Carta do comandante Crozier (USS Theodore Roosevelt)

B-Top-720x75px-ADG.jpg

Albert-VF1 Por Albert Caballé Marimón*

Baixar-PDF


Apoie o Velho General: contribua com a manutenção do blog, conheça as opções.


Capa-PDF.jpg
Capitão Brett Crozier, ex-comandante do USS Theodore Roosevelt (Foto: Jordan Kirk-Johnson/US Navy).

Tradução livre da íntegra da carta do capitão Brett Crozier, afastado do comando do porta-aviões nuclear USS Theodore Roosevelt, enviada ao alto comando da Marinha Americana cujo conteúdo vazou e veio a público.


DEPARTAMENTO DA UNIDADE MARINHA

USS THEODORE ROOSEVELT (CVN 7I)

UNIDADE 100250 CAIXA 1

FPO AP 96632

30 de março de 2020

Assunto: PEDIDO DE ASSISTÊNCIA EM RESPOSTA À PANDEMIA DE COVID-19

RESUMO: Se necessário, o USS THEODORE ROOSEVELT embarcaria em todos os marinheiros designados, zarparia e estaria pronto para lutar e vencer qualquer adversário que ousasse desafiar os EUA ou nossos aliados. O vírus certamente teria um impacto, mas em combate estamos dispostos a assumir certos riscos que não são aceitáveis ​​em tempos de paz. No entanto, não estamos em guerra e, portanto, não podemos permitir que um único marinheiro pereça desnecessariamente como resultado dessa pandemia. Agora é necessária uma ação decisiva para cumprir as orientações do CDC e NAVADMIN 083/20 e evitar resultados trágicos.

1. Declaração do Problema. Com a tripulação embarcada, o TR (Theodore Roosevelt) não pode cumprir os protocolos do CDC ou as orientações do NAVADMIN 083/20. Com base nas diretrizes do CDC e nas observações do TR, o único método eficaz para preservar a saúde de um indivíduo é o isolamento total por mais de quatorze dias, de acordo com o NAVADMIN (ou seja, quartos individuais de hotéis/quartéis com alojamentos separados). Devido às limitações inerentes ao espaço de um navio de guerra, não estamos fazendo isso. A propagação da doença é contínua e acelerada.

LIVRO RECOMENDADO:

Este Barco Também é Seu: Práticas Inovadoras de Gestão que levaram o USS Benfold a ser o melhor navio de guerra da Marinha Americana

  • D. Michael Abrashoff (Autor)
    Em português
    Versões eBook Kindle e Capa Comum

2. Foco inadequado nos testes. O teste não tem influência direta na propagação do vírus COVID-19. Apenas confirma a presença do vírus. Devido aos locais próximos exigidos em um navio de guerra e ao número atual de casos positivos, todo marinheiro, independentemente da classificação, a bordo do TR deve ser considerado “contato próximo” de acordo com a NAVADMIN. O teste só será útil quando o navio retornar ao trabalho após isolamento ou quarentena para confirmar a eficácia do período de quarentena. Nosso foco agora deve estar na quarentena e no isolamento, em estrita conformidade com as diretrizes do CDC e NAVADMIN.

O teste COVID-19 não pode provar que um marinheiro não possui o vírus; só pode provar que um marinheiro o possui. Como ilustração, dos primeiros 33 marinheiros do TR diagnosticados com COVID-19, 21% (7 dos 33) marinheiros infectados deram negativo em um teste do COVID-19 e, posteriormente, apresentaram sintomas de infecção pelo COVID-19 em 1-3 dias pós-teste.

Com base nos dados desde o primeiro caso do TR, aproximadamente 21% dos marinheiros que tiveram resultados negativos e estão atualmente em movimento restrito a grupos em terra estão infectados, desenvolverão sintomas nos próximos dias e continuarão infectando o restante de seu grupo restrito baseado na costa.

