Documentos da Guerra Fria: história da URSS

B-Top-720x75px-ADG.jpg

Albert-VF1 Traduzido por Albert Caballé Marimón*

Baixar-PDF


Assine o Velho General: apoie e tenha acesso a conteúdo exclusivo. Conheça as opções.


Capa
Bandeira da URSS, União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (Wikimedia Commons / Domínio Público).

A história da URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) contada por analistas da CIA (agência de inteligência americana). Embora não haja informação sobre a data em que foi escrito, o texto parece ser do final dos anos 1950 ou início dos anos 1960. Foi liberado sob o FOIA (Freedom of Information Act) em 18 de novembro de 1998.


Ainda que eclodindo de forma repentina, a revolução de março de 1917 tem suas raízes aprofundadas na história imperial russa. A Rússia medieval continuava a existir, feudal na prática e no conceito, enquanto outras nações europeias desenvolveram novas práticas sociais sob os estímulos do iluminismo do século XVIII e da expansão industrial do século XIX. As tentativas czaristas de reforma mostraram-se ineptas, inconsistentes e sujeitas aos caprichos de pessoas ou grupos privilegiados. O século XX encontrou o império russo emperrado em sua política externa e atrasado no desenvolvimento econômico e social. As fraquezas se tornaram aparentes na guerra russo-japonesa de 1904-1905 e na abortada revolução de 1905. Diante do fracasso tanto no exterior como em casa, e sob o impacto de derrotas catastróficas na 1ª Guerra Mundial, a estrutura inteira entrou em colapso.

A Revolução Russa

A Revolução de Março se desenvolveu inesperadamente devido a greves, filas de comida e um motim em Petrogrado (atual Leningrado) antes que os membros da Duma[1], dissolvida em 12 de março, pudessem se orientar. Seu bloco progressista por dois anos havia exigido uma monarquia parlamentar constitucional baseada no amplo sufrágio e plenos direitos civis aos cidadãos. Embora de caráter nacional, não era realmente representativo de toda a população. Temia apelar para as massas, pois um programa tão radical podia causar uma segunda falha na revolução.

O Soviete[2] dos Deputados Trabalhistas foi constituído na tarde de 12 de março. Os membros da Duma, no início da manhã do dia seguinte, finalmente decidiram formar um governo provisório. Assim, dois centros revolucionários foram criados: o governo provisório formado pela Duma, com responsabilidade formal do poder, e o Soviete de Petrogrado, com poder real. Até a tomada do poder pelos bolcheviques[3] (7 de novembro), essa dualidade era o relacionamento real. Em 15 de março, sob pressão do governo provisório, o czar Nicolau II abdicou por si e seu filho, Alexis, e proclamou seu irmão, grão-duque Miguel, como seu sucessor. Este último foi persuadido a não aceitar até que uma constituição fosse adotada. A família imperial foi presa. O príncipe Georgy Lvov foi nomeado primeiro-ministro, Alexander Guchkov ministro do Interior e Pavel Milyukov ministro das Relações Exteriores. O Soviete recusou-se a entrar no gabinete.

Sovietes foram formados por todo o país, desintegrando-o politicamente. A ordem número um, emitida pelo Soviete de Petrogrado em 14 de março, minou gradualmente as forças armadas, rompendo a disciplina e introduzindo comitês de soldados entre a tropa e o comando. As numerosas nacionalidades do império russo começaram a se separar, especialmente os ucranianos e os poloneses, primeiro conquistando ampla autonomia e, depois, virtualmente exigindo independência.

10 dias que abalaram o mundo por [John Reed, Armando Gimenez] LIVRO RECOMENDADO:

10 dias que abalaram o mundo

  • John Reed (Autor)
  • Em português
  • Versões eBook Kindle e capa comum

O Soviete de Petrogrado, com o tempo acompanhado por outros Sovietes em sucessivos congressos, começou a anunciar a política esperada e forçou o governo a segui-la. Em 27 de março, formulou a política, primeiro, da continuação da guerra apenas para a defesa da revolução e, segundo, de uma paz sem anexações ou indenizações e com autodeterminação dos povos. O governo provisório, que havia sido reconhecido pela Entente[4] (Inglaterra e França), não conseguiu mudar isso, e Milyukov notificou a Entente do programa do governo. Em 2 de maio, acrescentou uma cobertura posterior, de modo a preservar os compromissos da Rússia na guerra. Isso levou a uma disputa entre o Soviete e o governo provisório, em que este último perdeu. Guchkov e Milyukov renunciaram, em 12 a 16 de maio, e o Soviete foi induzido pelo príncipe Lvov a entrar no gabinete.

Como ministro da guerra, Alexander Kerensky se tornou a principal figura do governo. Ele ordenou uma ofensiva contra os alemães de 29 de junho a 7 de julho que terminou em fracasso, impedindo os objetivos de paz que a Rússia esperava que a Entente aceitasse numa conferência especial em caso de sucesso militar. A derrota russa também enfraqueceu a aceitação do governo provisório na Entente, que começou a dar menos atenção a seus pontos de vista. O retorno de Lenin à Rússia em 16 de abril de 1917 foi seguido por sua defesa da política de que os Sovietes deveriam assumir todo o gabinete em vez de formar uma coalizão. Desapontados com isso, os bolcheviques organizaram seu próprio golpe, de 16 a 18 de julho, que fracassou. Lenin conseguiu escapar, mas Leon Trotsky e outros foram presos.

