Guerra na Ucrânia: um apelo à paz

Compartilhe:
O presidente russo, Vladimir Putin, visita sua sede de campanha a eleição presidencial em Moscou, Rússia, domingo, 17 de março de 2024 (Mikhail Metzel/Sputnik via AP).

O presidente russo, Vladimir Putin, visita sua sede de campanha a eleição presidencial em Moscou, Rússia, domingo, 17 de março de 2024 (Mikhail Metzel/Sputnik via AP).

O aventureirismo ocidental aumenta o risco de incidentes que podem levar a um confronto direto com a Rússia, sem no entanto reverter a sorte de Kiev.


À medida em que a guerra na Ucrânia ultrapassa o seu segundo aniversário, o Parlamento Europeu e as eleições presidenciais dos EUA estão no horizonte.

A opinião pública europeia deveria ser capaz de influenciar mais sua classe dominante, para que o apoio à Ucrânia não seja realizado em detrimento dos interesses nacionais dos parceiros da UE. Os europeus parecem pessimistas quanto às possibilidades de a Ucrânia vencer a guerra, enquanto a maioria pensa que esta terminará com algum tipo de acordo.

Ficariam desapontados se Donald Trump fosse reeleito, e muitos acreditam que sua vitória também poderia ser uma vitória de Vladimir Putin. Na maioria dos Estados-Membros, uma pluralidade gostaria que a Europa mantivesse seu apoio atual ou o aumentasse, caso os Estados Unidos reduzissem a sua ajuda. Os líderes da Ucrânia e da Europa precisam ajustar sua linguagem e definir o significado de “paz duradoura” para evitar que Putin tire partido da fadiga da guerra.

Neste contexto, o Papa Francisco causou recentemente comoção com suas palavras claras sobre o apelo à paz no conflito russo-ucraniano. Lembrando que “negociação não é rendição”, o Santo Padre, neste caso, voltou-se sobretudo para Kiev para pensar em uma solução realista para uma guerra que agora parece estrategicamente congelada.

Outros líderes e pensadores

Não é sempre que os teóricos das relações internacionais ocupam um lugar central no discurso público sobre questões de política externa e de segurança. John Mearsheimer faz isto regularmente, embora goste de salientar que o establishment da política externa dos EUA “não o ouve” ou outros a realistas estruturais. No entanto, a análise de Mearsheimer das causas da guerra russa contra a Ucrânia atraiu a atenção muito além da academia e dos grupos de reflexão de Washington.

Seu argumento encontrou tanto detratores ferozes como apoiadores improváveis ​​em todo o espectro político. Os opositores de extrema-esquerda do imperialismo norte-americano são consolados pelas suas críticas ao alargamento da OTAN, enquanto os seguidores do republicanismo ao estilo Make America Great Again são seduzidos pelos elementos isolacionistas e “o poder faz o certo” da sua tese. Muitos apoiadores da soberania ucraniana equipararam a tese de Mearsheimer a uma forma elaborada de racionalizar o derrotismo e de fazer concessões mais aceitáveis; em essência, forçar um acordo indesejado aos ucranianos que inclua o reconhecimento das reivindicações russas sobre a Crimeia, possivelmente até sobre Donetsk e Lugansk.

Nas interpretações de Mearsheimer, os ucranianos são vistos não tanto como um ator-chave na tragédia que se desenrola, mas antes como uma infeliz vítima da política das grandes potências. A mesma rejeição reflexiva aplica-se a outros argumentos promovidos por representantes da realpolitik, como Henry Kissinger, ou comentaristas ancorados no alerta de George Kennan de 1997 contra a expansão da OTAN (veja https://www.politicaexterior.com/articulo/ideas-ofensivas-ucrania-mearsheimer-y-los-limites-del-realismo/).


