Assessor presidencial russo diz que as relações Rússia-EUA estão no nível mais baixo desde o fim da Guerra Fria

Da esquerda para a direita, o presidente russo, Vladimir Putin, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e o assessor presidencial russo Yuri Ushakov (Foto: Mikhail Metzel/Tass).

Yury Ushakov, assessor presidencial russo, disse que seria lógico prestar atenção às relações Rússia-EUA antes da cúpula bilateral que deve ocorrer em Genebra em 16 de junho.

“Erro político”: diplomata russo critica recusa dos EUA em retornar ao Tratado Open Skies

Vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Ryabkov (Foto: Sergei Bobylev/Tass).

Sergei Ryabkov considerou absurdas as tentativas dos EUA de divulgar falácias sobre as alegadas violações do tratado pela Rússia.

Lloyd Austin, Secretário de Defesa dos EUA, pede “nova visão” para defesa americana

O Secretário de Defesa americano, Lloyd Austin, cumprimenta o Chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, general Mark Milley (Foto: AP).

Austin não mencionou a China ou a Coréia do Norte, mas disse que na próxima guerra as lutas dos EUA serão muito diferentes, enfatizando promessa de Biden de colocar a diplomacia em primeiro lugar, com os militares mantendo a dissuasão.

Chefe da inteligência americana diz que a China consideraria a clareza estratégica dos EUA “desestabilizadora”

Avril Haines, Diretora de Inteligência Nacional dos EUA, posição que supervisiona todas as agências de inteligência americanas (Foto: Carolyn Kaster/AP).

Questionada sobre a reação da China ao fato de os EUA adotarem um compromisso explícito de defender Taiwan, Haines disse que isso solidificaria as percepções chinesas de que os EUA estão empenhados em restringir a ascensão da China, inclusive por meio da força militar, e provavelmente faria com que Pequim minasse agressivamente os interesses dos EUA em todo o mundo.

EUA culpa outros por fracassos e faz política com base em rumores, diz chefe de segurança russo

O Secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev (Foto: Alexei Nikolsky/Tass).

O Secretário do Conselho de Segurança da Rússia afirmou que os EUA primeiro acusam e depois forjam evidências, construindo sua política com base em rumores. Ele disse ainda que democracias não chantageiam Estados soberanos e não permitem que empresas transnacionais interfiram nas atividades do governo ou imponham seus interesses ao país ou à sociedade.

Rússia dará resposta adequada às sanções australianas, diz Ministério das Relações Exteriores

Maria Zakharova, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia (Foto: Serviço de imprensa do Ministério das Relações Exteriores da Rússia/Tass).

Zakharova ressaltou que o caminho escolhido por Canberra é o da degradação das relações russo-australianas.

As reversões de Joe Biden

Passado o período de promessas eleitorais, Joe Biden, agora empossado como o 46º presidente dos Estados Unidos, deverá lidar com a realidade das pressões sofridas pelos ocupantes da Casa Branca. Em relação à política externa, não será fácil cumprir todas as suas promessas de campanha frente às realidades que terá que enfrentar. Biden agora corre o risco de ser condenado pelo que fizer e pelo que não fizer.

Obama, Trump e Biden: consistência na política externa

Embora se espere que a política externa dos Estados Unidos sob a próxima administração Biden se afaste de alguns dos princípios-chave da política do presidente Donald Trump, como o “America First”, George Friedman, analista do Geopolitical Futures, aponta para uma grande possibilidade de continuidade, especialmente no que diz respeito às relações com a China e a Rússia.

O que esperar da política internacional em 2021?

Se o ano de 2020 não foi fácil, os primeiros sinais de 2021 parecem mostrar que não haverá muito alívio. Em geopolítica, previsões são sempre impossíveis – e arriscadas –, mas é possível antecipar alguns assuntos que deverão manter 2021 em efervescência – e um ano de muito trabalho para os analistas de geopolítica. Definitivamente, não haverá tédio.