3. Quarentena e isolamento inadequados. Com a exceção de algumas cabines de oficiais superiores, nenhum dos atracados a bordo de um navio de guerra é apropriado para quarentena ou isolamento. Milhares de marinheiros com “contato próximo” exigem quarentena de acordo com as orientações. O TR começou a transferir o pessoal do navio para locais restritos em terra. Dos locais fora do navio atualmente disponíveis, apenas um está em conformidade com as diretrizes da NAVADMIN. Marinheiros infectados residem nesses locais fora do navio. Dois marinheiros já testaram positivo em um ginásio aberto da baía equipado com cabines. Embora marginalmente melhor que um navio de guerra, os locais de quarentena de grupo não são uma solução e não estão de acordo com as orientações atuais.

Para impedir a propagação do vírus, o CDC e o Centro de Saúde Pública da Marinha e do Corpo de Fuzileiros Navais recomendam quarentena individual. Nenhum deles recomenda pela quarentena do grupo. Eles recomendam contato limitado ou inexistente com outras pessoas expostas e nenhum uso das mesmas instalações ou itens tocados por pessoas expostas. O NAVADMIN 083/20 reflete esta orientação.

LIVRO RECOMENDADO:

Este Barco é de Todos: como grandes líderes motivam para a responsabilidade e o envolvimento individuais em uma causa comum

  • D. Michael Abrashoff (Autor)
    Em português
    Versões eBook Kindle e Capa Comum

O ambiente mais propício à propagação da doença é o ambiente em que a tripulação do TR está agora, a bordo do navio e em terra:

a. Grandes quantidades de marinheiros em um espaço confinado

b. Atracação aberta e compartilhada

c. Instalações de banheiro compartilhado

d. Áreas de trabalho e computadores compartilhados e confinados

e. Mensagens compartilhadas para grandes números

f. Refeições cozidas / alimentos fornecidos por pessoal exposto

g. Tarefas operacionais / de vigilância obrigatórias que exigem contato próximo consistente (preparação de alimentos, serviço e limpeza, relógios TFCC, reuniões inevitáveis ​​para planejar e executar ações de resposta COVID, etc.)

h. O movimento sobre o navio requer contato próximo consistente com outras pessoas expostas (passagens confinadas, trilhos de escada previamente tocados / alavancas de escotilha / maçanetas, etc.)

4. Ineficácia da estratégia atual: Com base nas limitações atuais (falta de instalações apropriadas de quarentena e isolamento, incapacidade de alcançar efetivamente o distanciamento social), o TR instituiu medidas limitadas para retardar a propagação da doença. Transferimos uma pequena porcentagem da tripulação para fora do navio, aumentamos a frequência da limpeza completa e tentamos algum distanciamento social. A estratégia atual apenas diminuirá o spread. O plano atual em execução no TR não alcançará a erradicação de vírus em nenhuma linha do tempo.

5. Lições aprendidas com o Diamond Princess: De um artigo de pesquisa epidemiológica sobre a infecção por COVID-19 a bordo do Diamond Princess (a única situação comparável encontrada até agora) (Roklov et al.) Intitulado “Surto de COVID-19 no navio de cruzeiro Diamond Princess: estimando o potencial epidêmico e a eficácia das contramedidas de saúde pública:”

“Os navios de cruzeiro transportam um grande número de pessoas em espaços confinados com uma mistura relativamente homogênea. Em 3 de fevereiro de 2020, um surto de COVID-19 no navio Diamond Princess foi relatado após um índice a bordo entre 21 e 25 de janeiro. Até 4 de fevereiro Em fevereiro, foram implementadas medidas de saúde pública, como remoção e isolamento de passageiros doentes e quarentena de passageiros não doentes. Até 20 de fevereiro, 619 dos 3.700 passageiros e tripulantes (17%) foram testados como positivos. Estimamos que, sem intervenções no prazo de 21 de janeiro a 19 de fevereiro, 2.920 dos 3.700 (79%) teriam sido infectados, o que impediu o isolamento e a quarentena de 2.307 casos. Mostramos que uma evacuação precoce de todos os passageiros em 3 de fevereiro estaria associada a 76 pessoas infectadas.” (Ao contrário de 619).

