A esgotada estratégia de dissuasão de Israel em relação ao Hamas

Udi Dekel Por Udi Dekel*

Publicado originalmente no INSS – The Institute for National Security Studies (Israel) – INSS Insight em 19 de março de 2019 (Tradução: Albert Caballé Marimón)


2019-03-01T141147Z_1314982079_RC1EBA509560_RTRMADP_3_ISRAEL-PALESTINIANS-PROTESTS-min

Imagem: Ibraheem Abu Mustafa/Reuters


Os dois foguetes Fajr / M-75 disparados contra Tel Aviv na noite de 14 de março de 2019 apanharam o aparato de segurança israelense – bem como o escalão político – com total surpresa. Embora a escalada com o Hamas antes das próximas eleições do Knesset em 9 de abril seja considerada uma possibilidade distinta (também porque já se passou um ano desde o início dos eventos da Marcha de Retorno, assim como os incidentes que se seguiram na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza), os foguetes foram disparados no meio dos esforços egípcios de mediação entre o Hamas e Israel sobre a implementação do próximo estágio de entendimentos: aquietar a segurança na frente israelense em troca de flexibilização nas restrições à importação e exportação de mercadorias para e da Faixa de Gaza, e progresso em projetos de infraestrutura para melhorar a qualidade de vida. Por isso, não está claro quem decidiu se arriscar lançando armas estratégicas contra a grande área de Tel Aviv, e por que agora.

Todas as entidades armadas na Faixa de Gaza negaram imediatamente a responsabilidade. Apenas duas organizações – o Hamas e a Jihad Islâmica – têm capacidade para lançar foguetes com alcance de 75 km (ou seja, Fajr ou M-75). A Jihad Islâmica geralmente opera de forma independente, embora às vezes seja dirigida pela Força Quds do Irã. No entanto, a sua negação é crível, porque a responsabilidade pelo foguete serviria à imagem beligerante que gosta de projetar. O Hamas também foi circunspecto. Inicialmente, negou o lançamento dos foguetes, mas depois que a IDF revelou que foi um incidente do Hamas, a versão oficial mudou: agora eles disseram que o lançamento foi resultado de um comando ou contratempo técnico (Yahya Sinwar, líder do Hamas no Faixa de Gaza, transmitiu uma mensagem à delegação egípcia de que os foguetes foram lançados por engano durante a manutenção). A liderança do Hamas entende que Israel gostaria de evitar uma escalada, pelo menos até a eleição, e está, portanto, preparada para elevar o limite de risco. Ainda assim, o lançamento de foguetes destinados a Tel Aviv é um perigoso desvio das regras do jogo tacitamente formuladas pelos lados neste momento.

Duas explicações para o que está por trás do lançamento vêm à mente. De acordo com a primeira explicação, o lançamento foi, de fato, não intencional, ocorrendo por causa de um erro na cadeia de comando do Hamas, ou, menos provavelmente, uma falha de manutenção do foguete. O lançamento ocorreu enquanto os líderes do Hamas estavam conversando com a delegação egípcia sobre a obtenção de maior calma e desafiando a tendência para uma maior tranquilidade que havia marcado na semana anterior (como resultado da pressão egípcia, os protestos noturnos ao longo da cerca foram suspensos e menos balões incendiários foram enviados através da fronteira). Israel concordou em cooperar com o esforço para alcançar um longo período de tranquilidade, para além do período eleitoral; a falta de vontade do governo de ir à guerra em Gaza é totalmente clara. O objetivo de Israel é coincidir com a lógica estratégica do Hamas, que diz que é melhor lutar pela estabilidade, reconstrução e maior atividade econômica de Gaza, enquanto simultaneamente busca uma estratégia operacional de escalada controlada e tomada de risco na mesma proporção de Israel. Essa aparente dualidade talvez reflita a tensão dentro das fileiras da organização, especificamente entre a liderança política, que busca um arranjo, e o ramo militar, que acredita que o Hamas atingirá seus objetivos somente através da força.

De acordo com a segunda explicação, e contrariamente aos anúncios do Hamas e da IDF, o lançamento foi intencional. É difícil acreditar que um lançamento estratégico de foguetes ocorreu sem que os líderes da organização soubessem e sem sua supervisão, se não iniciativa. O Hamas é suspeito de ter lançadores prontos para disparar a qualquer momento, e a organização é conhecida por usar o fogo como uma ferramenta para administrar as negociações com Israel mediadas pelo Egito. Um incidente semelhante ocorreu em outubro de 2018, quando agentes do Hamas dispararam dois foguetes, um em Beer Sheva e outro no centro de Israel, pouco antes do fim do ultimato de Sinwar sobre o levantamento do bloqueio na Faixa de Gaza. Outro catalisador para o lançamento poderia ser as manifestações generalizadas dos habitantes do campo de refugiados contra o custo de vida e a pobreza desenfreada – manifestações de fúria que surgiram sem aviso prévio e foram violentamente reprimidas pelo Hamas. Pode ser que o Hamas tenha escolhido desviar a atenção do público para Israel.

