Moscou responderá simetricamente se os EUA expulsarem diplomatas russos

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Primeiro Vice-Presidente do Comitê de Relações Exteriores do Conselho da Federação Russa, Vladimir Dzhabarov (Foto: Vladimir Fedorenko/Sputnik).

Primeiro Vice-Presidente do Comitê de Relações Exteriores do Conselho da Federação Russa, Vladimir Dzhabarov (Foto: Vladimir Fedorenko/Sputnik).

Moscou espelhará os passos de Washington se decidir expulsar diplomatas russos dos Estados Unidos, disse o primeiro vice-presidente do Comitê de Relações Exteriores do Conselho da Federação Russa, Vladimir Dzhabarov.

“Se houver expulsão, acho que nossa resposta definitivamente será a mesma, não menos, mas talvez até mais”, disse Dzhabarov à Agência Interfax na quinta-feira ao comentar sobre possíveis novas sanções dos EUA.

Quando questionado se a resposta da Rússia seria simétrica, se, como os meios de comunicação dos EUA relataram, os EUA expulsarem diplomatas russos, o senador russo disse: “Acho que definitivamente será.” No entanto, ele afirmou que cabe à liderança política do país adotar tais decisões.

Dzhabarov expressou confiança de que a Rússia reagirá: “não podemos deixar isso passar despercebido.”

No que diz respeito às possíveis sanções dos EUA contra a dívida do governo russo, seria imprudente, disse Dzhabarov, porque afetará os próprios americanos.

“No que diz respeito à dívida do governo, eles próprios vão sofrer neste caso, porque um grande número de empresas americanas, pessoas físicas e jurídicas investiram na nossa dívida soberana. Espero que eles decidam contra este passo estúpido”, disse.

Se os EUA introduzirem suas novas sanções, conforme afirmado pela mídia, a liderança política russa irá considerar medidas retaliatórias, disse ele. “É necessário localizar pontos doloridos que serão realmente muito sensíveis para a América. Acho que nossas agências relevantes, o Ministério das Relações Exteriores e outras agências começarão a considerar isso agora”, disse ele.

“Acho que continuaremos a nos comportar de maneira reservada e tranquila, mas retaliaremos se necessário”, disse Dzhabarov.

Possíveis novas sanções dos EUA contra a Rússia podem atrasar os preparativos para a reunião entre os líderes dos dois países proposta pelo presidente dos EUA, Joe Biden, disse ele. “Acho que é claro que essas medidas não darão nenhum impulso especial e podem retardar esses preparativos”, disse Dzhabarov.

Ao comentar sobre as possíveis consequências dessas sanções dos EUA para a Rússia, Dzhabarov disse que “nada nos afetará”.

“Nós passamos por muito ao longo da nossa história – a Grande Guerra Patriótica, a desintegração do país, os anos 1990. Mas está tudo bem – nós nos levantamos e seguimos em frente, algo que irrita os americanos acima de tudo. Eles não podem tolerar o fato de que a Rússia não é mais o que era quando a viu no início da década de 1990. E não há como voltar atrás. E quanto mais eles trabalham contra nosso país, impõem sanções, mais o país se consolida em torno de seu líder”, disse Dzhabarov.

Conforme relatado anteriormente, a administração Biden está pronta para adotar novas medidas restritivas visando indivíduos e entidades legais russas em retaliação a uma suposta má conduta, incluindo o hack SolarWinds e tentativas de perturbação nas eleições nos EUA.

Essas medidas podem ser anunciadas já nesta quinta-feira e podem atingir 20 pessoas jurídicas. Além disso, é possível que os EUA anunciem a expulsão de cerca de dez representantes russos, incluindo diplomatas, do país.

Fonte: Interfax.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também