A tentativa bolchevique pelo poder levou Kerensky, que se tornara primeiro-ministro em 20 de julho após a renúncia do príncipe Lvov, a considerar um apelo a todas as classes, partidos e organizações, a fim de garantir um apoio mais amplo. Como consequência, ele convocou a Conferência de Moscou, de 25 a 28 de agosto. Os bolcheviques não compareceram. Um impasse havia se formado, indicando, se é que era possível, que para disciplinar as forças armadas e pôr ordem atrás da frente, o governo teria que se mover à direita. Assim, foi concebido o vago esquema de incluir o general Lavr Kornilov em uma reorganização do governo, mas quando Kerensky percebeu que isso poderia substituí-lo ou subordiná-lo, ele ordenou a prisão do general e o apoio militar por trás da ideia caiu por terra (9 de setembro de 1914). Isso fez com que Kerensky se inclinasse à esquerda. Suas tentativas de obter mais apoio no Congresso Democrata (Socialista), em 29 de setembro e no Conselho da República, em 20 de outubro, não tiveram resultado.

Os bolcheviques

Enquanto isso, o avanço alemão no Báltico ganhou impulso, e Petrogrado, então o mais importante centro industrial de guerra, corria o risco de ser capturado. Saarema (Oestel) caiu em 12 de outubro. O pânico em Petrogrado foi usado pelos bolcheviques para tomar o poder. Eles haviam se infiltrado nos Sovietes e, em um período de dois meses, haviam garantido o controle do Soviete de Petrogrado sob a presidência de Trotsky, do Soviete de Moscou e de muitos outros. Estavam confiantes de que teriam maioria no Congresso dos Sovietes, marcada para 7 de novembro, e que o controlariam. Com o objetivo de proteger a área de Petrogrado, e diante da hesitação e fraqueza do governo Kerensky, obtiveram o controle militar da área em 4 de novembro; tomaram o poder na noite de 6 de novembro. Os esforços de Kerensky para obter apoio do exército, sob o comando do general Krasnov, na retomada de Petrogrado fracassou entre 10 e 13 de novembro. Enquanto isso, o Congresso dos Sovietes, boicotado pelos socialistas moderados, havia aprovado a tomada do poder pelos bolcheviques. O governo provisório desapareceu da noite para o dia. A Velha Rússia havia se desintegrado completamente em centenas de Sovietes.

LIVRO RECOMENDADO:

Stálin

  • Simon Sebag Montefiore (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Comunismo militante

Em 7 de novembro de 1917, os bolcheviques organizaram o Conselho (Soviete) de Comissários do Povo, liderado por Lenin como primeiro-ministro, Trotsky como comissário para Assuntos Estrangeiros e Joseph Stalin como comissário para as Nacionalidades. Para esmagar os elementos não bolcheviques, foi estabelecida a Comissão Extraordinária de Combate à Contra Revolução (depois conhecida como GPU[5], e mais tarde como NKVD[6]). Para conquistar o apoio dos camponeses, uma vez que os bolcheviques somavam apenas cerca de 200.000, o decreto de 7 de novembro sobre a terra ordenou a distribuição aos camponeses das grandes propriedades, legalizando o que vinha ocorrendo no campo desde outubro. Os bancos e plantas industriais foram nacionalizados e a dívida nacional repudiada em 28 de janeiro de 1918. As eleições para a Assembleia Constituinte autorizada pelos Revolucionários de Kerensky restituíram 225 bolcheviques. Quando a Assembleia se reuniu em 18 de janeiro de 1918, recusou-se a reconhecer o Soviete dos Comissários do Povo como o governo da Rússia e no dia seguinte foi dispersado pela Guarda Vermelha. A Constituição Soviética, apelando ao monopólio do poder político por um partido (comunista), foi aprovada pelo Quinto Congresso de Sovietes em 10 de julho de 1918.

O decreto sobre paz, emitido em 7 de novembro de 1917, pedia que todos os beligerantes iniciassem negociações de paz imediatas. Como apenas as Potências Centrais[7] responderam e Trotsky sabia que uma paz separada seria catastrófica, um segundo apelo em 22 de novembro buscou uma paz geral com base em anexações e indenizações. Em 5 de dezembro, Trotsky assinou o armistício Brest-Litovsk com as Potências Centrais e publicou os tratados secretos previamente negociados pelo governo czarista para forçar a mão da Entente. As negociações de paz terminaram em 28 de dezembro por causa das demandas exorbitantes das Potências Centrais e porque se esperava que a Entente ainda pudesse salvar a Rússia de uma paz em separado, negociando uma paz geral. Os alemães forçaram a mão dos bolcheviques fazendo uma paz separada com a Ucrânia em 28 de janeiro de 1918. Assim, sem uma paz geral, a guerra foi encerrada por proclamação em 10 de fevereiro, mas o avanço alemão forçou a assinatura em 3 de março de 1918, do catastrófico tratado de paz de Brest-Litovsk, que reconheceu a perda da Ucrânia e de todas as fronteiras não russas, e praticamente estabeleceu um domínio alemão velado sobre a Rússia bolchevique. Lenin forçou sua aceitação. Petrogrado deixou de ser a capital, que foi transferida para Moscou. Trotsky renunciou, tornou-se comissário de Guerra e foi sucedido como comissário para Assuntos Externos por Grigory Chicherin.

Os dois objetivos dos bolcheviques, que se tornaram conhecidos como Partido Comunista, eram o estabelecimento de um estado comunista e o incentivo de uma revolução mundial para estabelecer uma união mundial de estados comunistas. A dispersão da Assembleia Constituinte e a assinatura do Tratado de Brest-Litovsk levaram à criação de governos independentes ao longo das fronteiras, à guerra civil e à intervenção, que durou três anos. Iniciados pelos social-revolucionários, que em 6 de julho de 1918, assassinaram o embaixador alemão, o conde Mirbach, as forças reunidas contra os bolcheviques começaram uma guerra civil. Por sua vez, estes enfrentaram terror com terror em larga escala, iniciando assim o longo processo de eliminar ou liquidar seus oponentes.

