EUA suspendem restrições de mísseis na Coreia do Sul, acabando com limites de alcance e ogivas

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Míssil superfície-superfície sul-coreano Hyunmoo, com alcance de 180 km, é exibido em Dia das Forças Armadas nos arredores de Seul em 29 de setembro de 2003 (Foto: Kim Jae-hwan/AFP).

Míssil superfície-superfície sul-coreano Hyunmoo, com alcance de 180 km, é exibido em Dia das Forças Armadas nos arredores de Seul em 29 de setembro de 2003 (Foto: Kim Jae-hwan/AFP).

A Coreia do Sul agora pode desenvolver mísseis balísticos capazes de atingir alvos muito além da Península Coreana, após a aprovação dos Estados Unidos da suspensão de uma restrição de 42 anos ao programa de desenvolvimento de mísseis de seu aliado.

Os líderes sul-coreanos e norte-americanos anunciaram o fim das diretrizes de mísseis impostas a Seul em 1979. Na época, a Coreia do Sul queria adquirir tecnologia americana para desenvolver seus próprios mísseis e, em troca, a nação asiática concordou em limitar o alcance de seus mísseis a 180 km com carga útil máxima de 500 kg.

Diante das crescentes ameaças da Coreia do Norte, as diretrizes foram revisadas quatro vezes. Uma revisão de 1997 permitiu que Seul desenvolvesse um míssil balístico carregando uma ogiva de 500 kg com um alcance máximo de 300 km. Outra revisão foi feita em 2012, que estendeu o alcance do míssil balístico para 800 km com ogiva de 500 kg.

Após o sexto teste nuclear de Pyongyang em 2017, Seul e Washington concordaram em descartar o limite de peso da ogiva, e outra revisão foi feita em 2020 para permitir o desenvolvimento de foguetes espaciais de propelente sólido.


LIVRO RECOMENDADO

A Montanha e o Urso: Uma História da Coreia

  • Emiliano Unzer Macedo (Autor)
  • Em português
  • eBook Kindle

“Tenho o prazer de anunciar o fim das diretrizes para mísseis”, disse o presidente Moon Jae-in durante uma coletiva de imprensa conjunta na Casa Branca em Washington em 21 de maio, após sua cúpula com o presidente dos EUA, Joe Biden. “Esta é uma medida simbólica e substantiva para demonstrar a solidez da aliança Coreia do Sul-EUA junto com a conclusão do acordo bilateral de custos de defesa nos primeiros dias da posse do governo Biden.”

Sem as restrições ao alcance dos mísseis, observadores acreditam que a Coreia do Sul provavelmente dará prioridade ao desenvolvimento de mísseis balísticos de alcance intermediário com alcance máximo de 1.000-5.000 quilômetros, capazes de atingir alvos além da Península Coreana. Também é possível que Seul tente desenvolver mísseis balísticos lançados por submarinos de longo alcance ou conduzir pesquisas com armas hipersônicas.

“Há muito tempo garantimos tecnologias e know-how suficientes para desenvolver mísseis de longo alcance, mas não fomos capazes de fazê-los devido às diretrizes de mísseis”, disse Nam Se-gyu, ex-chefe da Agência para o Desenvolvimento da Defesa do governo sul-coreano. “Desenvolvemos uma variedade de mísseis necessários para a segurança nacional e agora podemos desenvolver qualquer tipo de mísseis, como se uma empresa automobilística com um portfólio de carros compactos pudesse desenvolver outros maiores.”

A agência já desenvolveu uma série de mísseis balísticos e de cruzeiro, de codinome Hynmoo, para deter a Coreia do Norte. O Hyunmoo-4 é a mais recente variante de míssil balístico que pode cobrir a maior parte da Coreia do Norte a partir de qualquer ponto do sul. O míssil tem uma carga útil de até 2.000 kg em uma distância de 800 km.


DVD RECOMENDADO

Coréia: A Guerra Esquecida, 1950-1953

  • Formato: DVD
  • Legendado
  • Diretor: Gabriel Cooley
  • Narrador: Robert Stack

A agência estatal de armas testou dois mísseis Hyunmoo-4 em março de 2020 na costa oeste da Coreia do Sul, de acordo com fontes de defesa. Desenvolvido em conjunto pela Hanwha e LIG Nex1, o Hyunmoo-4 foi projetado especificamente para destruir alvos como instalações subterrâneas de comando e controle norte-coreanas em caso de guerra.

Alguns acreditam que o levantamento das restrições ao desenvolvimento de mísseis para a Coreia do Sul pode ser parte de uma estratégia dos EUA para conter a China na região.

“O término das diretrizes de mísseis reflete como a administração Biden dá importância à aliança Coreia do Sul-EUA e mostra a confiança de Washington na Coreia do Sul em termos de capacidade nacional, status e como uma nação modelo para a não proliferação internacional”, disse Boo Seung-chan, porta-voz do Ministério da Defesa da Coreia do Sul, a repórteres na segunda-feira.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também