A nova estratégia de segurança russa

Tropas aerotransportadas da Rússia desfilam em Moscou (Foto: Zhuravlevzhuravleva/Pixabay).

A nova Estratégia de Segurança da Rússia, assinada por Vladimir Putin no início deste mês, reflete as preocupações atuais dos estrategistas do país. O documento traça as “linhas vermelhas” que os russos consideram que não devem ser ultrapassadas pelo Ocidente, e preocupa o fato de não coincidirem com as linhas traçadas pela OTAN e pelos EUA.

Respostas de Putin à questões geopolíticas

Foto: Sergei Savostyanov/Tass.

A “Linha Direta” de quarta-feira com Vladimir Putin durou quase quatro horas. No evento anual de perguntas e respostas, o presidente da Rússia respondeu a 70 questões enviadas pela população do país por vários canais de comunicação. Este foi o 19ª evento desse tipo.

Putin diz que coordenação entre Rússia e China tem papel estabilizador nos assuntos globais

Foto: Alexei Nikolsky/Escritório de Informações e Imprensa Presidencial Russa.

Vladimir Putin observou que, nos últimos 20 anos, Rússia e China aumentaram significativamente sua interação na política externa, um dos principais componentes da parceria estratégica.

Vladimir Putin e Xi Jinping manterão conversações por videoconferência

Os presidentes Xi Jinping, da China, e Vladimir Putin, da Rússia (Foto: Evgenia Novozhenina/Reuters).

De acordo com porta-voz do Kremlin, as conversações estão programadas para o 20º aniversário do Tratado de Boa Vizinhança e Cooperação Amigável entre os dois países.

Com 10.000 tropas da OTAN na fronteira, Putin diz esperar que a Aliança considere propostas para reduzir tensões

O presidente da Rússia, Vladimir Putin (Foto: Alexei Nikolsky/Escritório de Imprensa Presidencial da Rússia).

Em meio a advertências do chefe de Estado-maior da Rússia de que forças avançadas da OTAN continuariam crescendo, Putin diz que “vontade política e prontidão para compromissos podem produzir um resultado positivo”.

Chefe do Estado-Maior da Rússia espera laços mais construtivos com os EUA após cúpula de Genebra

General Valery Gerasimov, chefe de Estado-Maior da Rússia (Foto: Kremlin/Moscow Times).

A cúpula Rússia-EUA, iniciada por Washington, aconteceu na cidade suíça de Genebra em 16 de junho.

Movimento de tropas russas perto da fronteira com a Ucrânia foram mencionados na cúpula Putin-Biden

Tropas da Rússia na fronteira com a Ucrânia (Foto: Getty).

“Nós, no entanto, estamos agindo em nosso próprio território”, apontou o porta-voz Dmitry Peskov, observando que exercícios com tropas e equipamentos americanos estavam ocorrendo ao longo das fronteiras da Rússia.

O que significa voltar a aderir à Europa?

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltemberg, participam da cúpula da OTAN, em Bruxelas (Foto: Reuters).

“A UE parece relutante em iniciar ações de longo alcance contra a China, preferindo ações mais modestas e menos arriscadas … A clareza da missão da OTAN na Guerra Fria já não existe. Em uma questão fundamental para os Estados Unidos, retornar à Europa traz retornos mínimos.”

Respeito mútuo, mas sem amizade no encontro entre Biden e Putin em Genebra

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, encontra-se com seu homólogo russo, Vladimir Putin, em Villa la Grange, Genebra, em 16 de junho de 2021 (Foto: Denis Balibouse/AFP).

Segundo um analista, a reunião talvez não pudesse ter sido muito melhor, mas certamente poderia ter sido muito pior. Se na Guerra Fria líderes americanos e soviéticos assinavam acordos sobre grandes questões, Biden e Putin nunca esperaram grandes avanços em Genebra.