LIVRO RECOMENDADO:

Guerra na Ucrânia: Análises e perspectivas. O conflito militar que está mudando a geopolítica mundial

• Rodolfo Laterza e Ricardo Cabral (Autores)
Pedro Silva Drummond (Editor)
• Em português
• Capa comum


Nos últimos dias, também se espalhou amplamente nas redes um vídeo do candidato presidencial Robert Kennedy, filho do senador Robert Kennedy e sobrinho do ex-presidente John F. Kennedy, denunciando a guerra na Ucrânia, que dizia: “Esta é uma guerra que nunca deveria ter acontecido, é uma guerra que os russos tentaram resolver… o principal era manter a OTAN fora da Ucrânia… os grandes empreiteiros militares (como também avisamos anteriormente – nota do autor) querem adicionar novos países à OTAN o tempo todo… Por quê? Porque desta forma aquele país tem que ajustar as suas compras militares às especificações de armas da OTAN…” e o candidato continuou dizendo: “Perguntaram a Mitch McConnell (nota do autor:político americano afiliado ao Partido Republicano que atualmente representa o estado de Kentucky no Senado e é líder da minoria republicana): podemos gastar 113 bilhões de dólares na Ucrânia?

E ele respondeu: “Não se preocupe, não se trata da Ucrânia, mas sim dos fabricantes de Defesa americanos”. Kennedy também nos diz: “Todas as terras agrícolas, o maior e único ativo importante da Europa, o celeiro da Europa, serão entregues às multinacionais”. Acrescento para finalizar: “O que você acha que eles estão fazendo com esta guerra? Eles têm uma estratégia muito antiga e a mantêm, nós em guerra uns contra os outros.

A vontade popular

Globalmente, há uma crescente propensão ocidental para fornecer armas de longo alcance que permitiriam a Kiev atacar alvos nas profundezas do território russo, aumentando os riscos de uma escalada do conflito com Moscou.

No entanto, é preciso dizer que tais armas dificilmente mudariam o destino da Ucrânia. Por exemplo, no caso alemão, Berlim poderia dispor de no máximo 100 mísseis Taurus, capazes de impactar a uma distância de 500 km. Portanto, poderiam potencialmente colocar Moscou sob ataque. Mas seu pequeno número significa que, embora a sua utilização para possíveis ataques em território russo seja extremamente provocativa, não alteraria o equilíbrio geral e, portanto, não alteraria o equilíbrio global.

Como salientaram alguns especialistas militares dos EUA, o que a Ucrânia realmente precisa é de projéteis de artilharia e de sistemas de defesa aérea contra mísseis e drones russos. Mas é precisamente este material que a indústria bélica ocidental não consegue produzir em quantidades suficientes.

O aventureirismo ocidental aumenta, portanto, o risco de incidentes que possam levar a um confronto direto com a Rússia, sem reverter a sorte de Kiev.

Para salvar a Ucrânia, seria muito mais útil procurar um compromisso e um acordo com Moscou, como também gostaria a maioria da opinião pública europeia. Mas, como sabemos, nas “democracias” ocidentais os governos raramente atuam como intérpretes da vontade das suas respectivas populações. Para exemplificar, convido o leitor a consultar a tabela de pesquisa que acompanha este artigo (Figura 1).


FIGURA 1

Não há dúvida de que o Papa Francisco conhece esta realidade. O Papa Francisco recentemente causou comoção com as suas palavras claras sobre o apelo à paz no conflito russo-ucraniano. Com suas palavras, ele lembrou a Kiev que é necessário e oportuno pensar em uma solução realista para uma guerra que agora parece estrategicamente congelada.

O Santo Padre não acredita na inevitabilidade de uma “Terceira Guerra Mundial fragmentada”, como ele definiu a soma de crises, cenários complexos e guerras locais e regionais que se multiplicaram desde que ele assumiu o trono papal em 2013. Jorge Mario Bergoglio, o papa que veio do fim do mundo, nunca teve a intenção de ser o pontífice chamado a testemunhar o fim do mundo tal como o conhecemos.

Pode-se dizer que há continuidade com João Paulo II e Bento XVI na frente do fortalecimento da doutrina social da Igreja, na crítica aos excessos da globalização e na defesa de um mundo pacífico baseado no diálogo e no respeito entre as pessoas.

O pontífice pediu a Vladimir Putin que “detenha, mesmo que apenas por amor ao seu povo, esta espiral de violência e morte”; e a Volodymyr Zelensky, a “estar aberto a propostas de paz sérias”; e a todos os “protagonistas da vida internacional e aos líderes políticos das nações”, com referência implícita aos Estados Unidos e à China, “a fazerem tudo o que estiver ao seu alcance para acabar com a guerra em curso.” Palavras claras, que só uma simplificação excessiva poderia levar-nos a ignorar.

Publicado no La Prensa.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

V-UnitV-UnitPublicidade
AmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também