Orçamento de defesa de Biden busca maior dissuasão da China e financiamento nuclear

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Xi Jinping Joe Biden, então vice-presidentes, em Pequim, agosto de 2011 (Foto: Lintao Zhang/Reuters).

Xi Jinping e Joe Biden, então vice-presidentes, em Pequim, agosto de 2011 (Foto: Lintao Zhang/Reuters).

O orçamento do Departamento de Defesa de US$ 715 bilhões do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, mudará o financiamento dos sistemas antigos para ajudar a modernizar o arsenal nuclear e deter a China, ao mesmo tempo que desenvolve futuras capacidades de guerra, disseram funcionários familiarizados com o orçamento.

O pedido de gastos com defesa, que será enviado ao Congresso na sexta-feira, deve conter investimentos em prontidão de tropas, espaço, a PDI (Pacific Deterrence Initiative, Iniciativa de Dissuasão do Pacífico) que visa conter o aumento militar da China na região e tecnologia de armas nucleares.

O pedido de orçamento compraria navios, jatos e pagaria pela manutenção e salários, mas um adicional de US$ 38 bilhões está reservado para programas relacionados à defesa no Federal Bureau of Investigation, Departamento de Energia e outras agências, elevando o orçamento de segurança nacional para US$ 753 bilhões, um aumento de 1,7% em relação ao valor de 2021.

Haverá também fundos para desenvolver e testar armas hipersônicas e outros sistemas de armas de “próxima geração”, já que os militares têm como objetivo construir capacidades para combater a Rússia e a China.

Os pedidos de orçamento do presidente, incluindo os militares, são comumente um ponto de partida para as negociações com o Congresso, que em última análise decide como os fundos serão gastos.

A PDI, criada para combater a China, concentra-se na competição no Indo-Pacífico e visa aumentar a preparação dos EUA na região por meio do financiamento de radares, satélites e sistemas de mísseis.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Para pagar por isso, disseram pessoas familiarizadas com a mudança, o Pentágono está buscando desinvestir alguns de seus equipamentos mais antigos com custos de manutenção mais elevados, incluindo quatro navios de combate litorâneos, aeronaves A-10 de apoio aéreo aproximado, bem como o número de aviões KC-10 e KC-135 nas frotas de reabastecimento aéreo.

As tensões com uma China cada vez mais assertiva estão na mente dos planejadores militares dos EUA. Pequim acusou os Estados Unidos na semana passada de ameaçar a paz e a estabilidade do Estreito de Taiwan depois que um navio de guerra dos EUA navegou novamente pela sensível hidrovia.

A meta do exército americano para as tropas no orçamento foi reduzida muito marginalmente, disseram analistas. “Precisamos nos modernizar para que a dissuasão perdure e, se confirmada, procurarei aumentar a velocidade e a escala da inovação em nossa força”, disse Kathleen Hicks em seu depoimento em fevereiro, antes de ser confirmada como vice-secretária de defesa.

Entre as prioridades concorrentes do Pentágono, o governo Biden vai solicitar 85 caças F-35 furtivos fabricados pela Lockheed Martin. Os orçamentos presidenciais de 2021 e 2020 solicitavam 79 e 78 jatos, respectivamente; em última análise, o Congresso autorizou caças adicionais. Senadores e governadores se manifestaram para apoiar o jato, que tem uma enorme base industrial.

O plano de construção naval da Marinha dos EUA, publicado nos meses finais da administração Trump, e tinha 12 novos navios de combate de superfície para o orçamento de 2022. Mas o pedido de Biden tem apenas oito novos navios de guerra.

Apesar de reduzir os números de sistemas mais antigos, o governo Biden continuará a investir na modernização da tríade nuclear dos EUA, um empreendimento caro que custará em média mais de US$ 60 bilhões por ano nesta década e mais de um trilhão de dólares no total, de acordo com o Escritório de orçamento do Congresso.

O financiamento irá para melhorar o comando e controle nuclear, bem como plataformas de entrega como os submarinos nucleares classe Columbia, fabricados pela Huntington Ingalls Industries e General Dynamics, e a certificação para transportar bombas nucleares a bordo dos jatos furtivos F-35.

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também