China realiza exercícios de bombardeio aéreo após declaração EUA-Japão sobre Taiwan

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Bombardeiros chineses H-6K estavam envolvidos em um exercício de bombardeio, diz a CCTV. Acredita-se que o exercício tenha ocorrido na província de Qinghai no fim de semana (Foto: Xinhua/AP).

Bombardeiros chineses H-6K estiveram envolvidos em um exercício de bombardeio, diz a CCTV. Acredita-se que o exercício tenha ocorrido na província de Qinghai no fim de semana (Foto: Xinhua/AP).

A China conduziu um exercício de bombardeio aéreo em grande escala no fim de semana, enquanto as tensões aumentavam em Taiwan, devido a uma declaração conjunta dos Estados Unidos e do Japão sobre a ilha.

O Comando do Teatro Oriental do Exército de Libertação Popular, que supervisiona o Estreito de Taiwan, implantou dezenas de bombardeiros estratégicos H-6K em um exercício de nove horas de duração, de acordo com a televisão estatal.

Os bombardeiros decolaram em grupos de um aeroporto militar no leste da China em formações de combate em condições de baixa visibilidade e se dirigiram para um “campo de tiro desconhecido”, disse o relatório da CCTV.

Durante seus voos, os H-6K, que têm capacidade máxima de carga de 15 toneladas, também praticaram contra-medidas eletrônicas com unidades de mísseis de defesa aérea. Assim que alcançaram seu espaço aéreo alvo, eles lançaram bombas de queda livre de diferentes altitudes, disse a reportagem. Depois de retornar à base, os aviões repetiram o exercício durante a noite, acrescentou.

“As longas horas de treinamento diurno e noturno de alta intensidade aumentaram rapidamente as habilidades de assalto [da força aérea] e melhoraram as capacidades reais de combate”, disse a CCTV. O relatório não informou onde ficava o campo de tiro, mas uma fonte militar chinesa disse que os H-6K estavam lançando bombas em algum lugar na remota província de Qinghai, ao invés do campo de batalha designado na costa sudeste de Taiwan.

“É um exercício em grande escala, com muitas bombas sendo lançadas. Não há grandes campos de tiro nos comandos do teatro leste e sul”, disse a fonte, que falou sob condição de anonimato.

“O PLA não quer fazer provocações indevidas contra Taiwan ainda, porque os meios pacíficos ainda são a melhor maneira de resolver o problema de Taiwan”, acrescentou a fonte.

O exercício ocorreu depois que os líderes americanos e japoneses mencionaram Taiwan em uma declaração conjunta, a primeira desde 1969.

O primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga e o presidente dos EUA, Joe Biden, irritaram Pequim na sexta-feira, dizendo que eles “ressaltam a importância da paz e da estabilidade em todo o Estreito de Taiwan e encorajam a resolução pacífica das questões do Estreito”.

A China disse que tais comentários são prejudiciais à paz e estabilidade regional e prometeu defender resolutamente sua soberania nacional, segurança e interesses de desenvolvimento.

Pequim considera Taiwan como parte de seu território a ser submetido ao controle da China continental, pela força se necessário.

O PLA expandiu a atividade militar perto da ilha autônoma à medida que as tensões aumentavam entre Washington e Pequim sobre Taiwan, incluindo o envio de aviões de guerra para a zona de identificação de defesa aérea de Taiwan quase diariamente nos últimos meses.

Fonte: South China Morning Post.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também