A volta da guerra industrial

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Bublik Polina/Adobe Stock.

Bublik Polina/Adobe Stock.

O conflito na Ucrânia mostra que uma guerra entre adversários com paridade exige uma capacidade industrial tecnicamente avançada e com grande escala, que o Ocidente não parece possuir.


O Ocidente ainda pode fornecer o arsenal da democracia?

A guerra na Ucrânia provou que a era da guerra industrial ainda está presente. O consumo maciço de equipamentos, veículos e munições exige uma base industrial em larga escala para reabastecimento – a quantidade ainda tem uma qualidade própria. O combate em massa colocou 250.000 soldados ucranianos, juntamente com 450.000 soldados-cidadãos recentemente mobilizados contra cerca de 200.000 soldados russos e separatistas. O esforço para armar, alimentar e abastecer esses exércitos é uma tarefa monumental.

O reabastecimento de munição é particularmente oneroso. Para a Ucrânia, compondo essa tarefa, estão as capacidades russas de fogo de profundidade, que visam a indústria militar ucraniana e as redes de transporte em toda a extensão do país. O exército russo também sofreu ataques transfronteiriços ucranianos e atos de sabotagem, mas em menor escala. A taxa de consumo de munições e equipamentos na Ucrânia só pode ser sustentada por uma base industrial em grande escala.

Essa realidade deve ser um alerta concreto para os países ocidentais, que reduziram a capacidade industrial militar e sacrificaram escala e eficácia pela eficiência. Essa estratégia baseia-se em suposições equivocadas sobre o futuro da guerra e foi influenciada tanto pela cultura burocrática dos governos ocidentais quanto pelo legado de conflitos de baixa intensidade. Atualmente, o Ocidente pode não ter capacidade industrial para travar uma guerra em grande escala. Se o governo dos Estados Unidos planeja se tornar novamente o arsenal da democracia, as capacidades existentes da base militar-industrial dos EUA e as premissas centrais que impulsionaram seu desenvolvimento precisam ser reexaminadas.

Estimando o consumo de munição

Não há dados exatos de consumo de munição disponíveis para o conflito Rússia-Ucrânia. Nenhum governo publica dados, mas uma estimativa do consumo de munição russa pode ser calculada usando os dados oficiais das missões de fogo fornecidos pelo Ministério da Defesa russo em seu briefing diário.


TABELA 1: Número diário de missões de fogo russo, 19-31 de maio.

Embora esses números misturem foguetes táticos com artilharia convencional, não é razoável supor que um terço dessas missões foram disparados por tropas de foguetes porque formam um terço da força de artilharia de uma brigada de fuzileiros motorizados, com dois outros batalhões sendo de tubos artilharia. Isso sugere 390 missões diárias disparadas por artilharia de tubo. Cada ataque de artilharia de tubo é conduzido por uma bateria de seis canhões no total. No entanto, avarias de combate e manutenção provavelmente reduzirão esse número para quatro. Com quatro canhões por bateria e quatro tiros por canhão, a artilharia de tubo dispara cerca de 6.240 tiros por dia. Podemos estimar um desperdício adicional de 15% para projéteis que foram colocados no chão, mas abandonados quando a bateria se moveu às pressas, projéteis destruídos por ataques ucranianos em depósitos de munição ou projéteis disparados, mas não relatados aos níveis de comando mais altos. Esse número chega a 7.176 rodadas de artilharia por dia.

Deve-se notar que o Ministério da Defesa russo relata apenas missões de fogo por forças da Federação Russa. Isso não inclui formações das repúblicas separatistas de Donetsk e Luhansk, que são tratadas como países diferentes. Os números não são perfeitos, mas mesmo com uma diferença de 50%, isso ainda não muda o desafio logístico geral.

A capacidade da base industrial do Ocidente

O vencedor em uma guerra prolongada entre duas potências similares ainda é baseado em qual lado tem a base industrial mais forte. Um país deve ter a capacidade de fabricação para construir grandes quantidades de munição ou ter outras indústrias que possam ser rapidamente convertidas em produção de munição. Infelizmente, o Ocidente também não parece tê-las.

Atualmente, os EUA estão diminuindo seus estoques de munição de artilharia. Em 2020, as compras de munição de artilharia diminuíram 36%, para US$ 425 milhões. Em 2022, o plano é reduzir os gastos com rodadas de artilharia de 155 mm para US$ 174 milhões. Isso é equivalente a 75.357 rodadas básicas “burras” M795 para artilharia regular, 1.400 rodadas XM1113 para o M777 e 1.046 rodadas XM1113 para canhões de artilharia de alcance estendido. Finalmente, há US$ 75 milhões dedicados a munições guiadas de precisão Excalibur que custam US$ 176 mil por rodada, totalizando assim 426 rodadas. Em suma, a produção anual de artilharia dos EUA duraria, na melhor das hipóteses, apenas de 10 dias a duas semanas de combate na Ucrânia. Se a estimativa inicial de projéteis russos disparados for superior a 50%, isso prolongaria a artilharia fornecida por apenas três semanas.

Os EUA não são o único país que enfrenta esse desafio. Em um recente jogo de guerra envolvendo forças dos EUA, Reino Unido e França, as forças britânicas esgotaram os estoques nacionais de munição crítica após oito dias.

Infelizmente, este não é apenas o caso da artilharia. Javelins antitanque e Stingers de defesa aérea estão no mesmo barco. Os EUA enviaram 7.000 mísseis Javelin para a Ucrânia – cerca de um terço de seu estoque – com mais remessas por vir. A Lockheed Martin produz cerca de 2.100 mísseis por ano, embora esse número possa subir para 4.000 em alguns anos. A Ucrânia afirma usar 500 mísseis Javelin todos os dias.

Os gastos com mísseis de cruzeiro e mísseis balísticos são igualmente enormes. Os russos dispararam entre 1.100 e 2.100 mísseis. Os EUA atualmente compram 110 mísseis de cruzeiro PRISM, 500 JASSM e 60 Tomahawk anualmente, o que significa que em três meses de combate, a Rússia queimou quatro vezes a produção anual de mísseis dos EUA. A taxa de produção russa só pode ser estimada. A Rússia iniciou a produção de mísseis em 2015 em execuções iniciais limitadas, e mesmo em 2016 as execuções de produção foram estimadas em 47 mísseis. Isso significa que teve apenas cinco a seis anos de produção em grande escala.

O estoque inicial em fevereiro de 2022 é desconhecido, mas considerando os gastos e a necessidade de manter estoques substanciais em caso de guerra com a OTAN, é improvável que os russos estejam preocupados. Na verdade, eles parecem ter o suficiente para gastar mísseis de cruzeiro de nível operacional em alvos táticos. A suposição de que existem 4.000 mísseis de cruzeiro e balísticos no inventário russo não é irracional. Essa produção provavelmente aumentará apesar das sanções ocidentais. Em abril, a ODK Saturn, que fabrica motores de mísseis Kalibr, anunciou mais 500 vagas de emprego. Isso sugere que, mesmo nesse campo, o Ocidente tem apenas paridade com a Rússia.


LIVRO RECOMENDADO:

Artillery: A History

  • John Norris (Autor)
  • Em inglês
  • Kindle, Capa dura ou Capa comum

Premissas erradas

A primeira suposição chave sobre o futuro do combate é que as armas guiadas com precisão reduzirão o consumo geral de munição, exigindo apenas uma rodada para destruir o alvo. A guerra na Ucrânia está desafiando essa suposição. Muitos sistemas de fogo indireto “burros” estão alcançando muita precisão sem orientação de precisão, e ainda assim o consumo geral de munição é enorme. Parte do problema é que a digitalização de mapas do globo, combinada com uma proliferação massiva de drones, permite geolocalização e direcionamento com maior precisão, com evidências em vídeo demonstrando a capacidade de conseguir primeiros ataques bem-sucedidos por fogo indireto.

A segunda suposição crucial é que a indústria pode ser ligada e desligada à vontade. Esse modo de pensar foi importado do setor empresarial e se espalhou pela cultura do governo dos Estados Unidos. No setor civil, os clientes podem aumentar ou diminuir seus pedidos. O produtor pode ser prejudicado por uma queda nos pedidos, mas raramente essa queda é catastrófica porque geralmente há vários consumidores e as perdas podem ser distribuídas entre os consumidores. Infelizmente, isso não funciona para compras militares. Há apenas um cliente nos EUA para projéteis de artilharia – os militares.

