Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
capa-16

Elbert Hubbard, circa 1900. Fotografia de Zaida Ben-Yusuf (1869-1933).

O ensaio “Uma mensagem para Garcia” foi escrito em 1899 por Elbert Hubbard. Pode-se questionar seu moralismo – e muitos o fazem – mas, do ponto de vista de liderança, a questão central do ensaio permanece atual. Pessoas com iniciativa e perseverança para “fazer as coisas”, mesmo quando não há um superior hierárquico observando, sempre foram essenciais em qualquer organização, e continuarão a ser.


“Como o frio da neve na época da colheita, assim é um mensageiro fiel àqueles que
o enviam: pois ele refresca a alma de seus senhores.”
Provérbios XXV: 13

Em todo esse negócio cubano, há um homem que se destaca no horizonte de minha memória como Marte no periélio.

Quando estourou a guerra entre a Espanha e os Estados Unidos, era muito necessário comunicar-se rapidamente com o líder dos insurgentes. Garcia estava em algum lugar nas montanhas de Cuba – mas ninguém sabia onde. Nenhuma correspondência ou mensagem telegráfica o alcançava. O presidente precisava assegurar sua cooperação rapidamente. O que fazer?

Alguém disse ao presidente: “Há um sujeito chamado Rowan que encontrará Garcia. Se alguém puder encontrá-lo, é ele.”

Rowan foi chamado e recebeu uma carta para ser entregue a Garcia. Como “o sujeito de nome Rowan” pegou a carta, fechou-a em uma bolsa de oleado, amarrou-a no peito, em quatro dias desembarcou à noite na costa de Cuba em um barco aberto, desapareceu na selva e em três semanas saiu do outro lado da Ilha, tendo atravessado um país hostil a pé e entregue sua carta a Garcia – são coisas que não tenho nenhum desejo especial agora de contar em detalhes. O que desejo enfatizar é o seguinte: McKinley deu a Rowan uma carta para ser entregue a Garcia; Rowan pegou a carta e não perguntou: “Onde ele está?”

Pelo Eterno! há um homem cuja forma deveria ser fundida em bronze imortal e a estátua colocada em todos os colégios do país. Não é a necessidade de jovens aprendizes de livros, nem de instruções sobre isso ou aquilo, mas um endurecimento das vértebras que os fará ser leais a uma confiança, a agir prontamente, a concentrar suas energias: faça a coisa – “Entregue uma mensagem a Garcia.”

O general Garcia está morto agora, mas existem outros Garcias.

LIVRO RECOMENDADO

Mensagem a García

  • Elbert Hubbard (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Ninguém que se esforçou para levar a cabo um empreendimento, onde muitas mãos eram necessárias, não ficou chocado com a imbecilidade do homem médio – a incapacidade ou falta de vontade de se concentrar em uma coisa e fazê-la.

Assistência desleixada, desatenção tola, indiferença deselegante e trabalho indiferente parecem ser uma regra; e nenhum homem tem sucesso, a menos que por bem, por mal ou por ameaça force ou suborne outros homens a ajudá-lo; ou talvez, Deus em Sua bondade realize um milagre e lhe envie um anjo de luz como assistente. Faça um teste: você está sentado em seu escritório – seis funcionários estão à sua disposição. Chame qualquer um deles e faça este pedido: “Por favor, pesquise na enciclopédia e faça um breve memorando sobre a vida de Correggio.”

Ele dirá calmamente “Sim, senhor” e fará a tarefa?

Em seu tempo de vida eu digo que não vai. Ele vai olhar para você com ar duvidoso e fazer uma ou mais das seguintes perguntas:

– Quem era ele?

– Que enciclopédia?

– Onde está a enciclopédia?

– Fui contratado para isso?

– Você não quer dizer Bismarck?

– Qual é o problema de o “Fulano” fazer isso?

– Ele está morto?

– Você está com pressa?

– Devo trazer o livro para que você mesmo procure?

– Para que você quer saber?