Enquanto o IDF e o establishment de defesa avaliaram que o lançamento na grande Tel Aviv foi um erro (eles confiaram no relatório de Sinwar para o Egito?), A resposta militar deixou claro que Israel considera o Hamas como responsável por tudo o que acontece na Faixa de Gaza. De acordo com o porta-voz do IDF, a IAF atacou centenas de alvos do Hamas na Faixa de Gaza poucas horas após o lançamento, incluindo os escritórios da sede do Hamas na Cisjordânia, localizados no bairro de Rimal, no centro da Cidade de Gaza; um local subterrâneo de fabricação de foguetes operacionais; um posto avançado da força naval do Hamas; um complexo de treinamento militar que também é o centro dos UAVs do Hamas na parte sul da Faixa de Gaza; além de outros postos avançados e infraestruturas subterrâneas.

No dia seguinte, após os ataques das IDF e os esforços de paz do Egito, a Suprema Autoridade Nacional, que coordena as atividades de todas as facções na Faixa de Gaza, decidiu parar os ataques a Israel e suspender as marchas semanais de sexta-feira ao longo da fronteira. O porta-voz da Jihad Islâmica Daoud Shahab deixou claro que as facções palestinas e os egípcios estiveram em contato durante a noite, que as facções receberam bem os esforços egípcios para instituir um cessar-fogo e que eles estavam comprometidos a observá-lo enquanto Israel “cessar sua agressão.”

O Egito, tendo assumido a responsabilidade de manter a paz, esteve no último ano envolvido na mediação entre Israel e o Hamas, e entre as organizações palestinas. Desta vez também, conseguiu conter uma escalada. O Cairo está agindo em coordenação com o emissário da ONU Nikolay Mladenov e com Jason Greenblatt, o enviado dos EUA ao Oriente Médio, a fim de demonstrar à administração sua importância crítica na arena e fazer uma declaração regional. Parece que o Egito prometeu ao governo dos Estados Unidos (e talvez também a Israel) impedir uma erupção de violência na fronteira entre Israel e Gaza antes da eleição.

AVALIAÇÃO

Tanto o lançamento do foguete quanto a resposta israelense são mais uma prova de que o Hamas continua sua política de desafio enquanto controla a escalada e dita as regras do jogo com Israel. Isso significa que a política de dissuasão de Israel em relação ao Hamas e às outras organizações ativas na Faixa de Gaza foi corroída. Os eventos mais recentes ressaltam que, enquanto a liderança da organização se sentir ameaçada ou pressionada, mesmo que a fonte seja interna/populista, ela optará pelo desafio violento contra Israel, sabendo que Israel não tenta colapsa-la ou destruir suas capacidades militares. As operações das IDF na Faixa de Gaza, que sempre procuraram fortalecer a dissuasão de Israel, tiveram um efeito limitado, se tiveram algum. Portanto, Israel deve empreender uma reavaliação profunda de seus padrões de ação.

A atual política de Israel, que deseja conter a escalada facilitando a aproximação e fortalecendo a dissuasão, não consegue lidar com os problemas fundamentais da área. A Faixa de Gaza está passando por uma crise humanitária de longa data, sem esperança de reconstrução; é governada pelo Hamas, elemento radical que exerce atividades terroristas contra Israel; e as chances de que a Autoridade Palestina recupere o controle de Gaza estão diminuindo rapidamente. Para resolver esses problemas, Israel pode adotar uma de duas abordagens radicais.

Uma abordagem é conceder reconhecimento oficial ao regime do Hamas na Faixa de Gaza e cortar a conexão da área com a Cisjordânia. Consequentemente, o bloqueio naval seria levantado e a região aberta ao mundo exterior, não por meio de Israel. A rota preferida dentro e fora da Faixa de Gaza seria o Egito. Para suavizar a resistência do Cairo, seria necessário oferecer ampla ajuda internacional e iniciar projetos econômicos na parte norte da península do Sinai, que serviriam tanto ao Egito quanto à população de Gaza. Se a rota egípcia permanecer fechada, Israel será forçado a permitir que a construção de um porto em Gaza seja operada por um aparato internacional com passagem de mercadorias através de um porto de trânsito em Chipre ou El-Arish, onde as verificações de segurança seriam realizadas para reduzir o risco de contrabando de armas.

