China envia 16 aeronaves militares sobre áreas disputadas do Mar do Sul da China perto da Malásia

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Um Ilyushin Il-76 chinês na Base Aérea Real da Austrália de Pearce, na Austrália Ocidental (Foto: Departamento de Defesa Australiano).

Um Ilyushin Il-76 chinês na Base Aérea Real da Austrália de Pearce, na Austrália Ocidental (Foto: Departamento de Defesa Australiano).

A China enviou mais de uma dúzia de aeronaves de transporte militar para as proximidades de áreas disputados no Mar da China Meridional administradas pela Malásia, o que levou esta última a enviar um caça a jato para investigar.

A Força Aérea Real da Malásia, ou RMAF (Royal Malaysian Air Force), disse em um comunicado à imprensa que 16 aviões de transporte Xi’an Y-20 e Ilyushin Il-76 da Força Aérea do Exército de Libertação Popular, ou PLAAF (People’s Liberation Army Air Force), se aproximaram a 60 milhas náuticas da costa da Malásia.

O comunicado também disse que a força chinesa se aproximou em uma “formação tática” e foi detectada pela primeira vez por um radar de defesa aérea no estado de Sarawak, no leste da Malásia, às 11h53, horário local, na segunda-feira.

Ele também disse que a aeronave ainda não identificada estava voando a 290 nós na direção sudoeste na região de informação de voo vizinha de Cingapura antes de virar para o sul e cruzar para o espaço aéreo internacional administrado pelo controle de tráfego aéreo da Malásia, operando em altitudes entre 23.000 e 27.000 pés.

A aeronave não respondeu a várias tentativas de contato dos controladores de tráfego aéreo da Malásia, após o que a RMAF enviou jatos de combate leve Hawk 208 da base aérea de Labuan às 13h33, depois que as “aeronaves suspeitas” foram avistadas pela primeira vez, para interceptá-las e identificá-las.


LIVRO RECOMENDADO

Prisioneiros da geografia: 10 mapas que explicam tudo o que você precisa saber sobre política global

  • Tim Marshall (Autor)
  • Em Português
  • Kindle ou Capa comum

A Malásia também divulgou um mapa mostrando que os jatos da PLAAF passaram por Luconia Shoals antes de voltar 60 milhas náuticas da costa da Malásia nas proximidades de James Shoal. Ambas as formações marítimas são reivindicadas pela Malásia e estão dentro de sua zona econômica exclusiva. No entanto, a China também reivindica a sua propriedade, ambos localizados dentro da chamada Linha de Nove Traços da China, que o país usa para reivindicar partes do Mar do Sul da China. Luconia Shoals, conhecida na Malásia como Beting Petinggi Ali, tem visto uma presença quase constante de navios pertencentes à Guarda Costeira chinesa, de acordo com a Asia Maritime Transparency Initiative, que baseia sua pesquisa em dados de rastreamento de navios.

Esta não é a primeira vez que jatos da PLAAF se aproximam da Malásia, embora pareça ser a primeira vez que uma força tão grande é observada. Fontes disseram que os cargueiros da PLAAF envolvidos no incidente de segunda-feira se originaram de bases na China e não das bases aéreas que o país construiu em ilhas artificiais no Mar do Sul da China.

A falta de comunicação com o controle de tráfego aéreo pelas aeronaves da PLAAF e sua rota perto das áreas disputadas foi descrita pela RMAF como um “assunto sério que ameaça a segurança nacional e a segurança da aviação”. O ministro das Relações Exteriores, Hishammuddin Hussein, emitiu uma declaração dizendo que a Malásia fará um protesto diplomático contra o sobrevoo.

A trajetória de voo da aeronave chinesa sugere que eles provavelmente estavam conduzindo um exercício de aumento de transporte aéreo de longo alcance. A embaixada da China na Malásia disse ao Channel News Asia de Singapura que a aeronave estava realizando sobrevoos de acordo com a lei internacional, enfatizando que não entrou no espaço aéreo territorial da Malásia.

Também não está claro se os jatos da PLAAF se comunicaram com os controladores de tráfego aéreo de Singapura enquanto voavam pelo espaço aéreo internacional administrado por aquele país, embora sites de rastreamento de voo mostrassem uma aeronave de alerta precoce Gulfstream G550 pertencente à Força Aérea da República de Singapura rumo ao leste sobre o Mar da China Meridional logo depois que os jatos da PLAAF foram detectados pela primeira vez no radar da Malásia.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também