Risco de conflito no Estreito de Taiwan “em alta”, diz think tank chinês

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Caça taiwanês acompanha um bombardeiro chinês sobre o estreito de Taiwan no ano passado (Foto: Agência de Notícias Militar de Taiwan).

Caça taiwanês acompanha um bombardeiro chinês sobre o estreito de Taiwan no ano passado (Foto: Agência de Notícias Militar de Taiwan).

As tensões em todo o Estreito de Taiwan aumentaram a ponto de o risco de conflito armado estar “no ponto mais alto”, de acordo com um think tank apoiado por Pequim.

A China Cross-Strait Academy divulgou um relatório na quarta-feira sobre as relações na estreita faixa de água que separa a China continental de Taiwan. Ele disse que os pesquisadores analisaram fatores como a força militar dos dois lados, relações comerciais, opinião pública, eventos políticos e apoio de aliados, concluindo que eles estão “à beira da guerra”.

O think tank, com sede em Hong Kong, fundado recentemente, é liderado por Lei Xiying, membro do comitê da Federação da Juventude de Toda a China, apoiada pelo Partido Comunista. Sua conclusão foi baseada em um índice do nível de risco de conflito armado através do estreito, que os pesquisadores estimaram em 7,21 para 2021.

Eles também analisaram os mesmos fatores na década de 1950 para chegar a índices de risco comparativos. Eles disseram que no início dos anos 1950, quando as forças nacionalistas fugiram do continente para Taiwan, o índice era 6,7, menor do que hoje.


O índice de risco no Estreito elaborado pelo think tank sugere que o potencial para conflito atingiu um nível recorde (Imagem: China Cross-Strait Academy).

Ele pairou acima de 6,5 em grande parte da década de 1970, mas caiu para 4,55 em 1978, quando Washington estabeleceu relações diplomáticas formais com Pequim. O risco de conflito também era baixo na década de 1990, quando o continente embarcou em reformas econômicas que atraíram investimentos de todo o mundo, incluindo Taiwan.

Mas o relatório diz que o índice vem subindo continuamente desde 2000, quando o Partido Progressista Democrático, inclinado à independência, assumiu o poder em Taiwan, encerrando os 55 anos de governo do Kuomintang.

Passou de 6,0 novamente em 2018, com Donald Trump como presidente dos EUA adotando uma abordagem antagônica à China e buscando um relacionamento mais próximo com Taiwan.

Os Estados Unidos, como a maioria dos países, não têm laços diplomáticos formais com Taiwan, mas são seu patrocinador internacional mais importante e um importante vendedor de armas.

A revista The Economist este mês classificou o Estreito de Taiwan como “o lugar mais perigoso da Terra”, pois é a questão territorial mais sensível de Pequim e um importante ponto de discórdia entre a China e os EUA. Pequim afirma que o governo autônomo de Taiwan é seu território e não renunciou ao uso da força para colocá-lo sob controle do continente. Pequim está irritada com os laços aquecidos entre Washington e Taipé e teme que a administração da ilha seja encorajada a declarar independência, considerada uma linha vermelha para a China.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Lei, que chefia o novo think tank, disse que a mudança na dinâmica política em todo o Estreito de Taiwan e as relações mais próximas de Washington com Taipé são dois “fatores destrutivos” que aumentam o risco de conflito.

“Se a tendência atual continuar … a unificação [de Pequim] de Taiwan pela força será apenas uma questão de tempo”, disse ele. Lei disse que os pesquisadores continuarão monitorando o aprofundamento dos laços militares entre os EUA e Taiwan, já que isso teve um impacto significativo no índice de risco.

No entanto, Lim John Chuan-tiong, um ex-pesquisador da Academia Sinica de Taiwan, questionou se a situação atual era pior do que na década de 1950, quando havia conflito armado entre a China continental e Taiwan.

“Mas, considerando a situação explosiva agora, enormes incertezas e os riscos envolvidos se alguém fizer um julgamento errado ou um movimento errado, não é incorreto dizer que o nível de risco em todo o Estreito de Taiwan está em um nível alto sem precedentes”, disse Lim.

“Pequim costumava acreditar que, enquanto as relações sino-americanas estiverem sob controle, Taiwan não será um problema”, disse ele. “Mas … as relações sino-americanas despencaram sob Trump e não há sinais de melhora agora com o governo de Joe Biden, que depende mais de aliados como Taiwan para conter a China.”

Fonte: SCMP.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também