Principal general dos EUA no Oriente Médio diz que é preciso “mais trabalho” para combater pequenos drones

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Nesta foto de 20 de maio de 20201, o general Frank McKenzie, principal comandante dos EUA para o Oriente Médio, chega a Bagdá (Foto: Lolita C. Baldor/AP).

Nesta foto de 20 de maio de 20201, o general Frank McKenzie, principal comandante dos EUA para o Oriente Médio, chega a Bagdá (Foto: Lolita C. Baldor/AP).

Um mês depois de um drone carregado de explosivos ter como alvo as forças dos EUA em uma base do Iraque, o principal comandante americano para o Oriente Médio disse que encontrar melhores maneiras de conter tais ataques é uma prioridade, e que os Estados Unidos ainda estão atrás da curva de soluções.

O general Frank McKenzie disse a repórteres que viajavam com ele que o uso de pequenos drones por milícias apoiadas pelo Irã só vai crescer nos próximos anos. Ele passou o dia no Iraque na quinta-feira, mas por razões de segurança, a mídia que o acompanhou não foi autorizada a informar sobre sua visita até depois que ele deixou a região.

Os drones, que são baratos e fáceis de comprar, muitas vezes são difíceis de detectar e problemáticos para derrotar. McKenzie disse que os EUA devem encontrar mais maneiras de conter seu uso pelos inimigos da América no Oriente Médio e em outros lugares.

“Estamos trabalhando muito para encontrar soluções técnicas que nos permitam ser mais eficazes contra drones”, disse McKenzie. Esforços estão em andamento, disse ele, para procurar maneiras de cortar os links de comando e controle entre um drone e seu operador, melhorar os sensores de radar para identificar rapidamente a ameaça quando ela se aproxima e encontrar maneiras eletrônicas e cinéticas eficazes para derrubá-los. Ele acrescentou que cercas e redes altas também podem ser usadas como medidas de proteção.

“Estamos abertos a todo o tipo de coisa”, disse ele. “O Exército está trabalhando muito. Ainda assim, não acho que estejamos onde queremos estar.”


LIVRO RECOMENDADO

The Iran-Iraq War

  • Pierre Razoux (Autor)
  • Em Inglês
  • Kindle ou Capa dura

Em meados de abril, um drone teve como alvo as forças da coalizão liderada pelos EUA perto de um aeroporto do norte do Iraque, causando um grande incêndio e danos a um edifício. Não houve vítimas.

Ninguém assumiu a responsabilidade pelo ataque. Os EUA culparam grupos de milícias apoiados pelo Irã por ataques anteriores, a maioria deles foguetes, que visaram a presença americana em Bagdá, a capital, e bases militares em todo o Iraque.

Ataques gerais contra as tropas da coalizão têm sido frequentes desde que um ataque de drones dirigido pelos EUA matou o general iraniano Qassem Soleimani perto do aeroporto de Bagdá no ano passado. O líder da milícia iraquiana Abu Mahdi al-Muhandis também foi morto no ataque. O ataque atraiu a ira de legisladores iraquianos, em sua maioria xiitas, e levou o parlamento a aprovar uma resolução não vinculativa para pressionar o governo iraquiano a expulsar as tropas estrangeiras do país.

O governo Biden retomou as negociações estratégicas com Bagdá, iniciadas sob o presidente Donald Trump, nas quais o futuro da presença das tropas dos EUA no Iraque é um ponto central de discussão. McKenzie e outros expressaram otimismo de que os EUA manterão uma presença militar no país

Os grupos milicianos, disse McKenzie, estão frustrados porque havia alguma esperança de que as forças dos EUA deixassem o Iraque, especialmente após o ataque de Soleimani.


LIVRO RECOMENDADO

Drones: Guia das aeronaves não tripuladas que estão tomando conta de nossos céus

  • Martin J. Dougherty (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

“Eles acreditam que podem realizar ataques em um nível bastante baixo que não provocarão uma resposta, mas criarão atrito suficiente que acabará nos induzindo a partir”, disse McKenzie a repórteres que viajavam com ele. “Eu acho que é uma situação perigosa.”

Ele disse acreditar que a coalizão liderada pelos EUA ainda tem trabalho a fazer no Iraque para ajudar a derrotar o grupo do Estado Islâmico, que mantém alguma presença no oeste e no norte do Iraque. Mas ele disse que as forças de segurança iraquianas fizeram um bom trabalho no combate ao Estado Islâmico.

Depois de passar a quinta-feira no Iraque, McKenzie esteve na Síria na sexta-feira, se reunindo com comandantes e forças dos EUA e parceiros em quatro bases diferentes.

Fonte: Military Times.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralAmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também