Coreia do Norte acusa Biden de perseguir política hostil e alerta para represálias

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O líder norte-coreano Kim Jong Un (Foto: STR/KCNA/AFP).

O líder norte-coreano Kim Jong Un (Foto: STR/KCNA/AFP).

A Coreia do Norte acusou no domingo o presidente dos EUA, Joe Biden, de seguir uma política hostil, rejeitando a “falsa” diplomacia americana e alertando sobre uma retaliação.

Biden havia dito na quarta-feira que seu governo lidaria com a ameaça representada pelo programa nuclear de Pyongyang “por meio da diplomacia e também de forte dissuasão”.

A Casa Branca disse na sexta-feira que o presidente estava aberto a negociações com a Coréia do Norte sobre desnuclearização após a conclusão de uma revisão de política, mas Pyongyang disse que Biden cometeu um “grande erro”.

“Sua declaração reflete claramente sua intenção de manter a aplicação da política hostil em relação à RPDC, como foi feito pelos EUA por mais de meio século”, disse Kwon Jung Gun, funcionário do Ministério das Relações Exteriores, em comunicado divulgado pela agência KCNA News.

“A alegada ‘diplomacia’ dos EUA é uma fachada falsa para encobrir seus atos hostis, e a ‘dissuasão’ alardeada por eles é apenas um meio de apresentar ameaças nucleares à RPDC”, acrescentou Kwon, usando o nome oficial da Coreia do Norte. “Agora que a tônica da nova política da RPDC nos EUA se tornou clara, seremos obrigados a pressionar por medidas correspondentes.”

A Casa Branca disse na sexta-feira que seu objetivo continua sendo “a desnuclearização completa da península coreana”. A secretária de imprensa de Biden, Jen Psaki, deu poucas indicações sobre o tipo de iniciativa diplomática que isso poderia acarretar, mas sugeriu que o presidente aprendera com a experiência de seus antecessores, que lutaram para lidar com a liderança da Coreia do Norte e seu programa de armas nucleares.

Mas Psaki disse que Washington não “se concentrará em fazer um grande acordo”, aparentemente se referindo ao tipo de acordo abrangente que o ex-presidente Donald Trump inicialmente sugeriu ser possível quando se encontrou com o líder da Coreia do Norte Kim Jong Un. Nem a Casa Branca seguiria a abordagem mais reservada adotada por Barack Obama, acrescentou ela.


LIVRO RECOMENDADO

Pyongyang: Uma viagem à Coreia do Norte

  • Guy Delisle (Autor)
  • Em Português
  • Kindle ou Capa comum

“Truque político”

Em uma declaração separada através da KCNA no domingo, a Coreia do Norte também acusou os Estados Unidos de insultar sua liderança e suas medidas anticoronavírus, referindo-se a um comunicado à imprensa do Departamento de Estado em 28 de abril.

O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, emitiu uma declaração naquele dia criticando os abusos dos direitos humanos da Coréia do Norte e as restrições draconianas da Covid-19, descrevendo-o como “um dos estados mais repressivos e totalitários do mundo”.

“A ‘questão dos direitos humanos’ alardeada pelos EUA é um truque político projetado para destruir a ideologia e o sistema social na RPDC”, disse o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte em um comunicado.

Em um terceiro comunicado divulgado no domingo, a poderosa irmã de Kim Jong Un, Kim Yo Jong, atacou a Coreia do Sul por causa de uma campanha recente de panfletos anti-Pyongyang feita por um grupo de desertores.

Grupos ativistas há muito tempo enviam panfletos com críticas à liderança norte-coreana sobre os abusos dos direitos humanos e suas ambições nucleares na Zona Desmilitarizada que divide a península, seja voando em balões de ar quente ou flutuando em rios.

Os panfletos enfureceram Pyongyang, que emitiu uma série de condenações mordazes no ano passado exigindo que Seul tomasse medidas e aumentaram a pressão explodindo um escritório de ligação inter-coreano em seu lado da fronteira.

O parlamento sul-coreano rapidamente aprovou uma lei criminalizando as campanhas de panfletos em dezembro, levantando preocupações sobre a liberdade de expressão. Mas um grupo de desertores disse que lançou 500.000 panfletos perto da DMZ na semana passada, desafiando a lei.

Kim Yo Jong culpou as autoridades sul-coreanas por não impedi-los. “Consideramos as manobras cometidas pelos dejetos humanos no sul como uma séria provocação contra nosso estado e buscaremos ações correspondentes”, disse ela.

Fonte: France 24/AFP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também