As tropas britânicas desembarcaram em Murmansk em 23 de junho e em Arkhangelsk em 2 de agosto, ostensivamente para impedir que os suprimentos de guerra aliados caíssem nas mãos dos alemães, enquanto que em anúncio público em 3 de agosto os Estados Unidos e o Japão concordaram em uma expedição internacional à Sibéria para aliviar os checoslovacos que, desde o Tratado de Brest-Litovsk, haviam se esforçado para se transferir da frente oriental para o oeste. Um bloqueio aliado da Rússia foi iniciado. A guerra na Europa terminou em novembro de 1918 e a ameaça do domínio alemão foi removida.

LIVRO RECOMENDADO:

A História da Revolução Russa

  • Leon Trotsky (Autor)
  • Em português
  • 3 Volumes 

Esses eventos destacaram o comunismo militante que dá nome a este período. A crise levou os bolcheviques a buscar a comunização imediata da Rússia. Seus esforços tiveram dois resultados: a produção industrial caiu para 20% do nível anterior à guerra e a agricultura para 50%. Camponeses e trabalhadores se engajaram em uma greve. A fome se espalhou pela Rússia bolchevique, que teve que apelar à assistência internacional. Essa situação forçou o reconhecimento do fracasso desse tipo de comunização pela adoção, em 17 de março de 1921, da Nova Política Econômica (NPE). O imposto sobre os cereais foi substituído pelo imposto sobre alimentos, o comércio livre foi permitido aos camponeses para que dispusessem os excedentes, os trabalhadores foram pagos por horas extras e por empreitada e pequenos estabelecimentos comerciais privados foram permitidos. As grandes indústrias, serviços públicos e minas continuaram nacionalizadas.

A guerra civil e a intervenção, continuando de 1918 a 1921, envolveram toda a Rússia e suas fronteiras, incluindo a Polônia e a Mongólia. A oposição aos bolcheviques, começando pelos elementos liberais e socialistas da Assembleia Constituinte devidamente eleita, foi gradualmente dominada por conservadores e reacionários. A intervenção das potências aliadas, nunca combinadas ou com força suficiente em qualquer área, degenerou em esquemas para dividir a Rússia. Como consequência, os camponeses, que haviam tomado as terras temendo a volta dos grandes proprietários, ficaram do lado dos bolcheviques. A tentativa de promover uma trégua durante a conferência de paz em Paris falhou. Os exércitos brancos do Báltico, do sul e da Sibéria não conseguiram reunir-se. O Exército Vermelho conseguiu mantê-los separados e derrotou-os individualmente. Assim, a frente báltica de Nikolai Yudenich terminou a 16 km de Petrogrado em outubro de 1919, e o reconhecimento da independência dos estados bálticos pela Rússia bolchevique se seguiu em fevereiro e outubro de 1920. O exército do almirante Alexander Kolchak avançou para o Volga em maio de 1919, mas foi derrotado e empurrado de volta à Sibéria; Omsk caiu em 14 de novembro e Kolchak foi capturado em 7 de fevereiro de 1920. O general Anton Denikin avançou para Oryol em outubro de 1919, mas em abril de 1920 ele havia sido empurrado para a costa do Mar Negro. O general Pyotr Wrangel, que o sucedeu, foi forçado a sair da Criméia em novembro.

Enquanto isso, a Rússia se envolveu em uma guerra com a Polônia, iniciada em 25 de abril de 1920, em aliança com Symon Petliura, que buscava capturar a Ucrânia dos bolcheviques. Os poloneses tomaram Kiev em 7 de maio, mas a cidade foi retomada pelos bolcheviques em 11 de junho. Um mês depois, os bolcheviques tomaram Vilnius, e em agosto ameaçaram Varsóvia, mas foram forçados a recuar. Os poloneses planejavam cobrar um segundo Brest-Litovsk da Rússia bolchevique, e estes haviam elaborado planos para sovietizar a Polônia. O Tratado preliminar de Riga em 12 de outubro foi seguido pelo tratado definitivo em 18 de março de 1921; a Polônia manteve trechos consideráveis ​​do território habitadas por ucranianos e russos brancos.

O Exército Vermelho expulsou as forças russas brancas do Barão Roman von Ungern-Sternberg da Mongólia em janeiro de 1921 e, em 6 de julho, formou-se o Governo Revolucionário Popular da Mongólia sob proteção soviética. Incapazes de forçar os japoneses a sair de Vladivostok e da Província Costeira (as outras forças estrangeiras já haviam evacuado a região), os bolcheviques estabeleceram a República do Extremo Oriente em Chita como um estado-tampão. Ele existiu até 19 de novembro de 1922, após os japoneses evacuarem como resultado da pressão dos Estados Unidos e das promessas japonesas feitas na Conferência de Washington. Assim, no período de cerca de quatro anos após a tomada do poder, os bolcheviques haviam resistido à guerra civil e à intervenção, mas fracassaram em seus esforços para comunizar a Rússia. Em meio a esse conflito, em 2 de março de 1919, eles fundaram a Terceira Internacional, também chamada Comintern, representante de todos os partidos comunistas e com o objetivo de incentivar a revolução mundial. Assim, um novo fenômeno se desenvolveu nas relações internacionais: a dualidade da Rússia soviética como um estado e como um movimento revolucionário que alcança outros estados, mas guiado a partir do mesmo centro.

LIVRO RECOMENDADO:

Trotski: uma biografia

  • Robert Service (Autor)
  • Em português
  • Versões eBook Kindle e capa comum

A Nova Política Econômica (NPE)

O intervalo de retorno temporário ao capitalismo encontrou a produção na indústria e na agricultura se aproximando dos níveis anteriores à guerra até o final do período. O código agrário e o estatuto da terra de 1922 confirmaram a posse de terras adquiridas pelos camponeses na revolução com base em arrendamentos hereditários, mas com restrições ao arrendamento de terras e à contratação de mão-de-obra. O objetivo era desenvolver uma classe-média camponesa. Uma moeda, chervonets, baseada em ouro, interrompeu a operação da moeda impressa (1921). Em 1923, foi proclamada a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, uma federação inicial de quatro repúblicas; até 1928, outras doze, principalmente periféricas, aderiram.

