Guerra Europeia: tropas russas avançam

Compartilhe:
Um soldado de infantaria ucraniano da 110ª Brigada posa para uma foto em Avdeevka, região de Donetsk, Ucrânia (Viktor Biliak/Associated Press).

Um soldado de infantaria ucraniano da 110ª Brigada posa para uma foto em Avdeevka, região de Donetsk, Ucrânia (Viktor Biliak/Associated Press).

Um dos efeitos da Guerra na Ucrânia é que, aparentemente, a política na Europa é feita pela OTAN, enquanto a União Europeia procura fazer negócios.


Quase três semanas depois da conquista russa de Avdeevka, no leste da Ucrânia, prosseguem intensos combates na frente oriental. Desde então, as tropas russas continuaram a avançar na região e o Exército ucraniano tem lutado para estabilizar a frente ocidental da cidade.

O Exército ucraniano já teve que retirar-se de duas cidades menores, pelo que está perdendo mais território. No entanto, de acordo com o comandante-em-chefe ucraniano Stanislavovych Syrskyi, as tropas russas conseguiram ser expulsas de Horlivka. A Ucrânia também relata a derrubada de três caças-bombardeiros Su-34 russos. Na semana passada, os militares ucranianos anunciaram que a Rússia tinha perdido seis caças em três dias.

O Parlamento da UE está agora pressionando para que os mísseis de cruzeiro Taurus sejam entregues à Ucrânia. Em uma resolução juridicamente não vinculativa, a maioria votou a favor. O chanceler Olaf Scholz já havia se manifestado contra a entrega do referido míssil.

Em seu discurso anual do Estado da União, o presidente russo Vladimir Putin acusou o Ocidente de criar um risco de conflito nuclear. Ele alertou contra o envio de tropas ocidentais para a Ucrânia: as consequências de tal medida seriam trágicas e a Rússia possui armas que também poderiam atingir alvos em território ocidental, disse Putin.

Munição e pessoal

Poderá a Ucrânia impedir o avanço russo? Do que Kiev precisa para deter este avanço?

O Exército ucraniano continua a se queixar da falta de munições e de pessoal. O presidente Volodymyr Zelensky criticou o apoio insuficiente do Ocidente e o desvio das entregas reais de armas relativamente às prometidas: por exemplo, menos de um terço dos projéteis de artilharia prometidos pela UE foram entregues até agora. Falta equipamento militar e munições para continuar a defender-se dos ataques russos na frente. Além da alarmante falta de recursos humanos, ou seja: falta de tropas.

O Senado dos EUA aprovou um pacote de ajuda de bilhões de dólares para a Ucrânia em meados de fevereiro, mas a Câmara dos Representantes, dominada pelos republicanos, continua a bloquear o pacote. Os fundos do último pacote de ajuda dos EUA, do final de 2023, estão quase esgotados.

Na cúpula da Ucrânia em Paris, a República Tcheca anunciou que iria entregar 800.000 projéteis de artilharia. Até agora, 15 países indicaram que pretendem apoiar financeiramente o projeto. Os chefes de governo dos Países Baixos e da Bélgica confirmaram recentemente que disponibilizariam 100 milhões de euros e 200 milhões de euros, respectivamente.

Sem perspectiva de saída

O problema substancial permanece: quanto tempo pode durar uma crise ucraniana que parece não ter saída? Este debate vai além do próximo passo na legitimação do trabalho das forças especiais que responsáveis ​​anônimos da defesa europeia falaram ao Financial Times. E refere-se ao caráter instrumental dos objetivos em nome dos quais a guerra na Ucrânia continua depois de estar praticamente morta do ponto de vista estratégico.

É do interesse da Rússia manter sua população e seu sistema econômico mobilizados para testar a sua resistência e resiliência; Washington e Londres têm o firme objetivo de romper o eixo russo-europeu, mas não transferir o centro de gravidade da União Europeia para os fiéis gendarmes atlânticos da nova Europa.

Paris e Berlim permanecem no meio, cujo eixo foi seriamente ameaçado pela tempestade de dois anos na Ucrânia, mas as ambições de centralidade permanecem inalteradas. E com sua discussão acalorada sobre o apoio à Ucrânia, Emmanuel Macron e Olaf Scholz revelam as ambições das principais potências europeias, para cujos governos, talvez deva ser admitido, a pacificação parece menos conveniente politicamente do que foi nos primeiros dois anos de guerra. Interesses e mais interesses…


LIVRO RECOMENDADO:

Guerra na Ucrânia: Análises e perspectivas. O conflito militar que está mudando a geopolítica mundial

• Rodolfo Laterza e Ricardo Cabral (Autores)
Pedro Silva Drummond (Editor)
• Em português
• Capa comum


