Iron Dome intercepta drone em combate pela primeira vez

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O sistema de defesa israelense Iron Dome, à esquerda, intercepta foguetes, à direita, disparados pelo Hamas em direção ao sul de Israel a partir de Beit Lahia, no norte da Faixa de Gaza, em 14 de maio de 2021 (Foto: Anas Baba/AFP).

O sistema de defesa israelense Iron Dome, à esquerda, intercepta foguetes, à direita, disparados pelo Hamas em direção ao sul de Israel a partir de Beit Lahia, no norte da Faixa de Gaza, em 14 de maio de 2021 (Foto: Anas Baba/AFP).

O sistema de defesa aérea Iron Dome de Israel interceptou um drone pertencente ao Hamas pela primeira vez, segundo as forças de defesa do país. No total, Israel interceptou seis drones usando várias contra-medidas desde o início das hostilidades entre Israel e o Hamas em 10 de maio, disseram as Forças de Defesa de Israel na segunda-feira. Um oficial sênior da Força Aérea descreveu a interceptação como um avanço significativo.

Israel apregoou novos recursos para o Iron Dome no ano passado, incluindo um exercício em que trabalhou ao lado de outros sistemas de defesa aérea para enfrentar várias ameaças e outro exercício este ano durante o qual derrubou sistemas aéreos não tripulados.

A mídia israelense em 13 de maio informou que vários drones foram lançados da Faixa de Gaza. Um caça F-16 com um míssil ar-ar Python-5 abateu um dos drones e o Iron Dome interceptou outro. Outros drones foram abatidos por “meios secretos”, relatou o diário local Yediot Ahronot.

O IDF em 13 de maio observou que “há pouco tempo, o Sistema de Defesa Aérea Iron Dome interceptou um UAV pertencente à organização terrorista Hamas que cruzou da Faixa de Gaza para o território israelense. A Força Aérea israelense monitorou o UAV até a interceptação. A IDF continua a proteger o espaço aéreo de Israel e não permitirá atividades como esta.” Em 17 de maio, a IDF acrescentou que este evento foi a primeira interceptação de UAV pelo Iron Dome durante um combate.

A Rafael Advanced Defense Systems, que fabrica o Iron Dome, não quis comentar a interceptação. O Ministério da Defesa israelense, que divulgou informações no passado sobre as novas capacidades do Iron Dome, também não quis comentar sobre o evento.


LIVRO RECOMENDADO

Drones: Guia das aeronaves não tripuladas que estão tomando conta de nossos céus

  • Martin J. Dougherty (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Em março, o ministro da Defesa, Benny Gantz, disse que “as capacidades tecnológicas desenvolvidas pelas indústrias de defesa, incluindo o Iron Dome e o sistema de defesa antimísseis de várias camadas, são fundamentais para a defesa do Estado de Israel. Em face das ameaças emergentes e em rápida mudança, essas novas capacidades fornecem ao escalão político e estabelecimento de defesa a flexibilidade operacional que é crítica para a nossa segurança nacional.” Na época, a Organização de Defesa de Mísseis de Israel disse que “o Iron Dome foi testado em uma variedade de cenários complexos e interceptou e destruiu alvos simulando ameaças existentes e emergentes, incluindo a interceptação simultânea de vários UAV, bem como uma salva de foguetes e mísseis .”

Desde 10 de maio, aproximadamente 3.000 foguetes foram disparados da Faixa de Gaza contra Israel. O Iron Dome interceptou mais de 1.000 deles, representando cerca de 90 por cento daqueles determinados a representar uma ameaça. Muitos foguetes caem em áreas abertas ou nem mesmo saem da Faixa de Gaza devido a problemas de funcionamento. Os UAV do Hamas agora foram adicionados à ameaça dos foguetes.

Tal Inbar, especialista aeroespacial e em UAV, bem como ex-chefe do Centro de Pesquisa Espacial do Instituto Fisher para Estudos Estratégicos do Ar e do Espaço, disse que os drones agora são parte integrante dos inventários de atores não estatais, incluindo o Hamas e o Hezbollah.

“Esta é uma ameaça relativamente nova no campo de batalha e no front doméstico. Você precisa de meios eficazes para interceptá-los”, explicou Inbar, que agora é pesquisador da Missile Defense Advocacy Alliance. Ele acrescentou que esta interceptação ilustra que os drones representam um desafio, pois voam baixo e têm um RCS baixa, mas observou que o Iron Dome recebeu atualizações para ajudá-lo a lidar com novas ameaças.


LIVRO RECOMENDADO

A porta dos leões: Nas linhas de frente da Guerra dos Seis Dias

  • Steven Pressfield (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Israel usa três termos para se referir a drones: malatim ou UAV para drones maiores; rakfanim para quadricópteros; e kli tais para aeronaves, que também é usado para se referir aos UAV do Hamas. O uso de drones pelo Hamas não é novidade, mas o grupo recentemente revelou um vídeo do Shehab, um drone lançado de uma espécie de catapulta, que aparentemente voando ao longo de uma rota pré-programada. O drone inclui uma ogiva, atingindo o alvo em uma missão kamikaze. Isso é semelhante a um Ababil iraniano e o Qasef usado pelos rebeldes Houthi no Iêmen; o último é baseado no primeiro. Em setembro de 2019, o Irã usou uma série de drones tipo kamikaze e mísseis de cruzeiro para atacar as instalações de petróleo da Arábia Saudita.

Israel tem trabalhado em vários sistemas para detectar e neutralizar drones, incluindo novos sistemas de laser e um drone que usa uma rede para derrubar drones menores. A Rafael desenvolveu lasers para derrubar drones, e a empresa mostrou a capacidade de interceptar vários drones pequenos durante uma demonstração em fevereiro de 2020. Israel também usou aviões e helicópteros com mísseis para lidar com ameaças de drones, incluindo um UAV que voou para o espaço aéreo israelense vindo da Síria em fevereiro de 2018. Em julho de 2018, Israel usou um míssil Patriot para derrubar um drone da Síria.

O Exército dos EUA tem duas baterias de sistema Iron Dome, e a Agência de Defesa de Mísseis do país trabalha com Israel em uma variedade de projetos de defesa aérea, incluindo o míssil Arrow. O Congresso também apoiou o trabalho de combate a drones com Israel por meio do Ato de Autorização de Defesa Nacional de 2019.

O conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, e seu homólogo israelense, Meir Ben-Shabbat, discutiram a cooperação em ameaças de combate ao drone em abril de 2021. Uma leitura de sua discussão observou que “os Estados Unidos e Israel concordaram em estabelecer um grupo de trabalho interagências para enfocar em particular atenção à crescente ameaça de veículos aéreos não tripulados [UAV] e mísseis guiados de precisão produzidos pelo Irã e fornecidos aos seus representantes na região do Oriente Médio”.

Fonte: Defense News.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também