A morte de Lenin em 21 de janeiro de 1924 resultou em um sério conflito de poder entre Stalin e Trotsky. Este último sustentava a posição de que o NPE devia ter fim e que a revolução mundial deveria ser resolutamente promovida para salvar a revolução na Rússia Soviética. Stalin argumentava que o socialismo podia ser alcançado em um único estado e que a política de Trotsky levaria a uma intervenção estrangeira que poderia ser desastrosa. Em outubro de 1926, Stalin conseguiu expulsar Trotsky, juntamente com o bloco radical de oposição, do Politburo e do partido; em 26 de maio de 1927, ele o baniu para Alma-Ata[8]. Em 1929, Trotsky refugiou-se no exterior. Foi assassinado no México, em 21 de agosto de 1940.

Nos assuntos externos, a Rússia soviética buscou o reconhecimento de potências estrangeiras, e estas, exceto os Estados Unidos, o concederam. O Tratado de Rapallo era um acordo básico com a Alemanha, assinado em 16 de abril de 1922, durante a abortada Conferência de Gênova, convocada para criar uma base econômica para as relações com a Rússia Soviética. Por esse tratado, a Alemanha reconheceu a Rússia e concordou com o abandono mútuo da busca por reparações e dívidas. Foi complementado por um tratado comercial em 1925 e por um acordo político adicional em 1926, como reação aos tratados de Locarno.

As estreitas relações entre os dois países também incluíram cooperação na produção de materiais de guerra até a ascensão do regime nazista na Alemanha em 1933. A Rússia Soviética participou da Conferência de Lausanne, de novembro de 1922 a julho de 1923, mas apenas com relação à parte que tratava da questão dos Estreitos Turcos. A Rússia defendeu que fosse fechado sob soberania turca e o fechamento, mare clausum, do Mar Negro a navios de guerra de potências não-litorâneas, mas foi vencida. Os estreitos foram desmilitarizados e seu controle internacionalizado.

Em maio de 1923, enquanto este acordo estava sendo negociado, o ministro das Relações Exteriores britânico George Curzon emitiu um ultimato contra a propaganda comunista, à qual a Rússia Soviética imediatamente cedeu. Seguiu-se o reconhecimento pelo governo trabalhista da Grã-Bretanha A China estabeleceu relações em 1924 e o Japão em 1925. Enquanto isso, em 1923, os comunistas falharam em criar uma revolução na Alemanha, considerada a chave da Europa. Em 1927, Chiang Kai-shek, na China, expulsou os comunistas do Kuomintang, impedindo-os de assumir o controle da revolução nacional chinesa e avançar para o que era considerado como uma tentativa de dominar a Ásia e o Pacífico.

No mesmo ano, a Grã-Bretanha e a China cortaram relações com a União Soviética sob a acusação de atividade revolucionária secreta da Terceira Internacional. O resultado da propaganda agressiva da Terceira Internacional foi o estabelecimento de governos com inclinação à direita em quase todos os estados vizinhos da Rússia. Os delegados da União Soviética, no entanto, defenderam a coexistência dos dois sistemas sociais na Conferência Econômica Internacional de Genebra, de 4 a 23 de maio de 1927, e propuseram desarmamento total e imediato na comissão preparatória sobre desarmamento da Liga das Nações, de 30 de novembro a 3 de dezembro de 1927.


ASSISTA AO VÍDEO 73 DO CANAL ARTE DA GUERRA – 100 ANOS DA REVOLUÇÃO RUSSA: O DOUTOR JIVAGO


Reconstrução socialista

A vitória de Stalin sobre Trotsky levou ao término do NPE. A Rússia soviética havia praticamente recuperado sua produção de antes da guerra, mas havia o risco de o capitalismo triunfar. A ideia de uma série de planos para transformar a Rússia agrícola em um estado suficientemente industrializado capaz de produzir seus próprios requisitos de guerra já era contemplada há algum tempo. Isso significava ênfase na indústria pesada (bens de produção), ao invés da indústria leve (bens de consumo). O primeiro plano quinquenal foi inaugurado em 1º de outubro de 1928.

Para garantir o fornecimento de alimentos às cidades industriais em crescimento e eliminar o que o governo denominou kulaks “exploradores”[9], no verão de 1929 iniciou-se a coletivização e a mecanização das fazendas. Esse programa, que no ano seguinte chegou a um tal extremo que Stalin foi obrigado a moderá-lo, precipitou a Segunda Revolução Agrária. A primeira ocorreu em 1917-1918, quando a propriedade privada foi eliminada, mas a agricultura a partir de então ainda era implementada com base no princípio das fazendas individuais. A mudança para coletivizar as fazendas resultou em grande declínio na pecuária, com os camponeses matando e comendo o que tinham; na perseguição e banimento dos kulaks; e, pelo menos em parte, na severa fome de 1932-1933. Com a captura da Manchúria pelo Japão em 1931 e 1932 e a chegada ao poder dos nazistas na Alemanha em janeiro e março de 1933, os russos perceberam que tempos críticos haviam chegado – tempos que exigiam mudanças na política interna e externa.

Expurgos e esforços de paz

De 1933 a 1937, seguiram-se expurgos e julgamentos no Partido Comunista. Eliminaram impiedosamente qualquer um que não seguisse a linha política de Stalin, e a maioria dos Velhos Bolcheviques[10] desapareceu. Para obter um apoio mais amplo do povo não-partidário, foi promulgada a nova constituição de 5 de dezembro de 1936. Foi criada uma legislatura bicameral (o Soviete Supremo), constituída pelo Soviete da União e pelo Soviete das Nacionalidades; baseava-se no sufrágio universal secreto em bases territoriais e não ocupacionais. Gradualmente, à medida que a guerra se aproximava, a propaganda comunista agressiva diminuía e a história e temas nacionais emergiam nas artes. O objetivo era fortalecer o regime para a tempestade.

