Governo Biden deve prosseguir com política de Trump de proibição de investimentos chineses

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O presidente americano, Joe Biden (Foto: Andrew Harrer/EPA-EFE).

O presidente americano, Joe Biden (Foto: Andrew Harrer/EPA-EFE).

O governo Biden deve manter a pressão sobre a China, preservando os limites aos investimentos americanos em certas empresas chinesas impostos pelo ex-presidente Donald Trump, disseram seis pessoas a par do assunto, contrariando os pedidos de Wall Street para aliviar as restrições.

As autoridades do governo Biden ainda estão em discussões preliminares sobre as proibições de investimento de Trump em empresas ligadas aos militares da China, que incluem três das maiores empresas de telecomunicações do país, disseram as pessoas. Nenhuma decisão foi tomada. As pessoas familiarizadas com o assunto pediram para não serem identificadas porque as discussões sobre a proibição não são públicas.

Biden está tentando navegar em um relacionamento tenso com Pequim, à medida que as tensões aumentam sobre questões que vão desde comércio e direitos humanos a posturas militares no Mar do Sul da China. A lista negra de investimentos, anunciada por Trump em novembro, desencadeou um novo conflito, levando a China a ameaçar com uma possível ação legal contra empresas globais que se seguiram à proibição dos EUA Porta-vozes do Departamento do Tesouro e do Conselho de Segurança Nacional não quiseram comentar.

Os recibos de depósitos americanos de algumas das maiores empresas da China atingiram as baixas da sessão com as notícias. A Alibaba Group Holding Ltd. caiu 1,7%, enquanto a Baidu Inc. caiu 2,8%. A Tencent Holdings Ltd. caiu 1,2%. O governo Biden provavelmente encontrará amplo apoio no Congresso para uma postura dura em relação à China.

“É senso comum que os dólares americanos não devam fluir para entidades próximas aos militares do Partido Comunista Chinês, que estão construindo armas e capacidades destinadas a matar membros do serviço militar americano”, disse o senador Marco Rubio, um republicano da Flórida, em um comunicado por e-mail. “O governo Biden deve rejeitar quaisquer esforços da classe de investidores para erodir as sanções da era Trump e deve trabalhar com o Congresso para transformar essas penalidades em lei”, acrescentou.

A lista negra não é um ponto sensível apenas na China, mas também em Wall Street. O setor financeiro instou o governo Biden a reverter completamente a proibição de investimentos, de acordo com fontes do setor. No mínimo, os bancos querem uma orientação clara do Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros do Tesouro, ou OFAC, sobre o cumprimento da proibição.


LIVRO RECOMENDADO

A caminho da guerra: Os Estados Unidos e a China conseguirão escapar da Armadilha de Tucídides?

  • Graham Allison (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

A administração de Trump confundiu os mercados com anúncios conflitantes sobre as sanções durante seus últimos meses no cargo. As bolsas de valores e os investidores ficaram confusos quando Trump anunciou em novembro que os americanos seriam proibidos de investir em qualquer empresa na lista recém-criada do Departamento do Tesouro de “Companhias Militares Comunistas da China”.

Após o anúncio, a Bolsa de Valores de Nova York disse que retiraria três grandes empresas de telecomunicações chinesas, apenas para reverter a decisão em meio à confusão sobre o escopo da proibição. A troca restabeleceu seu plano após pressão do então secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

Para esclarecer, em janeiro o Departamento do Tesouro de Mnuchin emitiu uma declaração nomeando a China Mobile Ltd., a China Telecom Corp. e a China Unicom Hong Kong Ltd. como as empresas que devem ser retiradas da lista.

“As instituições financeiras globais que lidam com esses títulos de empresas militares chinesas estão bloqueadas”, disse John Smith, um ex-alto funcionário de sanções do Departamento do Tesouro e agora sócio do escritório de advocacia Morrison & Forrester. “Todas as negociações que normalmente seriam feitas pelas maiores instituições globais pararam porque elas têm um medo mortal de violar as sanções dos EUA.”

O OFAC divulgou orientações limitadas sobre como os grandes bancos que empregam milhares de americanos que devem cumprir a proibição de investimentos podem conduzir negócios que abrangem o comércio global, disse Smith.


LIVRO RECOMENDADO:

Sobre a China

  • Henry Kissinger
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

O governo Biden perdeu o prazo de 15 de abril para apresentar ao Congresso uma nova lista de empresas chinesas ligadas aos militares. A lista é compilada por funcionários do Pentágono que têm acesso a materiais classificados e podem determinar quais empresas beneficiam os militares chineses.

“O desafio é, a cada dia que continuamos a estudar o problema, é mais um dia em que o dinheiro continua fluindo para empresas que estão se envolvendo em mau comportamento”, disse em comunicado o congressista Michael McCaul, principal republicano do Comitê de Relações Exteriores da Câmara.

Os investidores americanos têm um ano para deixar as empresas assim que elas aparecerem na lista negra. Para as empresas que constavam da lista original no ano passado, os investidores têm até 27 de maio para encerrar as novas transações e até 11 de novembro para desinvestir totalmente.

Uma lei de política de defesa dos EUA promulgada em janeiro sobre o veto de Trump permite que o governo Biden expanda a proibição de investimentos para cobrir ainda mais o setor de tecnologia chinês, incluindo qualquer empresa ligada à espionagem, abusos dos direitos humanos ou manufatura. Os conselheiros do presidente estão cientes da possibilidade, mas ainda não decidiram sobre uma recomendação.

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, e sua equipe, indicaram uma continuação da postura dura do governo Trump em relação à China.
“É fundamental usarmos as ferramentas do Tesouro para responsabilizar a China por ações que eles tomam que não são consistentes com a lei internacional e que colocam nossa segurança nacional em risco”, disse Wally Adeyemo, vice-secretário do Tesouro, em fevereiro durante sua audiência de confirmação no Senado. Parte disso é fazer “uma análise crítica de como as empresas chinesas podem estar usando nosso sistema financeiro para fazer exatamente isso”.

Fonte: SCMP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também