A perspectiva estratégica da China

O presidente chinês Xi Jinping (Foto: Nicolas Asfour/Reuters).

Se um dia os EUA chegarem a enfrentar a China, será fundamental entender como o país enxerga sua posição estratégica, ou como a posição estratégica chinesa a obrigará a agir.

A ascenção da China, a hegemonia norte-americana e a Armadilha de Tucídides

A impressionante velocidade do crescimento da China e sua expansão nos campos econômico, tecnológico e militar levam inevitavelmente a um choque com os interesses dos Estados Unidos, a potência – até então – hegemônica. Com o acirramento das tensões devido à forte competição, conseguirão estes países evitar a Armadilha de Tucídides?

A disputa de EUA e China pela hegemonia global

No início dos anos 1970, sob a liderança do secretário de estado Henry Kissinger e do presidente Richard Nixon, os EUA se aproximaram da China, visando afastar o país asiático da influência da União Soviética. Desde então o Dragão vem crescendo econômica e militarmente, expandindo sua influência e agora ameaça a hegemonia dos EUA.

A tragédia anunciada de Taiwan

Deixando de lado questões políticas e atendo-se apenas a uma avaliação militar, a retomada de Taiwan pela China Continental é meramente uma questão de tempo. Este artigo mostra, de forma qualitativa, quantitativa e através de análises comparativas com outros países, que, ao longo dos anos, Taiwan vem negligenciando sua defesa, confiando de forma excessiva nas garantias de segurança dos EUA.

China encara um balanço financeiro

Tomando por base o caso recente do Alibaba/Ant Group, é difícil discernir se acontecimentos incomuns são um sinal da fraqueza ou força de Pequim. A repressão a conglomerados de tecnologia trará medo em Pequim de que seu crescente controle sobre dados e informações, que o Partido Comunista da China deseja monopolizar, se traduzirão em poder político e romperão falhas históricas regionais e socioeconômicas da China? Ou Pequim está apenas se flexionando a serviço de uma política prudente?

A República Popular da China

Este extenso e acurado ensaio demonstra que, apesar das muitas preocupações com o renascimento do “Império Russo” liderado pelo presidente Vladimir Putin, no contexto de um mundo multipolarizado que está se formando a maior ameaça à liderança dos Estados Unidos parte principalmente da China, liderada por Xi Jinping.

Os planos chineses para os próximos cinco anos

Na revisão de seu Plano Quinquenal, a China reforça a liderança de Xi Jinping, mostra que o Partido Comunista Chinês continua forte e mais uma vez demonstra que o país possui planos para executar suas estratégias. A dúvida que resta é se os seus adversários também têm planos para competir à altura.

O relatório do Pentágono sobre a China

Recente relatório anual do Pentágono sobre a China para o congresso americano analisa em profundidade as políticas, estratégias, doutrinas e meios materiais do Exército de Libertação Popular da China, e conclui que a o crescimento e a modernização chinesa já equiparam ou ultrapassam as forças armadas americanas em diversos aspectos.

Novos Submarinos e Mísseis Balísticos da Marinha Chinesa

Se em 1974 o Type 091, primeiro submarino nuclear chinês, foi motivo de chacota internacional devido a sua completa ineficiência em combate, hoje o desenvolvimento tecnológico do país surpreende o ocidente e a rápida expansão da Marinha do Exército de Libertação Popular da China preocupa os estrategistas dos EUA

Taiwan e as disputas entre os EUA e a China

Taiwan é responsável por boa parte das tensões entre os EUA e a China há vários anos. Embora Washington não mantenha relações político-diplomáticas formais com Taipé, o “Taiwan Relations Act”, lei aprovada pelo congresso americano em 1979, estabelece que os Estados Unidos devem fornecer “armas de caráter defensivo” à Ilha na mesma proporção da ameaça representada pela China.