Manifestamente, um período de tão vasta reconstrução na indústria e na agricultura exigia uma política de paz para a Rússia Soviética. A guerra deveria ser evitada, se é que isso seria possível, para que a Rússia pudesse alcançar os estados capitalistas. Stalin argumentou que a Rússia sempre fora derrotada no passado por causa de seu atraso. “Estamos 50 a 100 anos atrás dos países avançados”, declarou. “Devemos cobrir essa distância em 10 anos. Ou fazemos isso ou eles vão nos esmagar”.

A captura da Manchúria pelo Japão ameaçara o acesso da Rússia Soviética ao Pacífico através da Ferrovia Transiberiana e do rio Amur. A ascensão ao poder dos nazistas e a circulação do Memorando de Hugenberg na Conferência Econômica Internacional de Londres, em junho de 1933, na qual a Alemanha nazista havia pedido um mandato sobre a Rússia para acabar com a desordem naquele país, mesmo que rejeitada, levou a uma série de pactos de não agressão entre a Rússia Soviética e seus vizinhos. A Polônia, os estados bálticos, a Tchecoslováquia e a Romênia entraram em pactos no início de 1934. Além disso, a Rússia entrou para a Liga das Nações em 18 de setembro de 1934 e fez alianças com a França (2 de maio de 1935) e a Tchecoslováquia (16 de maio) após o fracasso da diplomacia francesa em obter uma [TRECHO SUPRIMIDO].

O Sétimo Congresso da Terceira Internacional, no verão de 1935, havia pedido uma frente unida entre nações antinazistas contra o crescente perigo nazista. Condicionando a evitar a propaganda e a reprimir organizações internacionais subversivas (pelas quais a Terceira Internacional foi criada), os Estados Unidos haviam reconhecido a União Soviética em 17 de novembro de 1933. A intenção era fortalecer a posição russa em relação à política agressiva do Japão, mas a ação dos EUA também influenciou a Alemanha nazista.

LIVRO RECOMENDADO:

História concisa da Revolução Russa

  • Richard Pipes (Autor)
  • Em português
  • Capa comum (edição de bolso)

Em 23 de março de 1935, a União Soviética foi forçada, como um ato de apaziguamento, a vender a baixo preço sua parte da Ferrovia Oriental Chinesa e subsidiárias – ostensivamente para Manchukuo[11], mas na realidade para o Japão. O perigo de que esses dois estados se aliassem contra a Rússia soviética aumentara como resultado do pacto anti-Comintern alemão-japonês, assinado em 25 de novembro de 1936 e ao qual a Itália aderiu no ano seguinte. Enquanto ostensivamente dirigidos contra a Terceira Internacional, os líderes soviéticos haviam visto nisso o germe de uma aliança que acabaria por tentar destruir e dividir a União Soviética, bem como outros estados.

A retirada das democracias ocidentais antes da Alemanha foi interpretada pelos líderes soviéticos como evidência em prova de sua suposição. Quando o desmembramento fatal da Tchecoslováquia foi consumado na Conferência de Munique em 29 de setembro de 1938, para a qual a Rússia soviética não foi convidada, o governo soviético protestou contra essa e as instâncias anteriores de conciliação e pediu uma ação coletiva. Além disso, embora não fosse necessário ajudar a Tchecoslováquia pelos termos da aliança entre a França e a Tchecoslováquia, porque a falta de ação da França os havia tornado inoperantes, a União Soviética ofereceu sua assistência, que foi recusada.

Segunda Guerra Mundial

Em 1939, a Alemanha nazista iniciou a destruição da Tchecoslováquia (10 a 16 de março), apontou a Polônia como a próxima vítima e anexou Memel[12] (Klaipeda). As democracias ocidentais, prestes a desistir da política de conciliação, iniciaram negociações com a União Soviética em relação à atitude desta última sobre a Alemanha. Isso falhou porque a Polônia e os estados bálticos temiam mais a ocupação russa e a provável anexação do que a agressão nazista alemã. Hitler superou as democracias ocidentais e, em 23 de agosto de 1939, a Alemanha e a União Soviética assinaram um pacto no qual se comprometeram a não atacar um ao outro, permanecer neutros se o outro fosse atacado e não se juntar a nenhum grupo diretamente ou ameaçando indiretamente o outro. Isso desencadeou a guerra nazista contra a Polônia em 1º de setembro. Dois acordos suplementares definiram a divisão do país entre as duas potências e levaram à absorção dos estados bálticos em 1940. Embora o pacto tenha desconcertado a política do Japão, a Rússia respirou fundo. Em relação à Alemanha, os temores russos do ataque japonês não foram deixados de lado até a assinatura do pacto de neutralidade com o país em 13 de abril de 1941.

Enquanto isso, as relações com a Alemanha, que a Rússia Soviética ajudou bastante com os materiais de guerra necessários, começaram a deteriorar-se rapidamente após o colapso da França em junho de 1940. Embora os detalhes completos das relações russo-alemãs ainda não estejam publicados, é evidente que as duas potências não poderiam concordar com a divisão de seus interesses nos Balcãs e no Oriente Próximo e Médio. A Aliança Tripartite (Alemanha, Itália e Japão) de 27 de setembro de 1940 implicava a neutralidade da Rússia, em troca da promessa dos participantes de manter os acordos de cada país com a Rússia em status quo. Incluía também uma cláusula secreta pela qual eles não concluiriam um acordo com a União Soviética contrário aos termos da aliança. Embora, por um lado, essa aliança tenha levado ao pacto de neutralidade entre a União Soviética e o Japão, como já indicado, a crescente rivalidade entre a Alemanha e a Rússia se concentrou no domínio dos Estreitos Turcos, cujo controle era exigido pelos negociadores soviéticos.