Enquanto isso, os fantasmas invisíveis continuam na Ucrânia. Eu já havia comentado em 8 de maio de 2022 em um artigo no La Prensa que: “A guerra na Ucrânia pode ser analisada seguindo dois fios diferentes, mas entrelaçados. Podemos afirmar com certeza que o segundo destes aspectos influencia fortemente o primeiro. De que estamos falando? Se na superfície é mais ou menos visível – apesar do efeito distorcido da inevitável propaganda cruzada e da ‘névoa da guerra’ – o conflito bélico nu e cru, composto de bombas, avanços, combates e batalhas, no fundo há outro conflito liderado pela inteligência e outras forças não tão visíveis.

Um conflito, este último, travado na ponta dos dedos pelos serviços secretos ocidentais, muito ativos desde o início das hostilidades para fornecer a Volodymyr Zelensky indicações e sugestões vitais que permitam a Kiev conter o avanço do Exército russo. Mas isso não é tudo, porque as forças especiais estrangeiras também estão ativas apoiando os ucranianos em sua resistência contra Moscou – como a alegada presença de membros pertencentes ao SAS – que atuam sob a proteção de empresas contratantes. E a mesma coisa acontece do lado russo, à sua maneira.”

Isto foi renovado hoje em dia em alguns meios de comunicação ocidentais através do seguinte anúncio: “A Alemanha inicia uma investigação sobre as conversas que vazaram sobre o ataque à ponte da Crimeia”. A primeira reação de Berlim às recentes revelações de que generais alemães discutiram ajudar a Ucrânia a atacar a Rússia foi lançar uma investigação sobre a forma como a gravação foi divulgada.

A editora-chefe da RT, Margarita Simonyan, publicou pela primeira vez uma transcrição da conversa entre oficiais superiores da Luftwaffe discutindo o assunto, seguida por uma gravação de áudio de 38 minutos. “Estamos verificando se as comunicações dentro da Força Aérea foram interceptadas”, disse um porta-voz do Ministério da Defesa alemão ao Bild. “Não podemos dizer nada sobre o conteúdo das comunicações que aparentemente foram interceptadas.” O Escritório Federal de Contraespionagem Militar (BAMAD) “iniciou todas as medidas necessárias”, disse o ministério em resposta a uma investigação da agência de notícias estatal DPA.

Entretanto, a Bundeswehr também recorreu à censura. Várias contas no X (antigo Twitter) que distribuíam a gravação foram bloqueadas na Alemanha na noite de sexta-feira. O Bild afirmou que “parece óbvio” que espiões russos “ou um de seus associados” estavam por trás da gravação.

O áudio de 38 minutos é datado de 19 de fevereiro e apresenta quatro oficiais superiores da Força Aérea Alemã (Luftwaffe).

As autoridades levantaram a hipótese de que a Alemanha enviaria até 50 mísseis Taurus de longo alcance para a Ucrânia e as formas pelas quais a Luftwaffe poderia fornecer aos ucranianos informações de direcionamento sem parecer estar diretamente envolvida no conflito com a Rússia.

Eles também notaram a obsessão dos ucranianos em atacar a Ponte do Estreito de Kerch, observando que sua importância era principalmente política e não militar. A certa altura, o tenente-general Ingo Gerhartz, inspetor-geral da Luftwaffe, admitiu que os mísseis “não mudarão o curso da guerra”, enquanto outro oficial expressou dúvidas de que mesmo 20 ataques de Taurus pudessem destruir a ponte.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros e o Parlamento russos anunciaram que exigirão uma explicação de Berlim. O governo do chanceler Olaf Scholz não comentou oficialmente a ligação interceptada.

“A guerra é a continuação da política por outros meios”, nos diz Clausewitz, mas na UE parece que não existe um objetivo claro e é assim que a guerra acontece para a pobre Ucrânia, aos trancos e barrancos…

É cada vez mais claro que existe um fosso entre os líderes da beligerante e hiperatlântica União Europeia e muitos governos nacionais. Macron continua a sonhar com o exército europeu, Scholz teme uma escalada, a Polônia quer um Exército nacional forte, a República Checa e a Hungria dissociam-se sempre que podem, nos Países Baixos o governo não é criado para não ter que entregá-lo a um Geert Wilders pró-Rússia, a Finlândia pede aos EUA que enviem fuzileiros navais, os países bálticos atuam como provocadores convencidos de que a Aliança Atlântica lhes proporcionará imunidade. É um dos muitos efeitos desta guerra. A política na Europa é feita pela OTAN. A UE tenta fazer negócios…


Publicado em La Prensa.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

V-UnitV-UnitPublicidade
AmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também