Rússia não deseja banir plataformas online estrangeiras, mas devem obedecer às regras do país

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
O Secretário de Imprensa da Presidência da Rússia, Dmitry Peskov (Foto: Agência Anadolu).

Secretário de Imprensa da presidência, Dmitry Peskov (Foto: Agência Anadolu).

A Rússia não quer uma proibição total de plataformas estrangeiras de Internet, mas considera necessário fazer com que cumpram as regras russas, disse o secretário de imprensa presidencial russo, Dmitry Peskov.

“Gostaríamos de esperar que não cheguemos a isso, que se encontrem maneiras de resolver o conflito. Ninguém quer uma proibição total. Seria tolice defendê-la. Mas é necessário fazer com que essas empresas obedecer às nossas regras”, disse Peskov em uma entrevista ao semanário Argumenty I Fakty, ao ser questionado se é possível uma proibição total de plataformas online estrangeiras na Rússia.

As empresas estrangeiras devem cumprir as normas e regras dos países onde operam, disse o secretário de imprensa da presidência, acrescentando que o presidente russo acredita que é necessário encontrar um equilíbrio entre a prioridade da liberdade na Internet e sua regulamentação.

“Quanto mais vida aparece lá [na Internet], mais regras ela deveria ter. E essas deveriam ser regras de jogo comuns para todos, inclusive para empresas estrangeiras, porque a Internet não tem fronteiras”, disse Peskov.

Qualquer empresa quer operar sem fiscalização e ter super receita em cada mercado possível, afirmou. “Ao mesmo tempo, nem toda empresa pode assegurar que não se tornará um instrumento nas mãos de outros estados para exercer influência sobre o estado onde atua”, afirmou. O diálogo com essas empresas é um processo desafiador e cuidadoso, disse ele.

Peskov também foi questionado sobre alguns exemplos específicos de bloqueio de plataformas de mídia social, por exemplo, Telegram e Twitter.

“A melhor conclusão que pode ser tirada da história do Telegram é que esse assunto foi retirado da agenda como resultado desse diálogo. O diálogo é o que mais conta. Mesmo com algumas ações convincentes, a relutância de alguém em se comprometer levará ao confronto. Se você não quer aceitar nossas regras, não pode trabalhar em nosso território”, disse Peskov, acrescentando que nenhum estado que se respeite permitirá que uma empresa imponha seus termos sobre ele.

“É impossível”, disse ele.

Ao comentar sobre o bloqueio de contas russas na plataforma de mídia social do Twitter, Peskov o descreveu como um exemplo óbvio de duplos padrões e manipulação relacionada a blocos político-militares e propaganda anti-russa.

“Isso é óbvio. Mas não deveria acontecer. Não tem a ver com o negócio dessa empresa em si, não é? Não, tem a ver com o fato de essas empresas estarem sendo utilizadas como instrumento de atividades anti-Rússia”, disse ele.

“Consequentemente, se uma empresa puder dizer aos seus colegas no exterior que não quer se envolver na política, mas simplesmente trabalhar no mercado e ganhar dinheiro, se estiver pronta para obedecer às leis locais, não haverá problemas. Mas se não, há uma saída”, disse Peskov.

Quando questionado se há preocupações de que o segmento russo de Internet possa entrar em colapso devido ao bloqueio do Twitter, Peskov disse: “Evidentemente, nossos especialistas levam sua vasta experiência em consideração. As tecnologias continuam avançando”.

Fonte: Agência Interfax.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também