Assim, o controle alemão da Romênia (julho de 1941) e da Bulgária (março de 1941), a destruição da Iugoslávia (abril de 1941), a anexação russa da Bessarábia e parte de Bucovina (29 de junho de 1940) e as conversações Molotov em Berlim (novembro) 1940, foram apenas as indicações de movimentos sucessivos em um conflito extenuante e velado, no qual os alemães finalmente se recusaram a aderir às demandas russas porque as declararam exorbitantes. Em 22 de junho de 1941, os alemães atacaram os russos. Embora os líderes soviéticos tivessem tentado evitar a guerra com qualquer dos principais parceiros do Eixo, eles fracassaram. Mas haviam conseguido outro objetivo: lutar em apenas uma frente de cada vez.

LIVRO RECOMENDADO:

Lenine, uma Nova Biografia

  • Dmitri Volkogonov (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Para a União Soviética, a guerra desencadeada pelos nazistas foi um jogo pela maior aposta: sua sobrevivência. Por duas vezes os alemães chegaram muito perto de dominar a Rússia – quando seus exércitos penetraram nos subúrbios de Moscou em 6 de dezembro de 1941 e novamente quando quase tomaram Stalingrado em outubro de 1942. Eles não conseguiram tomar Leningrado. Em cada situação, os russos, fortalecidos pela reação a um antigo inimigo, mantiveram suas linhas. Mais tarde, reforçados pelo Lend Lease [13] americano, eles virariam a maré contra os alemães na frente leste europeia em uma vasta contraofensiva que, pelos sacrifícios do povo russo e pela capacidade de seus estrategistas, permanecerá por muito tempo entre os grandes eventos da história.

Quando os russos assinaram a declaração conjunta das nações aliadas em 1º de janeiro de 1942, na medida em que se referia apenas à Alemanha (uma vez que a URSS não estava em guerra com o Japão), eles se comprometeram com os termos da Carta Atlântica de 14 de agosto de 1941. Por meio de acordos de 30 de outubro e 4 de novembro de 1941, os Estados Unidos já estendiam a ajuda em empréstimos e arrendamentos (Lend Lease) à Rússia, e isso foi regularizado no acordo de 11 de junho de 1942. Enquanto isso, a aliança anglo-soviética foi assinada em 26 de maio de 1942. Baseava-se na Carta do Atlântico e em uma organização internacional ainda a ser criada. Os tratados com a Polônia, em 30 de julho e 4 de dezembro de 1941, anularam os acordos soviético-alemães, mas deixaram a fronteira entre os dois estados instável. O tratado com a Tchecoslováquia, em 18 de julho de 1941, levaria a uma aliança definitiva em 12 de dezembro de 1943. A Terceira Internacional foi formalmente dissolvida em junho de 1943.

A primeira conferência tripartite, a reunião do Secretário de Estado dos Estados Unidos, Cordell Hull, do Secretário de Relações Exteriores britânico, Anthony Eden e do Comissário de Relações Exteriores da União Soviética, Vyacheslav Molotov, em Moscou, de 19 a 30 de outubro de 1943, iniciou uma série de conferências entre os ministros de relações Exteriores e Chefes de Estado. Foi acordada uma segunda frente na Europa ocidental e reconhecida a necessidade de estabelecer uma organização internacional em consonância com os princípios da Carta Atlântica. Foram emitidas declarações sobre políticas para uma Itália democrática e uma Áustria independente. A Conferência de Teerã, de 26 a 30 de novembro de 1943, com a presença do presidente Franklin D. Roosevelt, do primeiro-ministro soviético Joseph Stalin e do primeiro-ministro britânico Winston Churchill, concordou com o momento dos golpes estratégicos contra a Alemanha, especialmente na ofensiva da frente ocidental, e formalizaram seus objetivos de banir “o flagelo da guerra por muitas gerações”.

Assim, até o final de 1943, as bases da unidade entre as grandes potências em guerra contra a Alemanha haviam sido alcançadas. Enquanto isso, os russos sofreram perdas surpreendentes, evacuaram milhões de pessoas e uma grande quantidade de indústrias para o leste e começaram um esforço para vencer a guerra. Surpreendendo amigos e inimigos, os russos demonstravam um moral elevado, baseado no renascimento das tradições nacionais. Em 1944, os russos seguiram ao rio Vístula, na Polônia, forçaram a Finlândia a sair da guerra, invadiram a Romênia e a Hungria e cercaram Budapeste, enquanto os exércitos anglo-americanos abriram seu caminho pelas praias da Normandia em direção ao Reno. Na primavera seguinte, os russos continuaram seu até os portões de Berlim, enquanto os aliados ocidentais invadiram a Alemanha pelo oeste, fazendo junções com os russos, mas observando uma linha predeterminada que marcava a área a ser ocupada pelo Exército Vermelho.

Após o fim da guerra na Alemanha, em maio de 1945, os russos, cronometrando suas ações conforme um acordo feito na Conferência de Yalta, de 4 a 11 de fevereiro de 1945, moveram-se contra os japoneses na Manchúria. Iniciaram as operações em 8 de agosto, depois que os japoneses, apesar dos fortes reveses causados ​​pela crescente ofensiva americana no Pacífico, se recusaram a aceitar o Ultimato de Potsdam (26 de julho) de rendição incondicional. Os japoneses renderam-se incondicionalmente em 2 de setembro, depois que a ofensiva americana atingiu seu pico destrutivo final e depois que a Rússia assinou o Tratado da Aliança Sino-Russa de 14 de agosto e ocupou grande parte da Manchúria, norte da Coréia e sul das ilhas Sacalina e Kuril.

