Coronel da Força Espacial dos EUA é desligado após atacar as políticas de inclusão do Pentágono como “marxismo”

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Foto: Staff Sgt. Kayla White/US Space Force.

Foto: Staff Sgt. Kayla White/US Space Force.

O ex-chefe do Pentágono Mark Esper provavelmente perdeu o favor do então presidente dos Estados Unidos Donald Trump em julho de 2020, depois de tentar renomear várias bases militares dos Estados Unidos com nomes de heróis da Confederação, uma insurreição pró-escravidão que foi derrotada em 1865. Trump os chamou de “parte de uma Grande Herança Americana ”e inverteu a ordem.

Um coronel da Força Espacial dos EUA (USSF, US Space Force) foi dispensado de seu posto após sua aparição em um podcast no qual ele aconselhou os militares a não cumprirem o treinamento de diversidade porque isso é “marxismo”.

O Military.com relatou que o tenente-coronel Matthew Lohmeier, comandante do 11º Esquadrão de Alerta Espacial na Base Aérea de Buckley, Colorado, perdeu seu posto na sexta-feira “devido à perda de confiança em sua capacidade de liderar”, disse a publicação.

Um porta-voz do USSF disse à mídia que a medida “foi baseada em comentários públicos feitos pelo tenente-coronel Lohmeier em um podcast recente” e que seu comandante, o tenente-general Stephen Whiting, havia iniciado uma investigação sobre “se esses comentários constituíam atividade política partidária proibida”.

De acordo com o Military.com, Lohmeier apareceu recentemente em um podcast chamado “Information Operation” para promover seu novo livro publicado por ele mesmo, intitulado Irresistible revolution: Marxism’s goal of conquest & the unmaking of the American military (Revolução Irresistível: O objetivo do marxismo de conquista e o desmantelamento das forças armadas americanas, em tradução livre, sem previsão de publicação no Brasil). Os treinamentos de inclusão, que ensinam os membros do serviço a serem tolerantes e receptivos a camaradas com diferentes ideologias e identidades, são exemplos de “teoria crítica da raça”, que ele, por sua vez, afirmou que “tem raízes no marxismo”.

A teoria crítica da raça é um movimento acadêmico que surgiu na década de 1990 que buscou enfatizar a continuação do racismo e das disparidades raciais na cultura e nas instituições dos Estados Unidos em desafio direto à noção de uma sociedade pós-racial que se popularizou após as convulsões pelos direitos civis nas décadas de 1960 e 1970.


LIVRO RECOMENDADO

Guerra irregular: terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história

  • Alessandro Visacro (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Depois que os protestos em todo o país contra a brutalidade policial e o racismo anti-negro abalaram os Estados Unidos no verão de 2020 e forçaram um ajuste de contas com muitas dessas instituições, o então presidente, Donald Trump, liderou a acusação contra a tendência, rotulando as discussões sobre o privilégio dos brancos e racismo estrutural, incluindo críticas à contínua veneração de heróis do movimento separatista pró-escravidão da Confederação da década de 1860, como “propaganda não americana”.

Conservadores que se uniram em torno dele também adotaram a crítica, usando-a especialmente contra o governo do novo presidente, Joe Biden, que se concentrou fortemente na indicação de minorias de gênero, raça e sexo para posições-chave no governo. Biden também usou várias ações executivas em seus primeiros dias no cargo para desfazer muitas das políticas discriminatórias de Trump, incluindo uma que proibia os transgênero de servir nas forças armadas dos EUA.

Após a insurreição de 6 de janeiro no Capitólio dos Estados Unidos, na qual os apoiadores de Trump contestaram o resultado da eleição presidencial de 2020, o Pentágono e as forças policiais em todo o país começaram uma busca sistemática por extremistas de direita e simpatizantes depois de descobrir que muitos membros da ativa haviam participado do protesto. No entanto, ambas as instituições passaram anos perseguindo uma rede crescente de supremacistas brancos e recrutadores e simpatizantes neonazistas.

Em uma revisão de 6 de maio do progresso das mudanças de política do governo Biden, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, que é o primeiro negro nomeado para o cargo, saudou as realizações do Pentágono.

“Quero ser franco: não há lugar para ódio, intolerância ou comportamento extremista neste departamento ou nas forças armadas”, disse Austin. “Este departamento tem uma porta aberta para qualquer americano qualificado que queira servir. Isso é uma questão de princípio nacional e segurança nacional. A diversidade é uma fonte de força. Não podemos nos dar ao luxo de nos privar dos talentos as vozes de toda a extensão de uma nação que defendemos.”

Lohmeier atacou Austin em sua aparição no podcast, dizendo: “Eu não demonizo o homem, mas quero deixar claro para ele e para todos os membros do serviço que esta agenda [diversidade e inclusão], vai nos dividir, não vai nos unificar.”

De acordo com Military.com, Lohmeier observou uma ordem de retirada de 5 de fevereiro de Austin após a insurreição do Capitólio em relação ao extremismo nas fileiras. O oficial do USSF disse que recebeu um livreto que descreveu o motim como um exemplo de extremismo, mas não os protestos anti-racismo do verão anterior.
Embora Lohmeier não tenha sido dispensado do serviço, não está claro qual é sua atribuição atual. Ele estava encarregado de uma unidade com missão de detectar lançamentos de mísseis balísticos.

Fonte: Sputnik.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também