A China está mudando a forma como o dinheiro é emprestado aos países necessitados

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Bandeiras do Banco de Desenvolvimento da China hasteadas perto da bandeira nacional chinesa; a China tem uma variedade de instrumentos de empréstimo à sua disposição (Foto: AP).

Bandeiras do Banco de Desenvolvimento da China hasteadas perto da bandeira nacional chinesa; a China tem uma variedade de instrumentos de empréstimo à sua disposição (Foto: AP).

Das muitas mudanças que a covid-19 apressou, a forma como o Fundo Monetário Internacional, com sede nos EUA, e o Banco Mundial executam a política, está entre as mais notáveis.

Já se foram as duras condições que ambas as instituições impunham ao financiamento de projetos desde os anos 1980, uma abordagem de política conhecida como Consenso de Washington. Freqüentemente, isso incluía austeridade fiscal, cortes de bem-estar, remoção de subsídios de preços e privatização, tudo em países que já estavam em péssimas condições econômicas e financeiras.

Freqüentemente, os governos não tinham escolha a não ser concordar, criando ressentimento em todo o mundo – especialmente na Ásia – à medida que o Consenso de Washington passou a simbolizar como instituições não eleitas podem impor condições draconianas às nações soberanas.

Mas as coisas estão mudando. Em resposta à covid, o FMI disponibilizou US$ 250 bilhões para vários mecanismos de empréstimo e para ajudar no alívio do serviço da dívida, com mais US$ 107 milhões em assistência financeira para 85 países.

Essas medidas foram disponibilizadas por meio de uma variedade de programas com pouca ou nenhuma condicionalidade e, em vez disso, enfocaram a proteção de vidas e o apoio a pessoas que perderam seu sustento.

Como a linha de crédito flexível não condicional que o FMI estabeleceu após a crise financeira global para ajudar os países presos em uma crise de liquidez, as medidas atuais são projetadas para aliviar os países em situação de endividamento como consequência da pandemia.

Essa mudança de política é bem-vinda, mesmo que ocorra após alguns fracassos de política significativos em ajudar países a saírem de crises da dívida – um dos casos mais recentes e mais proeminentes sendo a Grécia. Mas essa virada teria ocorrido sem a transformação da China em um credor muito significativo para os países necessitados?


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

A China é agora a maior fonte oficial de financiamento do desenvolvimento do mundo, superando os empréstimos de qualquer instituição multilateral ou outros credores bilaterais, incluindo os Estados Unidos. Cerca de 70% desses empréstimos são concedidos por bancos de políticas públicas, notadamente o Banco de Desenvolvimento da China e o Banco de Exportação-Importação da China.

O primeiro agora tem ativos totais, domésticos e internacionais, que excedem os ativos totais combinados do Banco Mundial, do Banco Europeu de Investimento e de todos os quatro principais bancos de desenvolvimento regional combinados. Nos 10 anos até 2019, o China Development Bank e o China Export-Import Bank concederam empréstimos aos países em desenvolvimento da Ásia-Pacífico totalizando quase US$ 120 bilhões, em comparação com o total de empréstimos no valor de US$ 220 bilhões que o Banco Mundial concedeu entre 2012 e o primeiro trimestre de 2021.

A China tem uma variedade de instrumentos de empréstimo à sua disposição, cada um com características e funções distintas. Desde meados da década de 2010, duas iniciativas representaram o papel crescente da China nos empréstimos internacionais: a Belt and Road Initiative e o Asian Infrastructure Investment Bank, com sede em Pequim e China.

Ambas as iniciativas ganharam grande visibilidade devido a uma combinação de recursos financeiros, uma rede significativa de países signatários e a hostilidade dos EUA. Ainda assim, a quantidade de dinheiro realmente aplicada até agora tem sido relativamente pequena. Os empréstimos da BRI representam apenas cerca de 10% dos empréstimos totais da China.

Embora os termos do empréstimo muitas vezes não sejam divulgados – a China não é membro do Clube de Paris – as evidências disponíveis sugerem que os empréstimos da BRI, ao contrário dos oferecidos pelo Banco Mundial, oferecem termos e condições semelhantes aos associados aos empréstimos comerciais normais. Pequim não impõe reformas econômicas ou sociais como condições de empréstimo, o que atrai países com dívidas existentes ou problemas de governança.

A assistência financeira chinesa também foi implantada na forma menos conhecida, mas extremamente eficaz, de acordos bilaterais de swap de moedas. Seguindo o manual do Federal Reserve dos EUA, o Banco do Povo da China, o banco central chinês, até agora assinou acordos de swap de moeda – linhas de liquidez bilateral – com pelo menos 32 países, sendo o último Mianmar. Para países com reservas limitadas de moeda estrangeira, esses acordos foram uma dádiva de Deus.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

O Paquistão ativou sua linha de swap com a China em algumas ocasiões, uma em 2013 e novamente em 2017, o que permitiu evitar a instabilidade financeira.

Os empréstimos bilaterais e as provisões de liquidez permitiram que a China avançasse silenciosamente e sem ameaças em sua meta de desempenhar um papel mais importante nas finanças internacionais dentro das restrições impostas por sua própria moeda, o yuan, que limitou a circulação internacional.

A China continuará a fornecer liquidez de curto prazo aos mercados emergentes e países em desenvolvimento, abordando assim a lacuna existente no sistema atual. Na Ásia, por exemplo, nenhum país até agora acessou a linha de crédito flexível do FMI. Nas últimas duas décadas, houve apenas alguns programas do FMI para países em desenvolvimento menores na região da Ásia-Pacífico, e no Leste Asiático não houve nenhum.

Ao ganhar amigos em países que sentem que estão sendo ignorados ou maltratados por outras instituições financeiras internacionais e, implicitamente, pelos Estados Unidos, a China está assumindo o controle dos principais fluxos de cooperação regional na Ásia. Depois de observar os EUA usarem empréstimos e linhas de swap para fornecer seletivamente financiamento e liquidez em dólares, a China agora está fazendo o mesmo.

Ainda é muito cedo para chamar isso de início do consenso de Pequim, já que as limitações do yuan como moeda internacional restringem a capacidade de empréstimo bilateral da China e aumentam o risco dos credores.

No entanto, embora essas limitações signifiquem que a China ainda não pode estabelecer um sistema alternativo ao atual liderado pelos EUA, sua posição muito expandida em empréstimos bilaterais está agora levando a ação internacional a se concentrar na necessidade de melhorar a forma como o FMI e outros bancos multilaterais de desenvolvimento fornecer financiamento e como tornar mais flexíveis as condições associadas a esses empréstimos.

Fonte: Nikkei Asia.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralAmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também