LIVRO RECOMENDADO:

Rumo à estação Finlândia

  • Edmund Wilson (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Na reunião entre o presidente Roosevelt, o primeiro-ministro Churchill e o premiê Stalin em Yalta, em fevereiro de 1945, esses chefes de estado haviam concordado com o estabelecimento de governos de coalizão na Polônia, Iugoslávia, Romênia e Bulgária, que seriam reconhecidos com a base em eleições livres e sem restrições. Na Conferência dos “Três Grandes” (Estados Unidos, Grã-Bretanha e Rússia) de Potsdam (Berlim), em julho de 1945, os russos obtiveram o direito de continuar a ocupar a área de Kaliningrado (Königsberg), e esse direito deveria ser apoiado pelas outras potências. Os poloneses foram autorizados a ocupar provisoriamente território alemão no rio Oder, incluindo Stettin (hoje Szczecin), sujeito a decisões posteriores da conferência de paz. Foram organizadas as zonas militares de ocupação e reparação, sujeitas à manutenção da unidade econômica alemã. A base da predominância russa na Alemanha Oriental e nos Bálcãs havia sido estabelecida.

Período pós-Segunda Guerra Mundial

Conforme esboçado por Stalin em fevereiro de 1946, os objetivos industriais da União Soviética incluíam um aumento de três vezes na produção de ferro, aço e petróleo até 1960, em comparação com 1940. Isso deveria ser conseguido continuando com a série de planos quinquenais.

Embora a produção durante 1950, o último ano do quarto plano quinquenal, tenha sido afetada negativamente pela tensão econômica produzida pela guerra na Coréia e pela seca de verão que ameaçou o suprimento de alimentos, fontes oficiais declararam em 1951 que os principais objetivos haviam sido superados por larga margem. De acordo com os números divulgados pelos soviéticos, a indústria em geral em 1950 excedeu a de 1940 em 73%. A produção de metais ferrosos subiu 45% sobre os valores anteriores à guerra, e a de carvão aumentou 57%; a produção de petróleo, 22%; e a geração de energia elétrica cresceu 87%. Em 1950, a construção de máquinas aumentou 2,3 ​​vezes sobre o nível de 1940. Foi relatado que a renda nacional, em termos de “preços comparáveis”, aumentou 64% em relação a 1940, e os cinco conjuntos sucessivos de reduções de preços (três entre 1947 e 1950) representaram um aumento considerável nos salários reais. A sexta redução de preços, anunciada em abril de 1953, após a morte de Stalin, cobriu praticamente todos os alimentos e bens manufaturados de consumo geral.

Embora esses números, anunciados em 1951 por Lavrentiy Beria, Ministro de Assuntos Internos, não pudessem ser verificados, eles aparentemente mostravam um aumento no volume de produção. No entanto, embora a União Soviética parecesse estar a caminho de alcançar, em 1960 ou 1965, os objetivos industriais que Stalin havia estabelecido em 1946, essa conquista levaria a produção soviética apenas ao ponto alcançado pelos EUA em 1930. Embora tenham sido expressas algumas dúvidas, após o anúncio original em 1949 o consenso era de que a URSS conseguiu detonar uma bomba atômica.

Relações Exteriores

Tendo recusado qualquer modificação do poder de veto nas Nações Unidas, a União Soviética empregou consistentemente o veto para bloquear decisões que considerava desfavoráveis. Fora da ONU, depois de rejeitar o Plano Marshall de assistência econômica dos Estados Unidos para a recuperação europeia na conferência de Paris em julho de 1947, a União Soviética organizou seus satélites em um bloco conhecido como Cominform. Assim, a formação gradual de planos para uma defesa europeia comum foi impedida, e a tentativa dos EUA de encontrar uma solução totalmente europeia para o problema da recuperação econômica foi bloqueada. Embora o gabinete tcheco-eslovaco tivesse aprovado por unanimidade a participação no Plano Marshall, retirou sua aceitação sob pressão da URSS e, consequentemente, tratados para a troca de bens e mercadorias foram assinados entre os dois países.

A CAVALARIA VERMELHA por [Isaac Babel] LIVRO RECOMENDADO:

A Cavalaria Vermelha

  • Isaac Babel (Autor)
  • Em português
  • eBook Kindle

Em 1948, a Rússia havia concluído alianças militares e tinha relações econômicas e comerciais virtualmente exclusivas com a Iugoslávia, Polônia, Finlândia, Hungria, Romênia e Bulgária; mas o regime de Tito desagradou tanto o Kremlin que a Iugoslávia foi duramente repreendida pelo Cominform e, em 1949, a Rússia condenou seu tratado militar com a Iugoslávia. No mesmo ano, a URSS reconheceu os comunistas chineses como o governo legal da China e, em 1950, o regime Viet Minh liderado pelos comunistas na Indochina. A guerra na Coréia aumentou as tensões existentes no Extremo Oriente, e as negociações de trégua, iniciadas em 1951, atolaram repetidamente.

A política externa soviética, tanto na Europa quanto na Ásia, criou forte oposição por parte da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos e levou esses países, passo a passo, a uma política de firmeza contra a União Soviética. A delicada situação iraniana, apresentada às Nações Unidas em 1946, havia sido tratada por essa organização, forçando a evacuação das tropas russas do Irã após a conclusão de um acordo de petróleo entre os dois países. O bloqueio terrestre do oeste de Berlim, conduzido pelas tropas soviéticas em 1948 e 1949, foi finalmente rompido pela ponte aérea de Berlim, um triunfo do transporte aéreo ocidental.

Enquanto as relações leste-oeste continuavam se deteriorando, o movimento de “paz” do Cominform, inegavelmente apelando a alguns europeus cansados de guerra, começou. A primeira Conferência Mundial da Paz (Estocolmo, 1950) adotou as resoluções de Estocolmo, uma tentativa de acabar com o plano majoritário das Nações Unidas para o controle da energia atômica. Seguiram-se outras reuniões e convocações periódicas para conferências de paz de alto nível (que, quando realizadas, foram infrutíferas). Simultaneamente com esse uso da propaganda de paz, os soviéticos se recusavam repetidamente a submeter a questão do desarmamento a uma autoridade internacional, onde o veto não podia ser exercido. Também se fez uso efetivo da propaganda da libertação de terras coloniais, atuando no novo nacionalismo da Ásia e da África. Durante os últimos meses da vida de Stalin, a União Soviética disseminou a propaganda “Hate America”[14] ​​em escala até então inédita. O 19º Congresso do Partido Comunista foi realizado em outubro de 1952. Seu principal objetivo consistiu na revisão da organização do Partido, rearranjo dos membros do Comitê Central e adoção de um quinto Plano Quinquenal.

