Por que o Reino Unido está investindo em um novo regimento de rangers

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Instrutores militares britânicos participam de demonstração para soldados nigerianos durante sessão de treinamento da Brigada das Forças Especiais 707 em Makurdi, na Nigéria, em 4 de outubro de 2017 (Foto: Pius Utomi Ekpei/AFP).

Instrutores militares britânicos participam de demonstração para soldados nigerianos durante sessão de treinamento da Brigada das Forças Especiais 707 em Makurdi, na Nigéria, em 4 de outubro de 2017 (Foto: Pius Utomi Ekpei/AFP).

A decisão do Reino Unido de criar um novo regimento de rangers foi motivada pela necessidade de alocar capacidades de operações especiais de longo prazo em países parceiros, com foco principal no continente africano, de acordo com o chefe do Exército Britânico.

O general Mark Carleton-Smith, chefe do Estado-Maior do Exército, disse ao Defense News durante recente visita a Washington que a criação da nova unidade é baseada no fato de que “o futuro é cada vez mais imprevisível e [com] incerteza e volatilidade.”

O novo regimento, composto por quatro batalhões, deve entrar em operação antes do final do ano. Autoridades do Reino Unido disseram que o grupo segue ativamente o modelo dos Boinas Verdes norte-americanos. A recente revisão integrada da Grã-Bretanha de defesa, segurança, política externa e desenvolvimento internacional exigiu £ 120 milhões (US$ 170 milhões) nos próximos quatro anos para a unidade.

Questionado sobre por que a Grã-Bretanha criaria a unidade agora, quando o país e os EUA estão focados conjuntamente na competição de grandes potências e reduções no Oriente Médio, Carleton-Smith apontou para a experiência no Iraque e no Afeganistão, que ele descreveu como “engajados em uma campanha de gerenciamento de proxy”, onde as forças especiais aliadas se concentraram na construção de capacidade de parceiros locais.


LIVRO RECOMENDADO

Não há dia fácil: Um líder da tropa de elite americana conta como mataram Osama Bin Laden

  • Mark Owen e Kevin Maurer (Autores)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

“É um jogo de longo prazo e um investimento de longo prazo, mas também é um esporte especializado, principalmente no que diz respeito à dimensão cultural”, disse Carleton-Smith. “E pensamos que no futuro esse estilo terá maior aplicabilidade em regiões do mundo como a África, que continua a incubar ameaças extremistas violentas. E, portanto, precisávamos desenvolver maior capacidade.”

O desafio será construir as capacidades dos parceiros enquanto transformam as forças de operações especiais de “nível um” existentes da Grã-Bretanha para prepará-las para grandes desafios de poder, disse o general. “Para encontrar o tempo e os recursos para essa [transformação], eles precisarão abrir mão de algumas das responsabilidades que têm sido sua dieta diária no mundo pós-11 de setembro e passar a responsabilidade para a força convencional”, ele explicou.

Conseqüentemente, os rangers, que “nos darão capacidade de levantar, treinar, orientar, aconselhar e acompanhar os substitutos locais em ambientes hostis e de alta ameaça, uma função que anteriormente era quase exclusiva de nossas forças especiais de nível um, mas que nós agora precisamos também dentro da força convencional.”

“Eles atuarão como a continuidade de longo prazo para nosso treinamento e relações de ligação nos postos avançados, capitalizando de fato nossa rede global de bases de treinamento”, acrescentou ele, destacando locais como Quênia, Brunei e Belize como áreas com parcerias regionais existentes nas quais os rangers podem intervir e liderar.


LIVRO RECOMENDADO

Calor Afegão: Operações SAS no Afeganistão

  • Steve Stone (Autor)
  • Em português
  • eBook Kindle

Quando a revisão integrada foi lançada em março, James Heappey, o ministro das Forças Armadas do Reino Unido, destacou a África Subsaariana como um “mercado em crescimento” para a capacidade dos rangers. Carleton-Smith também identificou a África como uma preocupação fundamental que Londres está observando enquanto aumenta este novo regimento.

“Acho que podemos ver índices que dizem respeito a uma espécie de instabilidade crescente na África Subsaariana. E se os dados demográficos forem verdadeiros, a população pode dobrar no decorrer dos próximos 20-25 anos. E nós, europeus, já vimos potencialmente apenas a ponta do vulcão humano que a África, se deixada sem vigilância, poderia representar”, disse Carleton-Smith.

“E assim pensamos desde o início, a ação profilática agora, em apoio aos parceiros locais em toda a região, vai [aumentar] a resiliência e a capacidade militar de que eles vão precisar para lidar com esta instabilidade crescente”, acrescentou. “E, claro, estamos lidando com vastas extensões geográficas, quase perfeitamente feitas sob medida para a incubação de futuras ameaças extremistas que acharam difícil sobreviver, é claro, no Waziristão, Afeganistão, Síria e Iraque, e estão procurando por outros áreas nas quais, é claro, para exercer seu comércio.”

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também