A segunda opção é um confronto militar para desmantelar a ala militar do Hamas e outras organizações terroristas na Faixa de Gaza. Isso exigiria uma operação longa e extensa que incluísse tanto manobras terrestres no interior da Faixa quanto ataques severos a infraestruturas militares na região, incluindo caças, armas, túneis, locais de fabricação e armazenamento e postos avançados de comando e controle. O objetivo de tal campanha seria triplo: eliminar a capacidade do Hamas de chantagear e prejudicar Israel, a ponto de seu governo entrar em colapso; realizar e entranhar a demanda de Israel de desarmar as áreas palestinas com capacidades terroristas e militares que ameaçam Israel, o que neste momento se aplica apenas às áreas controladas pela AP na Cisjordânia; e criar as condições para restaurar o controle da Faixa de Gaza para a AP e promover um movimento político (no espírito do plano de paz de Trump) que inclua amplos recursos para reconstruir a Faixa. Se a AP inicialmente se recusar a aceitar a responsabilidade pela Faixa de Gaza, seria necessário estabelecer um mecanismo internacional ou pan-árabe – um tipo de regime de tutela – para criar as condições que a AP precisaria para retornar à Faixa ou construir um mecanismo de autogoverno da população. Uma campanha militar seria necessariamente longa e resultaria em muitas baixas civis e militares em ambos os lados, e, portanto, exigiria amplo apoio público em Israel. Ao mesmo tempo, em qualquer cenário deste tipo, a IDF não deve permanecer na Faixa de Gaza, mesmo que não seja encontrado um elemento responsável por governar a área. Uma campanha militar para desmantelar as capacidades militares do Hamas criaria a infra-estrutura para um confronto subsequente (após a partida das forças da IDF), para a realização de ataques, conforme necessário, com o objetivo de desmantelar infraestruturas terroristas (como na Cisjordânia) e mudar a abordagem operacional ao terrorismo.

O governo israelense é instado a abandonar seu conceito de dissuasão contra o Hamas porque sua validade foi corroída e, ao invés disso, se esforçou para mudar sua política na Faixa de Gaza como parte de um esforço para transformar a área do zero. Para buscar qualquer opção, Israel deve mostrar a vontade e a preparação para um confronto militar em larga escala contra as capacidades militares do Hamas para mudar as regras do jogo que se enraizaram nos últimos anos. Os preparativos para uma campanha militar devem incluir a formulação de mecanismos, preferencialmente internacionais, para administrar a Faixa de Gaza após o desmantelamento das capacidades do Hamas e, talvez, o colapso de seu governo. Preparações concretas para um confronto militar contra as capacidades do Hamas e o governo mudariam os cálculos da organização. Ela não poderia mais confiar em sua apólice de seguro que facilita seu desafio violento a Israel, baseado tanto na noção de que não há substituto para seu governo quanto na relutância de Israel em se engajar numa ação militar de larga escala.


*Brig. Gen. (res.) Udi Dekel é Diretor Geral do INSS (Institute for National Security Studies – Israel). Dekel entrou no INSS em 2012, foi chefe da equipe de negociações com os palestinos no processo de Annapolis sob o governo de Olmert. Ocupou diversas posições de comando na IDF nas áreas de inteligência, planejamento estratégico e cooperação militar internacional. Seu último cargo na IDF foi chefe da Divisão de Planejamento Estratégico na Diretoria de Planejamento do Estado Maior.


RECOMENDADOS PELO VELHO GENERAL

Captura de Tela 2019-03-28 às 09.42.13

História de Israel

  • Martin Gilbert (Autor)
  • Em português
  • Capa Comum
Captura de Tela 2019-03-28 às 09.42.30

Israel: Uma história

  • Anita Shapira (Autor)
  • Em português
  • Versões eBook Kindle e Capa Comum
Captura de Tela 2019-03-28 às 09.42.45

Hamas

  • Khaled Hroub (Autor)
  • Em português
  • Capa Comum
Captura de Tela 2019-03-28 às 09.43.01

Filho do Hamas: Um relato impressionante sobre terrorismo, traição, intrigas políticas e escolhas impensáveis

  • Mosab Hassan Yousef (Autor)
  • Em português
  • Versões eBook Kindle e Capa comum

Anúncios

  3 comments for “A esgotada estratégia de dissuasão de Israel em relação ao Hamas

  1. Maus Panther
    04/04/2019 às 10:26

    Mesmo que Israel reconstrua a FG ela sempre terá problemas com os muçulmanos, até mesmo seus “aliados” como a AS e o Kuwait financiam o Hamas.

    Curtir

  2. Maus Panther
    04/04/2019 às 10:29

    Alguns sites estrangeiros comentaram a possibilidade de uma invasão do Irão, poderiam fazer o mesmo?

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: