Radar Semanal 16/07/21

O ex-vice presidente dos EUA, Mike Pence (Foto: Erin Granzow).

Hoje no Radar, um artigo aborda os desafios da modernização da tríade nuclear dos EUA; a recente implantação de 16 aeronaves da força aérea chinesa próximo ao espaço aéreo da Malásia pode sugerir uma nova tática para a China afirmar suas reivindicações sobre o Mar do Sul da China; O ex-vice-presidente americano Mike Pence ingressou na The Heritage Foundation fazendo um forte discurso anti-China, que traduzimos nesta edição; O compromisso da Turquia de proteger o aeroporto de Cabul é arriscado, mas pode trazer recompensas estratégicas significativas.

Democratas querem gastar mais do que Biden na aquisição de armas

O contratorpedeiro americano USS John S. McCain com navios da Marinha Real Australiana e da Força de Autodefesa Marítima do Japão no Mar do Sul da China para um exercícios em 19 de outubro de 2020 (Foto: US Navy).

A legislação provavelmente desencadeará debate partidário, como pontos o fechamento de Guantánamo, a exigência de pagamento de salário mínimo pelas empreiteiras de defesa, e a negativa de apoio às operações militares ofensivas no Iêmen.

Radar Semanal 25/06/21

O Secretário-geral do Partido Comunista da China, Xi Jinping (Foto: Pavel Golovkin/AFP).

Nesta edição do Radar: artigo avalia a atuação de Xi Jinping à frente do PCCh; uma avaliação do orçamento americano para 2022, que mostraria que Biden não prioriza a Defesa; uma análise do porque a OTAN falhou no Afeganistão; e a evolução dos exercícios conjuntos sino-russos, no que parece se encaminhar para uma aliança militar.

Grã-Bretanha poderia desacelerar suas compras de F-35

F-35B Lightning II conduzindo testes a bordo do porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth, em 13 de outubro de 2018 (Foto: Royal Navy).

A Grã-Bretanha havia dito que compraria 138 jatos, mas recentemente se tornou vaga sobre quando e quantos caças acabará comprando.

US Navy divulga plano de construção naval que descarta os 355 navios e redefine prioridades

O navio de assalto anfíbio USS America navega com o navio de combate litorâneo USS Gabrielle Giffords em 13 de março de 2020, no Mar do Sul da China (Foto: US Navy).

O novo documento da US Navy apresenta o planejamento de construção para uma frota que pode variar de 321 até 372 navios tripulados.

China denuncia comunicado da OTAN e defende política de gastos militares

Soldados do Exército de Libertação Popular da China em treinamento militar nas montanhas Pamir em Kashgar, noroeste da China, região de Xinjiang (Foto: AFP/Getty Images).

Missão chinesa na UE disse que os gastos militares de Pequim são muito menores do que os de membros da OTAN e acusou a aliança de conjurar uma ameaça militar chinesa para justificar sua própria agenda.

Memorando revela que a US Navy deve escolher entre futuro destroier, caça ou submarino para o plano do Ano Fiscal 2023

A US Navy prevê uma ala aérea mista de aeronaves Super Hornet de quarta geração e F-35 de quinta geração em 2030 (Foto: US Navy).

Memorando diz que a US Navy não pode se dar ao luxo de desenvolver simultaneamente a próxima geração de plataformas aéreas, de superfície e submarinas, e deve priorizar os programas de forma a equilibrar os custos de desenvolvimento de novas capacidades com a manutenção das atuais.

Marinha dos EUA cria escritório do programa DDG (X) após anos de atrasos para substituição de grandes combatentes

O destroier USS Pinckney (DDG 91), à frente, e o navio de combate litorâneo USS Omaha (Foto: Alex Corona/US Navy).

A US Navy cancelou um programa de substituição do cruzador em 2010 porque os custos cresceram para muito além do que podia pagar, e adotou uma abordagem que incluiria um grande e um pequeno combatentes tripulados e um grande e médio combatentes não tripulados.

Se o congresso americano puder encontrar dinheiro, a Marinha dos EUA gostaria de outro novo destroier este ano

Guindastes erguem o convés de popa de 320 toneladas do destroier USS Jack H. Lucas (DDG 125), no estaleiro Ingalls Shipbuilding em Pascagoula, Mississippi (Foto: Lance Davis/HII).

O pedido de orçamento da US Navy incluía apenas um destroier. Mas um segundo documento diz que é necessário mais um para cumprir obrigações contratuais com os estaleiros.

Os gastos mundiais com Defesa continuam crescendo, apesar da pandemia

Imagem: Military Mortgage Center.

As grandes potências militares enxergam motivos suficientes para ampliarem seus gastos militares, mesmo em meio a uma conjuntura tão adversa advinda da pandemia mundial. Os motivos estão todos os dias nas manchetes dos jornais, com a competição geopolítica sendo travada à luz do dia. O Brasil, mesmo geograficamente distante das principais disputas globais, também não pode escapar dos efeitos dessa realidade.