LIVRO RECOMENDADO

Arrume a sua cama: Pequenas coisas que podem mudar a sua vida… e talvez o mundo

  • William H. McRaven (Autor)
  • Em português
  • Versões eBook Kindle e capa comum

E aposto dez contra um que, depois de responder às perguntas e explicar como encontrar as informações e por que as deseja, o funcionário sairá e pedirá a um dos outros para ajudá-lo a tentar encontrar Garcia – e depois voltará e dirá que não existe tal homem. Claro que eu posso perder a aposta, mas de acordo com a Lei das Médias, não vou perder.

Agora, se você for sábio, não se preocupará em explicar ao seu “assistente” que Correggio está indexado sob a letra “C” e não “K”, mas vai sorrir docemente e dizer: “Deixa pra lá” e vai procurar você mesmo.

Essa incapacidade de ação independente, essa estupidez moral, essa enfermidade da vontade, essa relutância em agarrar e levantar com alegria – são essas coisas, entre outras, que fazem com que o socialismo puro seja algo utópico. Se os homens não agem em seu próprio benefício, por que o farão se seus esforços resultarem em benefício de todos? Um imediato com um porrete parece ser necessário; e o medo da demissão mantém muitos trabalhadores na linha.

Faça um anúncio procurando um redator e verá que nove em cada dez candidatos inscritos não sabem soletrar nem pontuar corretamente – e nem sequer acham isso necessário.

Alguém assim pode entregar uma carta a Garcia?

“Veja aquele funcionário”, disse-me um encarregado em uma grande empresa. “Sim; o que tem ele?”

“Bem, ele é um ótimo funcionário, mas se eu o mandar até a cidade em uma missão, ele poderá cumprir a missão sem problemas ou, por outro lado, poderá parar em quatro bares no caminho e ao chegar no destino, terá esquecido o que foi fazer.”

Quem quer um homem assim?

Esse homem pode ser encarregado de levar uma mensagem para Garcia?

Recentemente, temos ouvido muita simpatia sentimental expressa pelos “oprimidos da fábrica” e pelos “sem-teto em busca de um emprego honesto”, e tudo isso muitas vezes vem acompanhado de palavras duras para os homens no comando.

LIVRO RECOMENDADO

Mindset: A nova psicologia do sucesso

  • Carol S. Dweck (Autor)
  • Em português
  • Versões eBook Kindle e Capa comum

Nada é dito sobre o patrão que envelhece antes do tempo na inútil tentativa de conseguir que os desleixados façam um trabalho inteligente; ou sobre sua longa e paciente luta por uma “ajuda” que não faz nada além de vadiar quando ele não está vigiando. Em cada loja e fábrica há um processo constante de eliminação de ervas daninhas. O empregador está continuamente dispensando “ajudas” que mostram sua incapacidade de promover os interesses do negócio, e outros são contratados.

Não importam os bons tempos, é sempre assim: apenas e somente quando os tempos são difíceis e o trabalho é escasso, o trabalho será bem feito – mas sempre os incompetentes e os indignos se vão. É a sobrevivência do mais apto. O interesse próprio leva cada empregador a manter os melhores – aqueles capazes de levar uma mensagem para Garcia.

Conheço um homem com capacidades realmente brilhantes, mas que não é capaz de administrar seu próprio negócio e, no entanto, é absolutamente inútil para qualquer outra pessoa, porque carrega consigo constantemente a suspeita insana de que seu empregador o está oprimindo ou pretendendo oprimir. Ele não é capaz de dar ordens e nem de recebê-las. Se uma mensagem para Garcia fosse entregue a ele, sua resposta provavelmente seria: “Leve você mesmo!”

Esta noite este homem anda pelas ruas em busca de trabalho, o vento assobiando em seu casaco puído. Ninguém que o conhece ousa contratá-lo, pois ele é um eterno descontente. Ele é imune à razão e a única coisa que pode impressioná-lo é a ponta de uma bota tamanho 44, bico largo.

