Exercícios maciços da China perto de Taiwan visam público de Washington

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O porta-aviões chinês Liaoning navega pelo Estreito de Miyako, perto de Okinawa, a caminho do Pacífico nesta foto de folheto tirada pelas Forças de Autodefesa do Japão e divulgada pelo Gabinete do Estado-Maior Conjunto do Ministério da Defesa do Japão em 4 de abril de 2021 (Foto: Conjunto Gabinete do Ministério da Defesa do Japão/via Reuters).

O porta-aviões chinês Liaoning no Estreito de Miyako, perto de Okinawa, Japão, a caminho do Pacífico nesta foto tirada pelas Forças de Autodefesa do Japão em 4 de abril de 2021 (Foto: Ministério da Defesa do Japão/via Reuters).

Os exercícios com porta-aviões chineses e as incursões intensificadas na zona de defesa aérea de Taiwan nas últimas semanas têm o objetivo de enviar uma mensagem a Washington para se retirar e recuar, disseram fontes de segurança em Taipé.

O aumento da atividade – que a China, excepcionalmente, descreveu como “exercícios de combate” na quarta-feira –, gerou alarme tanto em Taipé quanto em Washington, embora as autoridades de segurança não vejam isso como um sinal de um ataque iminente.

Em vez disso, de acordo com um oficial familiarizado com o planejamento de segurança de Taiwan, pelo menos alguns dos exercícios estão praticando manobras de “negação de acesso” para evitar que forças estrangeiras venham em defesa de Taipé em uma guerra.

“A China alegou que os exercícios são perto de Taiwan, mas a julgar pela localização deles, na verdade, são destinados aos militares dos EUA”, disse um oficial em Taiwan, falando sob condição de anonimato, pois não estava autorizado a falar com a mídia.

Enquanto a China navegava com um grupo de porta-aviões perto de Taiwan na semana passada, sua força aérea simulava ataques a navios americanos, embora nenhum navio da Marinha dos EUA estivesse na área naquele momento, disse a fonte. A Marinha dos EUA vem realizando trânsitos regulares no Estreito de Taiwan, que separa a ilha da China.

Uma fonte ocidental de segurança disse que os voos quase diários de aeronaves antissubmarinas chinesas na parte mais setentrional do Mar do Sul da China foram provavelmente uma resposta às missões dos EUA por lá, incluindo submarinos, ou para mostrar ao Pentágono que a China pode caçar os submarinos dos EUA.

“Eles não estão perseguindo submarinos taiwaneses”, disse a fonte, apontando para a pequena frota de Taiwan, dois dos quais datam da Segunda Guerra Mundial. A Marinha dos Estados Unidos não dá detalhes de nenhuma patrulha de submarino perto de Taiwan ou no Mar do Sul da China.

Na Casa Branca o presidente Joe Biden manteve uma postura dura em relação à China, herdada do governo Trump. Isso incluiu um apoio mais visível a Taiwan, irritando a China, que considera a ilha parte de seu território e vê Washington dando socorro aos taiwaneses que buscam a independência, uma linha vermelha para Pequim.

Dois oficiais dos EUA, falando sob condição de anonimato, disseram que, embora os Estados Unidos estivessem preocupados com a atividade chinesa em torno de Taiwan, não havia a sensação de um ataque iminente. “Nos últimos cinco anos, a China tem sido a peça central da estratégia de defesa nacional dos Estados Unidos. Portanto, é claro que estamos preocupados”, disse um oficial.

O Ministério da Defesa da China e a 7ª Frota da Marinha dos EUA não responderam aos pedidos de comentários. O Ministério da Defesa de Taiwan disse que está observando de perto os “movimentos do inimigo” e que tem planos de combate para lidar com os cenários de um ataque chinês. Não deu mais detalhes.

“RESPONSABILIDADE INESCAPÁVEL”

Embora a China tenha intensificado sua retórica em resposta aos navios de guerra dos EUA que passam pelo Estreito de Taiwan, um funcionário de defesa dos EUA disse que Washington não viu nenhum tipo de escalada militar operacional por parte dos chineses em resposta.

Em comunicado, o Ministério das Relações Exteriores da China disse que os Estados Unidos “aumentaram a arrogância das forças de independência de Taiwan”. Washington “tem uma responsabilidade inescapável pelas tensões no estreito de Taiwan”, acrescentou.

Um alto funcionário do governo dos EUA disse que, independentemente de a quem visam as incursões de Pequim perto de Taiwan, seu efeito foi “intimidação e coerção direta” a Taiwan.

“Nossas operações têm sido consistentemente estáveis”, disse o funcionário. “Portanto, não acho que haja um ritmo acelerado das operações militares dos EUA que necessariamente impulsionam o que Pequim está fazendo. Isso parece um pouco uma desculpa.”

A Marinha dos EUA, num evento raro, publicou em seu site principal este mês a foto de um navio de guerra dos EUA no Mar das Filipinas observando o porta-aviões chinês Liaoning.

Aumentando as apostas, a Marinha da China disse pela primeira vez na semana passada que os exercícios com porta-aviões perto de Taiwan se tornariam rotina.

Outro navio de guerra dos EUA navegou pelo Estreito de Taiwan dois dias após o anúncio da China de suas manobras de porta-aviões, parte do que o Pentágono se refere como trânsitos de “rotina” que levaram Pequim a acusar Washington de causar tensões regionais.

“A principal preocupação da China em qualquer contingência de Taiwan seria prevenir ou pelo menos embotar a intervenção armada dos EUA”, disse Greg Poling, um especialista em segurança marítima do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais de Washington.

“Portanto, demonstrar maior capacidade de negar o acesso dos EUA é uma mensagem coercitiva enviada a Washington e Taipé.”

Fonte: Reuters.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também