG 125), no estaleiro Ingalls Shipbuilding em Pascagoula, Mississippi (Foto: Lance Davis/HII).

Guindastes erguem o convés de popa de 320 toneladas do destroier USS Jack H. Lucas (DDG 125), no estaleiro Ingalls Shipbuilding em Pascagoula, Mississippi (Foto: Lance Davis/HII).

A Marinha dos Estados Unidos está mais interessada em comprar um segundo contratorpedeiro no ano fiscal de 2022 se receber dinheiro além do que está no orçamento aprovado pela Casa Branca, escreveu o serviço em sua lista anual de prioridades não financiadas.

O pedido de orçamento da US Navy, divulgado em 28 de maio, incluía oito navios – quatro navios de combate e quatro navios de apoio, incluindo apenas um destroier. Mas em um segundo documento, obtido pelo Defense News em 1º de junho, a US Navy disse aos legisladores que sua necessidade principal é de US$ 1,66 bilhão para comprar um segundo destroier no ano fiscal de 2022, para cumprir suas obrigações de acordo com contratos plurianuais com a Ingalls Shipbuilding e General Dynamics Bath Iron Works que pedem para cada um construir um navio no Ano Fiscal 2022.

O documento observa que o destroier classe Arleigh Burke Flight III “fornece maior capacidade de combate multi-missão em ambiente mais exigente.”

O destroier Flight III não apenas ajudaria a substituir os antigos cruzadores, mas sua compra evitaria uma multa de $ 33 milhões que a US Navy pagaria por quebrar sua obrigação sob o contrato plurianual e garantiria que o fluxo de construção da Ingalls e Bath permanecesse no caminho certo.

O contra-almirante John Gumbleton, vice-secretário assistente de orçamento da Marinha, disse em uma coletiva de imprensa em 28 de maio que a decisão de comprar apenas um destroier “foi claramente uma escolha difícil em relação ao que podíamos pagar”. A lista de prioridades não financiadas que se segue deixa claro que a US Navy realmente quer o segundo destroier no AF22 se o dinheiro para pagá-lo puder ser encontrado.

A Lista de Prioridades Não Financiadas, que descreve US$ 5,6 bilhões para 31 itens, continua os mesmos temas da solicitação de orçamento do presidente, priorizando a preparação atual sobre o crescimento da esquadra: 12 itens para aumentar a prontidão, 11 para construir aptidões futuras e oito que abordam as capacidades da frota.

Existe um forte apoio no Congresso para a construção naval, especialmente no Comitê de Serviços Armados da Câmara, e nos últimos anos os legisladores têm consistentemente acrescentado navios ao orçamento além do que a US Navy pede como forma de ajudar a aumentar a frota ou ajudar a base industrial. Os legisladores já expressaram preocupação com o pedido original da US Navy por apenas um destroier.

O segundo e o terceiro itens da lista tratam diretamente do ambiente futuro, onde todos os navios, aviões e armas operarão de maneira dispersa e precisarão permanecer interligados, mesmo contra um adversário que possa desafiar as redes e comunicações da US Navy.

O segundo item da lista pede US$ 54 milhões para acelerar o desenvolvimento da Rede Tática Naval, ou a contribuição da US Navy para o Comando e Controle Conjunto de Todos os Domínios (JADC2).

O terceiro é um investimento de US$ 87 milhões em comunicações resilientes e posição, navegação e tempo (PNT) para a Frota de Logística de Combate. Embora os navios de guerra tenham sido atualizados nos últimos anos para se preparar para combate contra a Rússia ou a China, muitos dos navios logísticos que seriam cada vez mais importantes para tal arranjo não receberam as mesmas atualizações.

Este item garantiria que esses navios logísticos “sejam capazes de se comunicar e se posicionar em todos os ambientes, incluindo ambientes degradados”, a compra e instalação de sistemas conjuntos de rádios de canal único e sistemas comerciais de satélite “para melhorar a segurança e a funcionalidade das comunicações CLF”, diz o documento.