É claro que sei que alguém tão moralmente deformado não é menos digno de pena do que um deficiente físico; mas, em nossa piedade, deixemos cair uma lágrima também pelos homens que se esforçam para tocar uma grande empresa, cujas horas de trabalho não são limitadas pela sirene e cujos cabelos estão rapidamente ficando brancos devido à luta para manter na linha a indiferença e a imbecilidade desleixadas e a ingratidão sem coração que, se não fosse por sua empresa, estaria ao mesmo tempo faminto e desabrigado.

Eu falei de forma muito rude? Possivelmente sim; mas quando o mundo todo se tornar uma favela, quero dizer uma palavra de simpatia pelo homem que conseguiu – o homem que, contra todas as probabilidades, dirigiu os esforços de outros e, tendo conseguido, descobre que não há nada demais nisso. Eu carreguei uma marmita e trabalhei pelo salário do dia, e também fui empregador de mão-de-obra, e sei que há algo a ser dito sobre ambos os lados. Não há excelência, per se, na pobreza; trapos não são uma recomendação; e todos nem os patrões são gananciosos e arrogantes, assim como nem todos os pobres são virtuosos.

Meu coração está com o homem que faz seu trabalho quando o “patrão” está fora, assim como quando está presente. E o homem que, ao receber uma mensagem para Garcia, calmamente pega a missiva, sem fazer perguntas idiotas e sem a intenção de jogá-la no lixo mais próximo, ou de fazer qualquer outra coisa que não seja entregá-la, nunca é “dispensado”, nem precisa entrar em greve por salários melhores. A civilização é uma busca longa e ansiosa por esses indivíduos. Qualquer coisa que esse homem pedir será concedido. Sua espécie é tão rara que nenhum empregador pode se dar ao luxo de dispensá-lo. Ele é procurado em todas as cidades, vilas e aldeias – em todos os escritórios, lojas, oficinas e fábricas.

O mundo clama por ele: ele é necessário, e muito necessário – o homem que pode levar uma mensagem a Garcia.

Elbert Hubbard, março de 1899


Elbert Green Hubbard, (1856-1915), jornalista, escritor e filósofo americano, ficou famoso pelo ensaio Uma Mensagem para Garcia. Foi chefe de vendas e publicidade de uma empresa onde aposentou-se em 1892 para fundar a Roycroft Press em 1893. Publicou mensalmente os livretos Little Journey, ​​ensaios biográficos sobre pessoas famosas nos quais os fatos se misturavam a comentários e sátiras. Também editou a revista The Philistine, na qual, numa edição de 1899, publicou o ensaio A Message to Garcia, no qual a importância da perseverança é colocada como uma lição moral extraída de um incidente de guerra hispano-americana. O ensaio transformou-se em filme em 1936, dirigido por George Marshall e estrelado por John Boles, Wallace Beery e Barbara Stanwick. Com o tempo, os negócios de Hubbard se expandiram a incluindo lojas de móveis e couro, uma ferraria e uma escola de arte. Ele descrevia a si próprio como um anarquista e socialista. Acreditava na liberdade social, econômica, política, mental e espiritual. Hubbard morreu com sua segunda esposa, Alice Moore Hubbard, no naufrágio do RMS Lusitania, afundado por um submarino alemão na costa da Irlanda em 7 maio 1915.


*Albert Caballé Marimón possui formação superior em marketing. Depois de atuar trinta e sete anos em empresas nacionais e multinacionais, há cinco anos dedica-se à atividade de pesquisador nas áreas de História Militar, Defesa e Geopolítica. É fotógrafo profissional e editor do blog Velho General. Já atuou na cobertura de eventos como a Feira LAAD, o Exercício CRUZEX, a Operação Acolhida, o Exercício Treme Cerrado e proferiu palestras na AFA, Academia da Força Aérea. É colaborador da revista Tecnologia & Defesa e do Canal Arte da Guerra. E-mail caballe@gmail.com.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também