Banner-Strip-Apoie

Período pós-Stalin

Com a morte do marechal Joseph Vissarionovich Stalin, primeiro-ministro da União Soviética e secretário-geral do Partido Comunista da URSS, em 5 de março de 1953, Georgy M. Malenkov foi nomeado presidente do Conselho de Ministros (primeiro-ministro) para sucede-lo. Os quatro vice-presidentes nomeados foram Beria, Molotov, Kaganovich e marechal Bulganin. Uma redução drástica no número de membros do Presidium do Comitê Central do Partido, estabelecido no outubro anterior, foi imediatamente implementada. Dos 25 membros com 11 suplentes, a associação foi reduzida para 10 membros com 4 suplentes.

No que diz respeito às relações com o mundo exterior, várias mudanças marcantes ficaram simultaneamente claras. A “ofensiva da paz” foi intensificada, os soviéticos apelando aos Quatro Grandes para negociações sobre a Alemanha; comprometeram-se na escolha de um novo Secretário-Geral das Nações Unidas; deram permissão a oito representantes da imprensa e do rádio dos EUA para visitar Moscou; e, com a retomada de negociações sobre a trégua na Coréia, foi alcançado um acordo sobre o intercâmbio de prisioneiros de guerra doentes e feridos, o que foi realizado pouco depois. A campanha antissionista iniciada nas últimas semanas de vida de Stalin foi aparentemente abandonada. Dos virulentos ataques aos “defensores do capitalismo”, a estratégia soviética parecia ter mudado, de modo que a ênfase, por enquanto, se apoiava, se não na amizade, pelo menos na cooperação com o mundo ocidental.


*Albert Caballé Marimón possui formação superior em marketing. Depois de atuar vários anos em empresas nacionais e multinacionais, tornou-se fotógrafo profissional e editor do blog Velho General. Já atuou na cobertura de eventos como a Feira LAAD, o Exercício CRUZEX e a Operação Acolhida e proferiu palestras na Academia da Força Aérea. É colaborador da revista Tecnologia & Defesa e do Canal Arte da Guerra. Pode ser contatado através do e-mail caballe@gmail.com.


Notas

[1] A Duma Estatal ou Duma Imperial era a Câmara dos Deputados, parte do legislativo do Império Russo. Suas reuniões ocorriam no Palácio Taurida em São Petersburgo.

[2] Os Sovietes (“Conselhos Operários”) são colegiados formados por membros da classe trabalhadora que regulam e organizam a produção de um determinado território ou indústria no final do Império Russo, associados à Revolução Russa. Deram o nome aos últimos estados da Rússia Soviética e da União Soviética.

[3] Bolchevique, que significa “maioritário” em russo, é a forma pela qual eram chamados os membros do Partido Operário Social-Democrata Russo liderado por Lenin.

[4] Entente era a aliança formada pela França, Grã-Bretanha e Rússia.

[5] Direção Política do Estado (ou Administração Política do Estado), GPU na sigla em russo.

[6] Comissariado do Povo para Assuntos Internos, NKVD na sigla em russo.

[7] Império Alemão, Império Austro-Húngaro, Bulgária e Império Otomano.

[8] Atual Almaty, no Cazaquistão.

[9] Kulaks eram os camponeses com mais de 3,2 hectares de terra no fim do Império Russo. No início da União Soviética, tornou-se uma referência à propriedade dos camponeses. Os kulaks foram dizimados por Stalin, para garantir a coletivização na década de 1930. Não confundir com os gulags, campos de prisioneiros.

[10] Velho Bolchevique era a forma como eram conhecidos os membros da facção bolchevique do Partido Social-Democrata da Rússia antes da Revolução de 1917.

[11] Manchukuo, a Manchúria antes de 1934 e Império da Manchúria depois de 1934, foi um estado fantoche criado pelo Império do Japão no nordeste da China entre 1932 a 1945.

[12] A região de Klaipeda ou território de Memel foi definida pelo Tratado de Versalhes. Refere-se à parte mais ao norte da Prússia Oriental.

[13] O Lend Lease foi um programa pelo o qual os EUA forneceram alimentos, petróleo e equipamentos à Grã-Bretanha, França Livre, China, União Soviética e outras nações aliadas entre 1941 e 1945.

[14] “Odiar a América”, em tradução livre.

Banner-loja-02.jpg

4 comentários sobre “Documentos da Guerra Fria: história da URSS

  1. Falar da ex-URSS é pisar num terreno pantanoso, deserto, campos mimados entre outros adjetivos.

    No aguardo da liberação dos documentos da época dos tratados.

    Parabéns pela coragem de tentar resumir sem perder-se nos incontáveis labirintos propositadamente ou não lançados pelas lembranças dos seus sobreviventes.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Mais um ótimo artigo do velho general, parabéns Albert ! Esse artigo contém temas ou subtemas para o resto do ano tanto neste blog como no canal arte da guerra!
      Fico curioso sobre essa documentação desses acordos entre os nazistas e a URSS, que ainda não vieram ao nosso conhecimento!
      Também gostaria de parabenizá-los sobre o vídeo do canal da arte da guerra, que vcs fizeram com o professor Ricardo Felício, parabéns mais uma vez !

      Curtido por 1 pessoa

      1. Muito obrigado Érico! O prof. Ricardo Felício é um sujeito muito corajoso, foi uma entrevista muito boa. Quanto ao artigo, sempre que possível procuramos trazer alguma coisa dos arquivos da CIA, do que é liberado. Grato por acompanhar, forte abraço!

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s