Cinco empresas poderiam construir novo avião de vigilância para operadores especiais da USAF

Compartilhe:
Sky Warden, baseado no Air Tractor AT-802, é a oferta da L3Harris para o programa de vigilância armada da AFSOC (Foto: L3Harris Technologies).

O Sky Warden, baseado no Air Tractor AT-802, é a oferta da L3Harris para o programa de vigilância armada da AFSOC (Foto: L3Harris Technologies).

O Comando de Operações Especiais da Força Aérea dos EUA escolheu cinco empresas para competir em seu programa de vigilância armada por uma nova aeronave de ataque, concedendo US$ 19,2 milhões em contratos entre os fornecedores.

As empresas selecionadas irão agora construir e pilotar aeronaves-protótipo em uma série de demonstrações na Base Aérea de Eglin. Esses concorrentes incluem:

  • Bronco II de Leidos
  • Guardião MC-208 da MAG Aerospace
  • AT-6E Wolverine da Textron Aviation Defense
  • AT-802U Sky Warden da L3Harris Technologies
  • Wily Coyote MC-145B da Sierra Nevada Corp.

As manifestações estão programadas para ocorrer até março de 2022, de acordo com uma solicitação no SAM.gov. Posteriormente, o AFSOC determinará se alguma das aeronaves atende aos seus requisitos. Nesse caso, “o contratante pode ser solicitado a fornecer uma proposta de produção para um prêmio de produção subsequente”, afirma a solicitação.

Em fevereiro, o comandante do AFSOC, tenente-general James Slife, disse que esperava que a aquisição de uma nova plataforma pudesse começar em 2022.


LIVRO RECOMENDADO

12 Heróis

  • Doug Stanton (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

“Acho que podemos fazer [o programa] com um risco relativamente baixo, com base no que vimos dos fornecedores que indicaram que pretendem trazer plataformas para demonstrar para nós nos próximos meses”, disse Slife.

A AFSOC planeja comprar até 75 plataformas armadas de vigilância para substituir o U-28 Draco, e o comando está olhando para aeronaves de multimissão não desenvolvidas que podem ser reconfiguradas para coletar inteligência e realizar apoio aéreo aproximado para as forças terrestres.

Como o Draco, a nova aeronave de vigilância deve ser adaptada para missões em ambientes incontestáveis ​​como o da África, capaz de operar em condições austeras com apenas uma pegada logística mínima.

“A razão de estarmos fazendo isso é porque a Estratégia de Defesa Nacional fala sobre a necessidade de realizar operações econômicas [de organizações extremistas contra-violentas], guerra irregular econômica”, disse Slife. “Portanto, o ambiente operacional onde operamos atualmente os U-28 é quase o mesmo em que imaginaríamos operar plataformas armadas de vigilância.”

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

V-UnitV-UnitPublicidade
AmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também