Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Capa

George Friedman*, do Geopolitical Futures


O presidente Joe Biden assina ordens executivas na Casa Branca (Foto: Mandel Ngan/AFP via Getty Images).

Passado o período de promessas eleitorais, Joe Biden, agora empossado como o 46º presidente dos Estados Unidos, deverá lidar com a realidade das pressões sofridas pelos ocupantes da Casa Branca. Em relação à política externa, não será fácil cumprir todas as suas promessas de campanha frente às realidades que terá que enfrentar. Biden agora corre o risco de ser condenado pelo que fizer e pelo que não fizer.


Quase todos os presidentes dos EUA prometem uma nova era na política externa dos EUA. George W. Bush prometeu abolir o objetivo de construção de nações. Barack Obama prometeu fazer o mundo, e particularmente o mundo muçulmano, mais como os Estados Unidos. Donald Trump prometeu uma política externa que beneficiaria os Estados Unidos. Joe Biden está prometendo uma política externa que reverte os danos que Trump causou a todas as relações externas da América. O princípio operante é que o passado foi ruim e o futuro será bom. E para ser bom, o mau deve ser revertido.

Mas a política representa apenas o desejo dos líderes, não a realidade. Bush passou seus dois mandatos tentando construir nações no Afeganistão, Iraque e outros lugares. O jihadismo não sucumbiu aos encantos de Obama. Trump perseguia os interesses dos EUA, mas raramente definia quais eram esses interesses. Todas as intenções eram reais; o mundo simplesmente não é tão complacente.

Como exemplo de uma de suas primeiras medidas políticas, Biden anunciou na semana passada que cancelaria o oleoduto Keystone XL, um projeto de US$ 50 bilhões que vai do Canadá aos Estados Unidos. Trump aprovou o oleoduto, que os canadenses entendem razoavelmente como um negócio fechado O cancelamento deixou a província rica em petróleo de Alberta furiosa, e até mesmo o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, com quem Alberta está sempre em desacordo, condenou a decisão.

Do ponto de vista de Biden, a mudança faz sentido. Ele diz que está comprometido com as causas ambientais e vê o gasoduto como uma ameaça ao meio ambiente. No entanto, é curioso, na medida em que ele prometeu reverter as invocações de Trump de “América Primeiro”. Em outras palavras, a primeira ação significativa foi abandonar unilateralmente um acordo que é visto como crítico para o Canadá, sem dúvida um dos aliados mais próximos de Washington. O Canadá tem poucas chances de recurso, exceto talvez revisar o acordo EUA-México-Canadá sobre questões que são caras aos Estados Unidos.

Outro exemplo é o compromisso de Biden em reabrir as negociações com o Irã e ressuscitar o acordo nuclear. Trump arquivou o acordo, argumentando que ele não dava salvaguardas ou garantias contra outras ações iranianas, como operações especiais contra Israel e os países do Golfo Pérsico. Adotando uma postura mais firme, ele impôs sanções massivas que paralisaram a economia iraniana.

Será extremamente difícil para Biden voltar ao acordo anterior. Sob Trump, os EUA promoveram os Acordos de Abrahão, pelos quais diversos estados árabes sunitas reconheceram Israel formalmente, estabelecendo relações diplomáticas. A força motriz por trás desse acordo era o medo comum do Irã. Os estados árabes sunitas ao redor do Golfo eram particularmente vulneráveis ​​às maquinações iranianas; Israel luta diretamente contra proxies iranianos na Síria e no Líbano. Eles não confiavam no Irã para cumprir qualquer acordo nuclear, mesmo enfrentando ameaças não nucleares de Teerã. O retorno do tratado anterior, sem acordo sobre a cessação das ações hostis iranianas, iria contra a nova aliança.


LIVRO RECOMENDADO

Os Próximos 100 Anos: Uma previsão para o Século XXI

  • George Friedman (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

A aliança israelense-sunita remodelou radicalmente o Oriente Médio. Isso se tornou possível via Israel e os Emirados Árabes Unidos, mas os EUA, que poderiam tê-la bloqueado, a apoiaram fortemente. Qualquer tentativa de renovar o acordo nuclear com o Irã, abandonando as sanções contra Teerã sem compromissos iranianos verificáveis de reduzir o comportamento contra o qual seus adversários se opõem, são antitéticos frente a esta aliança. O Irã não concordará em renunciar aos seus interesses regionais e os membros da aliança não concordarão com nenhum tratado que ponha fim às sanções e não aumente drasticamente os controles sobre o programa nuclear do Irã. Simplificando, o acordo que o governo Obama promulgou era possível naquela época, mas não agora.

Depois, há o compromisso de Biden em reparar as relações entre a Europa e os Estados Unidos. Não está claro o que ele quer dizer com isso, além de acabar com o comportamento grosseiro nas reuniões. A única instituição transatlântica significativa que existe é a OTAN. Os EUA têm um acordo com outros membros da OTAN que cada um manteria orçamentos de defesa iguais a 2% de seu produto interno bruto. Os EUA têm feito isso historicamente; a maioria das nações europeias não. Uma relação melhor inclui capitular para a Europa nesta questão?

Mais importante é a questão de saber com o que exatamente a Europa e os EUA estão se reconciliando. O Reino Unido não faz mais parte da União Europeia e está pedindo um acordo de livre comércio com os Estados Unidos. O compromisso de Biden com a Europa inclui este importante aliado dos EUA? Isso pode alienar outros membros da UE. Melhores relações incluem concordar com a posição da Europa sobre impostos digitais? Talvez sim, talvez não. Bruxelas está ameaçando a Polônia (e a Hungria) com sanções pelo que considera violações do Estado de Direito. Como isso afetará as tropas americanas estacionadas lá?

Os Estados Unidos e a Europa têm relações íntimas desde o fim da Segunda Guerra Mundial. A coalizão foi construída em parte sob a ameaça soviética. Nos 30 anos desde a queda da União Soviética, a Europa mudou, tornando-se mais provinciana, administrando seu sistema econômico e tratando as questões militares como secundárias. Se essas são as suas prioridades, o que significa ressuscitar as relações com a Europa? O que os Estados Unidos querem da Europa e o que a Europa dará em troca? E o que exatamente é a Europa sem Reino Unido, ou se a Polônia (e a Hungria) estiverem sob ameaça pelo bloco ao qual aderiram voluntariamente?

Biden prometeu relações novas e cooperativas com o resto do mundo. É fácil para um candidato prometer fazer apenas as coisas que todos gostam, mas é muito mais difícil para um presidente realmente fazê-las. Biden está cercado por funcionários com fortes laços com velhas políticas que não se adaptam mais à ordem mundial atual, a ideólogos que querem ações a qualquer custo e às realidades mutantes que não combinam com nenhuma dessas duas alternativas. A lua de mel dos presidentes termina rapidamente. Biden não é diferente. Ele fez muitas promessas, não será capaz de cumpri-las e será condenado pelas promessas que cumprir e pelas que não cumprir.


*George Friedman é analista geopolítico e estrategista de assuntos internacionais mundialmente reconhecido. É fundador e presidente da Geopolitical Futures, um think tank especializado em relações internacionais e política externa americana. É autor de diversas obras, dentre as quais os best-sellers “Os próximos 100 anos” e “A próxima década”.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a ChinaCurso de InteligênciaCurso sobre a RússiaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também