A US Navy pede US$ 535 milhões para comprar mais cinco aeronaves F-35C Joint Strike Fighter para a frota, aumentando a compra total de 15 para 20 no AF22. Isso ajudaria a US Navy a se mover mais rapidamente enquanto faz a transição para uma ala aérea futura que inclui números iguais de F/A-18E-F Super Hornet e F-35C.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

A US Navy observou no documento que o aumento de compras no AF22 a prepararia para a competição com a China ou a Rússia “ao aumentar a capacidade da USN do F-35C mais avançado em produção”. O documento diz que a aeronave F-35C de Produção Inicial de Baixa Taxa Adicional (LOT-16) fornece capacidade avançada de armamento e processamento não disponível atualmente na frota.

A US Navy pediu US$ 334 milhões para comprar quatro CMV-22B adicionais, a versão naval do V-22 Osprey, que substituirá o velho C-2A Greyhound como plataforma de transporte pessoas, peças e correspondência para um porta-aviões no mar.

O documento afirmava que a US Navy tem apenas 44 aeronaves em seus planos de aquisição, mas os quatro adicionais permitiriam atingir o requisito total de combate de 48 CMV-22, que chama de “essencial para o reabastecimento da ala aérea futura e apoio logístico de operações marítimas distribuídas.”

Também estão na lista US$ 306 milhões para outros dois aviões C-130J-30.

“Este pedido iniciará a recapitalização para aeronaves C-130J e iniciará o desinvestimento de aeronaves C-130T legadas. O C-130 Hercules é a única plataforma de logística aérea orgânica intra-teatro da US Navy capaz de fornecer capacidade de carga super-dimensionada (incluindo todos os módulos do motor F-35) para apoiar as Forças Navais avançadas em reabastecimento, rearmamento, reabastecimento e reconstituição”, diz o documento.

Outros itens de gastos maiores apoiam a prontidão por meio de trabalhos de manutenção de navios e aeronaves e aumento de horas de voo:

  • US$ 222 milhões consertariam 86 fuselagens e 489 motores e módulos de motor para aeronaves E-2, E-6B, F/A-18E/F/G, MH-60R/S e P-8A, diz o documento. Como fez um trabalho melhor ao manter essas aeronaves em estado de prontidão para “missão”, acrescenta o documento, a US Navy pode voar mais para treinamento e operações, mas também precisa realizar mais manutenção de rotina.
  • Uma solicitação de US$ 280 milhões acrescenta 37.000 horas de voo a mais para a aviação naval e aborda o custo crescente das aeronaves operacionais. A solicitação observa que “a aviação naval está experimentando um crescimento significativo em custo, compatível com a indústria aeroespacial civil e demanda por peças reparáveis ​​e consumíveis para sustentar a prontidão operacional e melhores taxas de capacidade de missão”, diz o documento.

Outros US$ 207 milhões pagariam pelo trabalho de manutenção de navios que deve ocorrer no início do AF23, ajudando a garantir que essas disponibilidades comecem no prazo, independentemente de como seja o processo orçamentário do AF23 e de quaisquer atrasos que possam surgir. O financiamento também apóia um esforço contínuo para colocar os navios dentro e fora das disponibilidades de manutenção do estaleiro privado dentro do prazo e do orçamento – um esforço que enfatizou o básico como melhor planejamento, concessão de contratos antecipada, garantindo que todos os materiais estejam disponíveis quando o trabalho começar e mais.

Para construir uma letalidade futura, a lista inclui vários itens para desenvolvimento e desenvolvimento de armas de alta prioridade:

  • São pedidos US$ 96 milhões para acelerar a compra e instalação do Míssil de Ataque Naval para apoiar as implantações de Navios de Combate Litorâneo, comprando oito em vez de seis dos sistemas de armas e pagando para instalá-los em quatro LCS da variante Independence e quatro da variante Freedom. Também acrescentaria mais 30 mísseis à compra do AF22 – 64 em vez de 34 mísseis – para apoiar as operações de LCS planejadas.
  • A US Navy quer US$ 126 milhões para apoiar seu míssil de ataque rápido convencional hipersônico. O financiamento pagaria por um evento de teste Joint Flight Campaign-3, um Under Water Launch (UWL) Test Facility e o desenvolvimento e integração de recursos avançados, como “esforços para melhorar os recursos de sensores em ambientes negados do Sistema de Posicionamento Global (GPS)”, diz o documento. A US Navy e o US Army estão trabalhando juntos no míssil, mas a US Navy terá que equipar o míssil com um sistema de lançamento que funcione tanto a partir de um navio de superfície como o contratorpedeiro classe Zumwalt ou de um submarino como o classe Ohio.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também