Bombardeiro estratégico H-20 da China “pode ser capaz de atingir segunda cadeia de ilhas”

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Concepção artística do bombardeiro chinês Xian H-20 (Imagem: Weibo).

Concepção artística do bombardeiro chinês Xian H-20 (Imagem: Weibo).

O bombardeiro estratégico Xian H-20 de próxima geração da China pode ter adotado um design de asa voadora furtiva que pode ajudá-lo a atingir alvos na segunda cadeia de ilhas e além, disse um analista após a publicação de imagens do projeto da aeronave.

A última edição da Modern Weaponry, revista mensal administrada pela empresa estatal de defesa Norinco (China North Industries Group), divulgou quatro fotos geradas por computador do design do Xian H-20. O bombardeiro está em desenvolvimento há anos e fotos dele nunca foram divulgadas oficialmente.


Imagem: Modern Weaponry.

As quatro fotos sugeriram que a aeronave tem um compartimento para armas, duas asas de cauda ajustáveis, um radar aerotransportado na frente e duas entradas de ar furtivas em ambos os lados, todas cobertas por um material absorvente de radar cinza escuro.

Seu formato é muito semelhante ao de uma aeronave mostrada em um vídeo promocional em janeiro por outra empresa estatal, a Aviation Industry Corporation of China, ou AVIC, para marcar o 60º aniversário da fundação da Xian Aircraft Industrial Corporation, ou XAC – que é supostamente responsável pelo desenvolvimento do H-20.

Relatórios anteriores haviam dito que o H-20 seria equipado com mísseis nucleares e convencionais, teria peso máximo de decolagem de pelo menos 200 toneladas e carga útil de até 45 toneladas, e deveria voar em velocidades subsônicas e potencialmente disparar quatro poderosos mísseis de cruzeiro furtivos hipersônicos.

Jon Grevatt, especialista em aeronaves de guerra e analista de defesa para a Ásia-Pacífico da Janes, disse que as imagens divulgadas mostram que o H-20 prioriza o sigilo e a longa distância em relação à velocidade. “Então isso significa que o tipo de vantagem estratégica dessa aeronave é que ela seria capaz de atacar como o que eles chamam de bombardeiro estratégico, portanto será capaz de atacar alvos a uma longa distância, talvez na segunda cadeia de ilhas e além”, disse Grevatt.



“Isso significa que ele ameaçaria os ativos e os interesses dos EUA na Ásia-Pacífico. Se a aeronave se tornar operacional, terá potencial para mudar o jogo.”

Parte da estratégia da cadeia de ilhas na política externa dos EUA, o segundo anel de ilhas inclui bases americanas no Japão, Guam, Filipinas e outros países. A terceira cadeia de ilhas se estende até o Havaí e a costa da Austrália.

Grevatt disse esperar que a aeronave entre em operação até o final da década de 2020 e que a China adquiriu boa experiência e conhecimento no desenvolvimento de aeronaves stealth nos últimos 10 anos.

O desenvolvimento do bombardeiro H-20 na China atraiu a atenção internacional. No final de outubro, um relatório do RUSI (Royal United Services Institute for Defense and Security Studies), com sede em Londres, disse que o bombardeiro invisível subsônico daria à China uma capacidade “verdadeiramente intercontinental” que expandiria seu alcance muito além do litoral do país.

“Armado com mísseis nucleares e convencionais, o H-20 representaria uma grande ruptura com a doutrina anterior [da Força Aérea do Exército de Libertação Popular] e prática de desenvolvimento de equipamentos”, disse o relatório.

Fonte: SCMP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também