LIVRO RECOMENDADO:

Este Barco é Nosso: dicas práticas sobre liderança e cooperação do comandante do melhor navio de guerra da Marinha Americana

  • D. Michael Abrashoff (Autor)
    Em português
    Versões eBook Kindle e Capa Comum

A frase final do resumo:

“Conclusões: as condições dos navios de cruzeiro claramente amplificaram uma doença já altamente transmissível. As medidas de saúde pública impediram mais de 2.000 casos adicionais em comparação com nenhuma intervenção. No entanto, evacuar todos os passageiros e tripulantes no início do surto teria impedido muito mais passageiros e tripulantes. de infecção.”

O Diamond Princess conseguiu isolar com mais eficiência as pessoas a bordo do que o TR, devido a uma porcentagem muito maior de acomodações individualizadas e compartimentadas a bordo para clientes pagantes. Suas medidas ainda permitiram que centenas de pessoas fossem infectadas. Os melhores resultados do TR, dado o ambiente atual, provavelmente serão muito piores.

6. Nova Estratégia Proposta: Existem dois estados finais que o TR poderia alcançar:

a. Maximizar a prontidão e capacidade de combate, o mais rápido possível. Não é necessário cronograma. Vamos à guerra com a força que temos e lutamos doentes. Nunca teremos um TR sem de COVID. Haverá perdas para o vírus.

b. Alcançar um TR sem COVID. Requer aderência estrita às diretrizes do CDC e uma abordagem metódica para obter um navio limpo. Isso requer ação imediata e decisiva. Vai levar tempo e dinheiro.

Como uma guerra não é iminente, recomendamos a busca do estado final do tempo de paz.

O TR tem dois objetivos principais para atingir esse estado final:

a. Evitar mortes desnecessárias, reduzir o número de marinheiros que contraem COVID-19 e eliminar futuras propagações de vírus.

b. Recuperar e maximizar a prontidão e a capacidade de combate o mais rápido possível.

Para atingir esses objetivos, é necessário um navio limpo. Todo marinheiro a bordo deve estar livre de vírus e o ambiente do navio deve ser desinfetado. Um marinheiro infectado introduzido no navio espalhará o vírus. Os alojamentos fora do navio, em conformidade com as orientações do CDC e NAVADMIN, é necessário para mais de 4.000 marinheiros, a fim de conseguir um navio e tripulação limpos.

Banner-Strip-Apoie

7. Conclusão. É necessária uma ação decisiva. Remover a maioria do pessoal de um porta-aviões nuclear dos EUA e isolá-lo por duas semanas pode parecer uma medida extraordinária. Uma parte da tripulação (aproximadamente 10%) teria que permanecer a bordo para operar o reator, higienizar o navio, garantir a segurança e fornecer resposta a emergências. Este é um risco necessário. Isso permitirá que o porta-aviões e sua ala aérea voltem a trabalhar o mais rápido possível, garantindo a saúde e a segurança de nossos marinheiros. Manter mais de 4.000 rapazes e moças a bordo do TR é um risco desnecessário e quebra a confiança dos marinheiros confiados a nossos cuidados.

Existem desafios associados à garantia de hospedagem individualizada para nossa tripulação. Isso exigirá uma solução política, mas é a coisa certa a fazer. Nós não estamos em guerra. Marinheiros não precisam morrer. Se não agirmos agora, não conseguiremos cuidar adequadamente de nossos bens mais confiáveis ​​– nossos marinheiros.

Solicito todos os recursos disponíveis para encontrar salas de quarentena compatíveis com NAVADMIN e CDC para toda a minha equipe o mais rápido possível.

(Assinatura)

B. E. CROZIER

Banner-loja-02.jpg


ASSISTA AO VÍDEO 1113 DO CANAL ARTE DA GUERRA – Recado à CHINA: declaração do Secretário da US Navy é alerta a adversários dos EUA


*Albert Caballé Marimón possui formação superior em marketing, é fotógrafo profissional e editor do blog Velho General. Já atuou na cobertura de eventos como a Feira LAAD, o Exercício CRUZEX e a Operação Acolhida. É colaborador da revista Tecnologia & Defesa e do Canal Arte da Guerra, onde, entre outras atividades, mantém uma resenha semanal de filmes e documentários militares. Entre suas atividades, já proferiu palestras para os cadetes da Academia da Força Aérea. Pode ser contatado através do e-mail caballe@gmail.com.


