Radar Semanal 05/03/2021

Neste radar, as perspectivas da ASEAN em relação ao gole em Mianmar; o aumento do orçamento de defesa chinês preocupa a Índia; após sanções contra funcionários russos, Moscou alerta Washington; lançador Patriot poderá disparar mísseis israelenses SkyCeptor; Rússia retoma projeto de míssil ar-ar de curto alcance; e uma análise do South China Morning Post sobre as políticas para fortalecimento das cadeias de abastecimento americanas de Biden.

Lei moral e grandeza nacional

O respeito a um código de valores morais e cívicos é um dos alicerces das nações. Esse código de valores é como se fosse uma Lei Moral, amálgama dos cidadãos entre si e do povo com sua liderança. É a base da grandeza de uma nação.

Batalha de Wizna, as “Termópilas Polonesas”: entre o mito e o fato (Parte 1)

Afoito, quase desesperado, o soldado de artilharia Seweryn Biegański pedala furiosamente pela estrada que atravessa a floresta, rumando na direção de Góra Strękowa, 36 km ao sul. Ele saiu do Forte Osowiec, cidadela que se manteve inexpugnável por seis meses e meio na I Guerra e não foi tomada pelos alemães nem mesmo com o uso de armas químicas. Tem pressa e precisa ter mesmo. É manhã de 10 de setembro de 1939, décimo dia da invasão alemã à Polônia, e Biegański leva uma mensagem ao capitão Władysław Raginis, comandante do setor Wizna.

O avanço globalista na civilização ocidental

As ideias e conceitos do Globalismo vem avançando no Ocidente, entrando em choque com os valores do Conservadorismo. Este artigo apresenta uma análise através da metodologia Global Business Network para avaliar fatores-chave de ambas as correntes de pensamento, procurando identificar os possíveis cenários que podem surgir a partir deste confronto.

Diagnóstico da (in)segurança

A população não se atém às estatísticas do crime e sim aos fatos que geram a sensação de insegurança e reforçam o medo concreto. É imperativo que a lei penal brasileira seja menos benevolente com criminosos, deixando de conceder benefícios e regimes carcerários alternativos. Diante do clima de insegurança, medo e descrédito nas instituições responsáveis pela segurança da população, tem surgido soluções imediatistas que não resolvem os problemas.

Obama, Trump e Biden: consistência na política externa

Embora se espere que a política externa dos Estados Unidos sob a próxima administração Biden se afaste de alguns dos princípios-chave da política do presidente Donald Trump, como o “America First”, George Friedman, analista do Geopolitical Futures, aponta para uma grande possibilidade de continuidade, especialmente no que diz respeito às relações com a China e a Rússia.

Satélites militares: Compendium

O reconhecimento por satélites afetou profundamente a Guerra Fria, mas era uma atividade realizada sob tanto sigilo que suas contribuições para a estabilidade internacional durante esse período não foram amplamente divulgadas. A compilação Satélites militares: Compendium, de autoria de Junior Miranda, que ora disponibilizamos para download, procura fornecer um painel geral sobre os projetos espaciais militares de alguns países nas últimas décadas.

Energia nuclear no Brasil atinge nova marca mundial

Operando por 13 meses consecutivos com fator de capacidade de 99,43%, Angra 2 estabelece uma nova marca mundial de tempo de operação contínua, mostrando que o Brasil não pode se dar ao luxo de abrir mão de uma fonte energética com tal grau de segurança operacional e de garantia de fornecimento, com economicidade e impactos ambientais próximos de zero.

O que esperar da política internacional em 2021?

Se o ano de 2020 não foi fácil, os primeiros sinais de 2021 parecem mostrar que não haverá muito alívio. Em geopolítica, previsões são sempre impossíveis – e arriscadas –, mas é possível antecipar alguns assuntos que deverão manter 2021 em efervescência – e um ano de muito trabalho para os analistas de geopolítica. Definitivamente, não haverá tédio.

Bilionários, democracia e poder: Vladimir Putin e os oligarcas da Rússia

Após a queda da União Soviética, a Rússia de Boris Yeltsin foi dominada por um grupo de bilionários que ficou conhecido como “os oligarcas”. Por meio de esquemas escusos, eles acumularam fortunas gigantescas e controlaram os meios de comunicação e a economia do país. Quando ascendeu ao poder, Vladimir Putin pôs fim a essa geração de bilionários que controlavam o estado – e substituiu-os por outra, sob seu controle.