Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Capa

Por Albert Caballé Marimón

Em junho de 1967, o SAC (Strategic Air Command, Comando Aéreo Estratégico) da USAF (United States Air Force, Força Aérea dos Estados Unidos) emitiu uma solicitação para uma aeronave de reabastecimento avançada para complementar a frota de KC-135. Embora o KC-135 fosse ideal para apoiar missões de bombardeio, era considerado inadequado para dar apoio a uma força mais abrangente de aeronaves de ataque, resgate, defesa aérea e transporte. Embora a solicitação tenha sido aprovada pelo comando da USAF, o projeto não avançou na época, talvez devido à Guerra do Vietnã.

Em 1970, um estudo sobre apoio de aeronaves de reabastecimento sugeriu que a adaptação de um avião com fuselagem mais larga seria uma solução mais econômica. Foram feitos alguns testes em 1971 e 1972 e, pouco tempo depois, durante a Guerra do Yom Kippur em outubro de 1973, o apoio dos Estados Unidos a Israel demonstrou a necessidade de reabastecimento aéreo para esquadrões de transporte.


00-03c7b73838a23f1cc81623b35ffc8a3f
O Boeing KC-25 (“KC-747”) reabastecendo um B-52 (Foto: Boeing)

Em dezembro de 1973, o SAC reemitiu o requerimento, agora denominado ATCA (Advanced Tanker Cargo Aircraft, Aeronave Avançada de Reabastecimento e Carga, em tradução livre). O Comando de Transporte Aéreo Militar e o Comando Aéreo Tático concordaram que a nova aeronave deveria ser primariamente um reabastecedor, com capacidade de ampliação para transporte aéreo. Duas empresas responderam à solicitação: a Boeing baseou sua proposta no 747, enquanto a McDonnell Douglas baseou a sua no KC-10.

A aeronave baseada no 747, designada KC-33, tinha capacidade superior ao KC-10. Derivado de uma proposta da Boeing dos anos 1960 para uma aeronave de transporte que acabou perdendo para o Lockheed C-5A Galaxy, o 747 podia carregar 100.000 libras de combustível a mais do que o KC-10 e tinha quase o dobro da capacidade de carga. A porta de carga frontal, no nariz do 747, também seria uma vantagem. Mas o KC-33 teria um custo de operação significativamente maior, e além disso, o KC-10 operava em pistas mais curtas. Esses pontos acabaram sendo decisivos para a USAF, e em 19 de dezembro de 1977, o KC-10 foi selecionado.


Assista ao Vídeo 625 do CANAL ARTE DA GUERRA: Boeing 747 Reabastecedor: o avião existe e só a Força Aérea Iraniana tem


No entanto, mesmo tendo perdido a concorrência da USAF, a Boeing conseguiu vender duas aeronaves para para o Irã. O Xá Rehza Pahlevi as comprou para transporte, num pacote com dez 747. Nessa época, a então IIAF (Imperial Iranian Air Force, Força Aérea Imperial Iraniana) havia feito pedidos de centenas de caças Phantom F-4, e concluiu que o 747 poderia ser um excelente reabastecedor para essa frota.


00-kzyhdxzp6rtbm4zddrfr
KC-747 da então IIAF – Imperial Iranian Air Force (Foto: autor não identificado)

Mais aeronaves teriam sido pedidas pelo Irã, mas apenas duas foram entregues antes da queda do Xá e da consequente mudança de governo. Uma delas foi perdida num acidente e, atualmente, o KC-747 remanescente ainda opera na atual IRIAF (Islamic Republic of Iran Air Force, Força Aérea da República Islâmica do Irã).

O KC-747 iraniano trabalha com um operador com visão direta a partir de uma janela traseira na fuselagem, ao invés de uma carenagem saliente como a utilizada pelo KC-135. A Boeing executou a conversão para o Irã na expectativa de conseguir outros clientes, e gerou um pacote completo de documentação padrão de produção; no entanto, nenhum cliente se interessou.


01-FoxTwo.pl_Leszek_Kujawski_KISH-Iran-18_15
O KC-747 iraniano com dois F-14 Tomcat e três F-4 Phantom (Foto: Leszek Kujawski/Fox Two)

Acredita-se que o reabastecedor iraniano seja o único Boeing 747 da série -100 ainda em operação. Na última semana de novembro de 2018, na 9ª edição do Iran International Air Show (o Kish Air Show), empresas iranianas e estrangeiras apresentaram seus produtos e tecnologias. Embora seja um evento eminentemente do setor civil, houveram exibições de jatos militares da IRIAF e da Guarda Revolucionária Islâmica. O evento proporcionou a oportunidade única de ver não apenas o KC-747, mas também algumas aeronaves iranianas da mesma época ainda em operação.


02-FoxTwo.pl_Leszek_Kujawski_KISH-Iran-18_25
O KC-747 visto aqui com um F-14 Tomcat e dois F-4 Phantom (Foto: Leszek Kujawski/Fox Two)

Assista ao vídeo com imagens da época do projeto, mostrando o KC-747 em operação reabastecendo um B-52 e um SR-71:


*Imagem de capa: O Boeing KC-747 iraniano voando em formação com as aeronaves de combate F-14A Tomcat, F-4E Phantom e MiG-29 (Foto: Abedin Taherkenareh/EPA/Landov)


RECOMENDADOS PELO VELHO GENERAL

Captura de Tela 2019-05-20 às 16.30.15

Boeing 747 – A History – Delivering the Dream

  • Martin W. Bowman (Autor)
  • Em inglês
  • eBook Kindle
Captura de Tela 2019-05-20 às 16.30.35

Avião Boeing 747-200 KLM

  • Escala 1/450
  • Com tintas, pinceis e cola
  • Revell alemã
Captura de Tela 2019-05-20 às 16.30.53

Boeing 747 – 1970 onwards (all marks): An insight into owning, flying, and maintaining the iconic jumbo jet

  • Chris Wood (Autor)
  • Em inglês
  • Capa Comum

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

8 comentários

  1. É pena que sou foram entregues duas aeronaves. Fato muito curioso, não sabia dá existência desse avião na força iraniana.

  2. A IRIAF é hoje o que era a USN em 1980. Phantom e Tomcat. Dois caças icônicos. Pena que os últimos só voem lá.

  3. Pois é, o Iran… Quem diria já foi um parceiro e tanto da USA, mas pudera, era contraponto ao Iraque. Mas, a teocracia veio com tudo e consumiu o governo. Lá se vão mais de 30 anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também