10 comentários sobre “Carta do comandante Crozier (USS Theodore Roosevelt)

  1. Somente resta parabenizar a todos pelo esplêndido material disponibilizado aos leitores. Uma aula de competência, zelo e capricho. Parabéns pelo material.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Grato, José. Embora o VG não seja um veículo noticioso (não temos estrutura para tanto), em determinados momentos julgamos importante um esforço adicional para trazer análises responsáveis e realistas. Feedbacks como o seu nos animam. Muito obrigado, e um grande abraço!

      Curtir

  2. Excelente trabalho Albert!

    Depois de ler a carta do Cmte Crozier, posso dividir o texto em três etapas, em que na sequência o ex-Comandante do TR foi saindo gradativamente da sua esfera de competência:

    1) da introdução até o item 4, relatou a situação. Até aí nenhum problema se tivesse seguido a cadeia de comando;

    2) no item 5 avançou o sinal amarelo ao fazer análises e comparações descabidas; e

    3) nos itens 6 e 7, seguiu-se uma série de comentários que já avançavam além do seu posto hierárquico.

    Em suma, a parte final da carta já seria motivo suficiente para uma dura advertência do Comando da USN, mas o fato da missiva ter seguido por meios “públicos” mostrou -se uma ação no mínimo irresponsável por parte do Cmte Crozier, não desmerecendo o mérito da sua suposta intenção.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Mais ou menos, Cristiano. Ele parece ter sido no mínimo mal assessorado. Segundo pessoal de área médica com quem tive oportunidade de conversar, no item 2 que diz que “o teste não tem influência direta na propagação do COVID-19”. E isso, segundo as pessoas com quem conversei, não corresponde à realidade. Os exames em toda a tripulação serviriam para medir o grau de contaminação e direcionar os desembarques compulsórios para quarentena. No item 4, “o plano atual em execução no TR não alcançará a erradicação de vírus em nenhuma linha do tempo”, é utópico de atingir em qualquer situação. Ninguém visa erradicar o vírus, mas controlar as curvas de baixados e baixados graves. Assim ele demonstra grande desconhecimento sobre a doença (má assessoria para dizer o mínimo). O exemplo que me foi citado, a Gripe Espanhola em 1918, que era muito mais mórbida e letal, atingiu nossa Divisão Naval quando atracou a Africa e não chegou a atingir toda a tripulação. 50% desenvolveu imunidade e não foi atingido. Entre outros comentários. Por exemplo, a tripulação do TR no geral é jovem e saudável, e, pelo que se conhece de como se propaga e a quem atinge a doença, uma tropa jovem e saudável, que representa a grande maioria daquele navio jamais seria comprometida a ponto de inviabilizar sua operacionalidade. Enfim, o caso é que não sabemos de todas as informações de um lado e de outro, e talvez nunca venhamos a saber. Mas que, pelo conteúdo da carta ele foi no mínimo mal assessorado, é fato. De qualquer forma agradeço seu comentário! Um abraço!

      Curtir

    2. Em resumo, Crozier podia ter feito tudo corretamente e concordo com a análise do Cristiano Saraiva. Mas escolheu a forma errada de fazer. E pagou o preço.

      Curtido por 1 pessoa

      1. Exato Fontoura. Em que pesem interpretações incorretas que sugiram mal assessoramento, o ponto fundamental foi esse. Uma comunicação dessas nunca poderia ter vazado. Um abraço!

        Curtir

  3. Conteúdo informativo e relevante! Infelizmente o Comandante foi mal assessorado na situação pela qual sua embarcação passava, se expôs de forma desnecessária e foi punido por isso. Marinha alguma, ainda mais a USN, perdoaria tal fato. Forte abraço!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s