Nas monarquias árabes, o absolutismo pode estar diminuindo

As oito monarquias do mundo árabe estão entre as últimas monarquias absolutistas remanescentes na Terra. Em alguns aspectos, eles se mostraram surpreendentemente duráveis. Em comparação com as repúblicas árabes, Jordânia, Marrocos e os seis países do GCC (Gulf Cooperation Council, Conselho de Cooperação do Golfo) – Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Omã, Qatar, Bahrein e Kuwait – escaparam dos levantes da Primavera Árabe relativamente imperturbáveis. Mas alguns dos reinos árabes também estão enfrentando novos desafios que ameaçam encerrar décadas de governo monárquico.

O reconhecimento árabe de Israel redefine o Oriente Médio

Os “Acordos de Abraão”, como ficaram conhecidos os tratados pelos quais diversos países árabes vêm normalizando suas relações com Israel, estão mudando a configuração do Oriente Médio. Se anteriormente era Israel que enfrentava a hostilidade unificada dos países da região, a situação se inverteu e agora o Irã parece estar se isolando.

Um ano intenso no Oriente Médio

O ano de 2020 começou com alto grau de tensão no Oriente Médio, com a morte do general Qassim Suleimani, das IRGC, pelos EUA em janeiro. Entre os vários acontecimentos que se desenvolveram desde então, Israel normalizou relações diplomáticas com diversos países árabes com mediação dos EUA de Donald Trump, surpreendendo a muitos. Israel, Arábia Saudita e Irã estão atentos à nova administração norte-americana, que, prometendo retornar ao JCPA, pode definitivamente aproximar os sauditas dos israelenses contra o Irã. No entanto, no Oriente Médio, surpresas nunca devem realmente surpreender.

Radar Semanal 04/12/2020

O novo navio de assalto chinês, uma análise sobre a capacidade de defesa da Europa sem os EUA, um relatório da atual situação da Síria, novos navios de combate da Marinha de Israel; comentários de Netanyahu sobre as acusações iranianas a respeito do assassinato do cientista nuclear, e uma liberação do Departamento de Justiça americano para venda de armamento a seis países, entre eles o Brasil.

Radar Semanal 27/11/2020

Uma análise sobre o grande acúmulo de poder pelas Big Techs, a morte de Maradona, a ONU parece começar a se mover em relação aos direitos humanos na Venezuela, as melhorias dos novos porta-aviões classe Ford em relação à classe Nimitz e uma avaliação sobre a perda de supremacia da marinha americana no Mar do Sul da China. Mas há mais!

Mudanças na geopolítica do Oriente Médio

Os “Acordos de Abraão”, como vem sendo chamados os tratados entre Israel e, até o momento, Emirados Árabes Unidos e Bahrein, com anuência da Arábia Saudita, indicam uma mudança importante na região. Palestinos, que percebem uma redução do apoio árabe à sua causa, e iranianos, que vem sendo vistos como o principal fator de risco na região, são os maiores insatisfeitos com o contexto que vem se desenhando.

Radar Semanal 18/09/2020

No Radar desta semana, entre outros assuntos, o voo do protótipo do caça de 6ª geração da USAF, e uma análise das relações EUA-India em meio ao aumento das tensões com a China; a Foreign Policy trata das ambições da França no Oriente Médio, e a Gazeta do Povo avalia a visita de Mike Pompeo à fronteira Brasil-Venezuela. Uma visão dos interesses dos EUA na África pelo American Security Project, e uma atualização da situação na Bielorrússia pelo ISW.

O Mossad, o Irã e o acordo entre Israel e os Emirados Árabes Unidos

O anúncio do acordo que estabelece relações diplomáticas entre Israel e os Emirados Árabes Unidos ocorre na sequência de vários anos de colaboração discreta e indica preocupação com o Irã, que ambos os países veem como adversário.