Uma vez que os pedidos caem, o fabricante deve fechar as linhas de produção para cortar custos e permanecer no negócio. Pequenas empresas podem fechar totalmente. Gerar nova capacidade é muito desafiador, especialmente porque há tão pouca capacidade de fabricação de onde atrair trabalhadores qualificados. Isso é especialmente desafiador porque muitos sistemas de produção de armamento mais antigos são intensivos em mão de obra a ponto de serem praticamente construídos à mão, e leva muito tempo para treinar uma nova força de trabalho. As questões da cadeia de suprimentos também são problemáticas porque os subcomponentes podem ser produzidos por um subcontratado que sai do negócio, com perda de pedidos ou reequipamento para outros clientes ou que depende de peças do exterior, possivelmente de um país hostil.

O quase monopólio da China em materiais de terras raras é um desafio óbvio aqui. A produção de mísseis Stinger não será concluída até 2026, em parte devido à escassez de componentes. Relatórios dos EUA sobre a base industrial de defesa deixaram claro que aumentar a produção em tempos de guerra pode ser um desafio, se não impossível, devido a problemas na cadeia de suprimentos e à falta de pessoal treinado devido à degradação da base de fabricação dos EUA.

Finalmente, há uma suposição sobre as taxas gerais de consumo de munição. O governo dos EUA sempre baixou esse número. Da era do Vietnã até hoje, as fábricas de armas pequenas encolheram de cinco para apenas uma. Isso ficou evidente no auge da guerra do Iraque, quando os EUA começaram a ficar com pouca munição para armas pequenas, fazendo com que o governo dos EUA comprasse munição britânica e israelense durante o estágio inicial da guerra. A certa altura, os EUA tiveram que mergulhar no Vietnã e até mesmo nos estoques de munição de calibre .50 da época da Segunda Guerra Mundial para alimentar o esforço de guerra. Isso foi em grande parte o resultado de suposições incorretas sobre a eficácia das tropas americanas.

De fato, o Government Accountability Office (GAO) estimou que foram necessárias 250.000 rodadas para matar um insurgente. Felizmente para os EUA, sua cultura de armas garantiu que a indústria de munição para armas pequenas tivesse um componente civil nos EUA. Este não é o caso de outros tipos de munição, como mostrado anteriormente com mísseis Javelin e Stinger. Sem acesso à metodologia do governo, é impossível entender por que as estimativas do governo dos EUA estavam erradas, mas existe o risco de que os mesmos erros tenham sido cometidos com outros tipos de munições.

Conclusão

O conflito na Ucrânia demonstra que a guerra entre adversários com paridade ou próximos disso exige a existência de uma capacidade de produção da era industrial tecnicamente avançada, em escala de massa. A investida russa consome munição a taxas que excedem massivamente as previsões dos EUA e a produção de munição. Para que os EUA atuem como o arsenal da democracia em defesa da Ucrânia, deve haver um grande olhar sobre a maneira e a escala em que os EUA organizam sua base industrial. Esta situação é especialmente crítica porque por trás da invasão russa está a capital manufatureira do mundo – a China.

À medida que os EUA começam a gastar cada vez mais seus estoques para manter a Ucrânia na guerra, a China ainda não forneceu qualquer assistência militar significativa à Rússia. O Ocidente deve assumir que a China não permitirá que a Rússia seja derrotada, especialmente por falta de munição. Se a competição entre autocracias e democracias realmente entrou em uma fase militar, então o arsenal da democracia deve primeiro melhorar radicalmente sua abordagem à produção de material em tempo de guerra.


Publicado no RUSI.


*Alex Vershinin é tenente-coronel aposentado do Exército dos EUA. Tem 10 anos de experiência na linha de frente no Iraque e Afeganistão. Na última década antes de sua aposentadoria, trabalhou como oficial de modelagem e simulações no desenvolvimento de conceitos e experimentação para a OTAN e o Exército dos EUA.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

2 comentários

  1. Excelente análisebdo ponto de vista americano.
    Por incrível que pareça para muitos, as melhores análises sobre a situação geopolítica mundial envolvendo USA, UE e BRICS, principalmente USA e Rússia , têm partido de membros das FA de ambos os Países; principalmente da preocupação clara das FA americanas com o destino que Washington vem dando à Nação americana.
    Uma Nação que, independente se Republicanos e Democratas, carece de verdadeiros Estadistas leais ao povo americano e que já foi uma das grandes Democracias do mundo. Ike previa isso no seu discurso de despedida.
    Fraterno abraço

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralAmazonPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também