Coreia do Norte pode acabar com armas nucleares táticas como resultado de corrida de mísseis intercoreana

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Míssil tático superfície-superfície desenvolvido pela sul-coreana Hanwha na Exposição Internacional Aeroespacial e Defesa de Seul, Coréia do Sul, 15 de outubro de 2019 (Foto: Josh Smith/Reuters).

Míssil tático superfície-superfície desenvolvido pela empresa sul-coreana Hanwha na Exposição Internacional Aeroespacial e Defesa de Seul, Coréia do Sul, 15 de outubro de 2019 (Foto: Josh Smith/Reuters).

A Coreia do Norte avançou nos últimos anos em uma corrida armamentista intercoreana que levou a uma proliferação de mísseis de curto alcance na península e deixou Pyongyang mais perto do que nunca de lançar armas nucleares táticas.

A longa busca da Coreia do Norte para desenvolver mísseis de precisão capazes de escapar da detecção e atingir alvos na Coreia do Sul se acelerou na esteira da moratória autoimposta do país em 2018 sobre o teste de seus maiores mísseis balísticos intercontinentais (ICBM).

Enquanto isso, um acordo de 2017 entre Washington e Seul levantou os limites bilaterais de cargas úteis de mísseis sul-coreanos, levando ao desenvolvimento de pelo menos uma arma mais pesada que poderia desempenhar um papel fundamental nas estratégias destinadas a prevenir ataques norte-coreanos ou “decapitar” sua liderança.

Os novos mísseis testados pela Coréia do Norte na semana passada parecem ter como objetivo igualar ou superar o arsenal em expansão silenciosa da Coréia do Sul, e são os primeiros testes desde que o líder Kim Jong Un declarou em janeiro que o país poderia miniaturizar ogivas nucleares para caber em armas táticas, enfatizando o alto risco para o governo Biden, pois embaralha as opções para reduzir as tensões.

As autoridades sul-coreanas veem os mísseis balísticos de curto alcance (SRBM) maiores e melhores como uma forma de reduzir sua dependência dos Estados Unidos, que posicionam cerca de 28.500 soldados na Coreia do Sul.

Em um discurso no ano passado, o ministro da Defesa sul-coreano, Jeong Kyeong-doo, gabou-se de que o país havia desenvolvido um míssil com “alcance suficiente e o maior peso de ogiva do mundo para proteger a paz na Península Coreana”, referindo-se ao novo Hyunmoo-4 com 800 km de alcance e carga útil de 2 toneladas.

Provavelmente não foi coincidência, observaram analistas, que a Coréia do Norte disse que seu mais novo SRBM poderia carregar uma ogiva de 2,5 toneladas.

Em comunicado na terça-feira, Kim Yo Jong, irmã do líder e política poderosa na Coreia do Norte, citou o discurso de Jeong ao defender o direito do Norte de desenvolver seus próprios mísseis.

“Como Seul desenvolveu novos recursos desse tipo, Pyongyang ficou logo atrás”, disse Joshua Pollack, pesquisador do Centro James Martin para Estudos de Não Proliferação (CNS, Center for Non-proliferation Studies) que co-escreveu um relatório no ano passado alertando que os avanços nos mísseis de precisão de ataque convencional em ambas as Coreias ajudaram a criar um novo caminho para a escalada de uma crise para a guerra.

Armas nucleares táticas?

A Coreia do Norte afirma que seus mísseis são de autodefesa e acusou a Coreia do Sul e os Estados Unidos de ameaçar sua segurança com exercícios militares conjuntos, compra de armas e outras políticas hostis.

No congresso do partido no poder em janeiro, Kim anunciou que a Coreia do Norte acumulou tecnologia para “miniaturizar, tornar mais leve e padronizar” armas nucleares.

A agência de espionagem do Sul concluiu que os últimos mísseis podem transportar ogivas nucleares, embora não esteja claro se eles já foram instalados, disse um legislador informado por funcionários da inteligência na segunda-feira.

“Mesmo os mísseis balísticos norte-coreanos de curto alcance devem ser considerados com capacidade nuclear, com base nas próprias palavras da Coreia do Norte”, disse Markus Garlauskas, um membro sênior do Conselho do Atlântico e ex-funcionário de inteligência nacional dos EUA para a Coreia do Norte.

Depois que a tecnologia é dominada, as ogivas nucleares podem ser mais leves do que as convencionais, disse Markus Schiller, um especialista em mísseis baseado na Europa. “Um míssil não se importa se carrega uma bomba nuclear, uma carga de TNT ou um piano – apenas o peso é importante”, disse ele.

Os mais recentes mísseis da Coreia do Norte também demonstraram capacidade de voar baixo e “puxar para cima” pouco antes de atingir seu alvo, tornando-os mais difíceis de detectar e interceptar, disse Joseph Dempsey, pesquisador de defesa do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos.

“Se acionados, esses novos tipos de SRBM permitiriam à Coreia do Norte atingir alvos específicos dentro da Coreia do Sul com um grau de precisão muito maior (do que as variantes mais antigas)”, disse ele.

Na sexta-feira, o 38 North, um think tank com sede nos EUA, relatou que imagens de satélite mostraram atividade em um estaleiro sugerindo que o novo submarino de mísseis balísticos do Norte, em construção há vários anos, pode estar quase concluído.

Rivalidade de foguetes

Em um discurso na sexta-feira, quando discutiu os testes da Coreia do Norte, o presidente sul-coreano Moon Jae-in descreveu a capacidade de mísseis de seu país como de “classe mundial”.

Após o teste do Hyunmoo-4 no ano passado, a Coreia do Sul anunciou que também produziria em massa outro tipo de míssil terrestre projetado para destruir bases de artilharia subterrâneas.

“Esses testes mais recentes (norte-coreanos) parecem estar comunicando aos sul-coreanos que eles têm capacidade equivalente ou superior à do Hyunmoo-4”, disse Melissa Hanham, vice-diretora da Rede Nuclear Aberta.

Ainda este ano, Seul pode realizar um teste subaquático de seu primeiro míssil balístico lançado por submarino (SLBM), baseado no Hyunmoo-2B de 500 km, armado com uma ogiva convencional e potencialmente transportado por seus novos submarinos KSS III de três mil toneladas, informou a mídia sul-coreana.

O ministério da defesa da Coreia do Sul se recusou a confirmar o status de armas específicas, citando preocupações de segurança, mas disse que “nossos militares desenvolveram a capacidade de conter os mísseis de curto alcance da Coreia do Norte modernizando nossas forças e planejamos desenvolvê-la ainda mais”.

Esses mísseis poderiam reforçar duas estratégias principais da Coréia do Sul: “Resposta esmagadora”, que visa detectar ataques planejados pela Coréia do Norte e destruir preventivamente suas instalações nucleares, mísseis e artilharia de longo alcance; e “Strategic Target Strike”, um contra-ataque que inclui a eliminação da liderança norte-coreana.

“Seul parece comprometida com ogivas convencionais muito grandes para alvejar locais protegidos”, disse Jeffrey Lewis, pesquisador de mísseis do CNS. “Também há a inveja simples – se a Coreia do Norte tem essa capacidade, é normal que a Coreia do Sul faça o mesmo.”

Fonte: Agência Reuters.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também