Grupo de ataque do porta-aviões Shandong conclui exercício no Mar da China Meridional

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O Shandong é o primeiro porta-aviões totalmente fabricado internamente na China (Foto: CCTV).

O Shandong é o primeiro porta-aviões totalmente fabricado internamente na China (Foto: CCTV).

O porta-aviões chinês Shandong e seu grupo de apoio naval concluíram um exercício no Mar da China Meridional, disse o Ministério da Defesa da China no domingo. Gao Xiucheng, porta-voz da marinha chinesa, disse que os exercícios são “legítimos e podem aumentar as capacidades chinesas de proteger a soberania nacional, a segurança e os interesses de desenvolvimento”, acrescentando que também podem ajudar a proteger a paz e a estabilidade regionais.

Gao disse que espera que o mundo exterior veja este exercício de forma objetiva e racional. “No futuro, a marinha chinesa continuará a organizar exercícios semelhantes”, disse ele.

O Shandong é o segundo porta-aviões da China e o primeiro a ser totalmente produzido internamente. O exercício foi o primeiro exercício da embarcação no disputado Mar da China Meridional este ano.

O exercício ocorreu semanas depois que os EUA e as Filipinas expressaram preocupações sobre a presença de mais de 200 navios de pesca chineses perto de um recife disputado no Mar da China Meridional. Manila disse que alguns dos navios faziam parte de uma milícia marítima, mas a China insistiu que eram embarcações de pesca “protegendo-se do vento”.

O Ministério da Defesa chinês também disse que seu outro porta-aviões, o Liaoning, e suas escoltas também realizaram exercícios em torno de Taiwan e no Mar do Sul da China recentemente. Analistas disseram ao jornal nacionalista Global Times que os dois grupos de porta-aviões estavam se preparando ativamente para lidar com qualquer ameaça que o país possa enfrentar.



A China tem aprimorado suas capacidades militares nos últimos anos e no mês passado comissionou três novos navios avançados: um submarino de mísseis balísticos Tipo 09IV, um destróier furtivo Tipo 055 e seu primeiro navio de assalto anfíbio Tipo 075.

As tensões aumentaram no Mar do Sul da China nos últimos anos, quando Pequim, que reivindica a maior parte dessas águas, busca consolidar suas reivindicações, que são contestadas por vários de seus vizinhos, construindo ilhas artificiais e infraestrutura militar.

A área também se tornou um importante teatro para sua rivalidade com os Estados Unidos, que intensificou suas atividades de reconhecimento nas águas este ano.

Na semana passada, o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Wu Qian, disse que o aumento estava “desestabilizando” e criticou os EUA por causa de um recente confronto quando o destroier de mísseis teleguiados USS Mustin foi avisado enquanto seguia o grupo de batalha do Liaoning.

No mesmo dia, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse em uma sessão conjunta do Congresso que a competição com a China seria um teste para os méritos da democracia versus a autocracia e prometeu manter a vantagem tecnológica da América.

Fonte: SCMP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também