O ponto de inflexão do Ocidente na guerra da Ucrânia

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy cumprimenta o presidente francês Emmanuel Macron enquanto o chanceler alemão Olaf Scholz e o primeiro-ministro italiano Mario Draghi conversam do lado de fora do Palácio Mariyinsky, em Kiev, Ucrânia, 16 de junho de 2022 (Reuters/Valentyn Ogirenko).

Por M.K. Bhadrakumar*

O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy cumprimenta o presidente francês Emmanuel Macron enquanto o chanceler alemão Olaf Scholz e o primeiro-ministro italiano Mario Draghi conversam do lado de fora do Palácio Mariyinsky, em Kiev, Ucrânia, 16 de junho de 2022 (Reuters/Valentyn Ogirenko).

Com o aprofundamento da crise econômica, alta inflação e custo de vida, o público europeu já não se sensibiliza com os refugiados ucranianos, e o álibi de que Putin é responsável por tudo isso não vai funcionar.


Henry Kissinger previu, há cerca de três semanas, que a guerra na Ucrânia estava perigosamente perto de se tornar uma guerra contra a Rússia. Essa foi uma observação presciente. O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, em uma entrevista ao jornal alemão Bild am Sonntag no fim de semana que, na estimativa da aliança, a guerra na Ucrânia poderia durar anos.

“Devemos nos preparar para o fato de que pode levar anos. Não devemos desistir de apoiar a Ucrânia. Mesmo que os custos sejam altos, não apenas para apoio militar, também por causa do aumento dos preços da energia e dos alimentos”, disse Stoltenberg. Ele acrescentou que o fornecimento de armamento de última geração às tropas ucranianas aumentaria a chance de libertar a região de Donbass do controle russo.

A observação significa um envolvimento mais profundo da OTAN na guerra com base na crença não apenas de que a Rússia pode ser derrotada na Ucrânia (“apagar a Rússia”), mas o custo não deve importar. Os chefes da OTAN tradicionalmente seguem o exemplo de Washington, e Stoltenberg estava falando apenas quinze dias antes da cúpula da aliança em Madri.

Curiosamente, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, em um editorial para o Sunday Times de Londres após uma visita surpresa a Kiev na sexta-feira, praticamente complementou as palavras de Stoltenberg, enfatizando a necessidade de evitar a “fadiga da Ucrânia”. Johnson observou que, com as forças russas ganhando terreno “polegada a polegada”, era vital que os amigos da Ucrânia demonstrassem seu apoio de longo prazo, o que significava garantir que “a Ucrânia receba armas, equipamentos, munições e treinamento mais rapidamente do que o invasor”.

Johnson delineou “quatro passos vitais para recrutar tempo para a causa da Ucrânia”. Primeiro, disse ele, “devemos garantir que a Ucrânia receba armas, equipamentos, munições e treinamento mais rapidamente do que o invasor e aumentar sua capacidade de usar nossa ajuda”. Segundo, “devemos ajudar a preservar a viabilidade do estado ucraniano”.

Terceiro, “precisamos de um esforço de longo prazo para desenvolver rotas terrestres alternativas” para a Ucrânia para que sua economia “continue a funcionar”. Quarto, crucialmente, o bloqueio russo de Odessa e outros portos ucranianos deve ser levantado e “continuaremos fornecendo as armas necessárias para protegê-los”.

Johnson admitiu que tudo isso requer “um esforço determinado … que dura meses e anos”. Mas o imperativo de fortalecer a capacidade do presidente Zelensky de travar a guerra também é vital para “proteger nossa própria segurança tanto quanto a da Ucrânia”. Stoltenberg e Johnson falaram depois que o executivo da UE recomendou que a Ucrânia fosse oficialmente reconhecida como candidata a se juntar ao bloco (que deve ser endossado em uma cúpula marcada para 23 e 24 de junho).

Enquanto isso, as forças russas estão constantemente marcando sucessos táticos na região de Donbass e na estabilização da linha de frente em outros setores. Os combates mais intensos estão em andamento na área de Severodonetsk-Lysychansk e em torno de Slavyansk, mas a situação também é tensa na região de Kharkiv e nas regiões de Mykolayiv e Kherson, no sul.

As forças russas estão atacando a infraestrutura militar e os ajuntamentos de equipamentos das forças ucranianas. De acordo com o Ministério da Defesa russo, apenas no período de cinco dias entre 13 e 17 de junho, de acordo com a versão russa, parece que 1.800 soldados ucranianos foram mortos e 291 equipamentos militares e 69 objetos de infraestrutura militar foram destruídos.

Uma derrota no Donbass será catastrófica para Zelensky, já que a destruição de suas melhores unidades militares implantadas lá praticamente deixa as regiões do sul como uma presa fácil para as forças russas. Também para a OTAN, sua posição internacional será seriamente corroída. Na sexta-feira, dois veteranos de guerra dos EUA detidos na linha de frente de Donetsk foram exibidos na TV russa pedindo ajuda às famílias. Mais recursos visuais podem ser esperados nos próximos dias.


LIVRO RECOMENDADO:

A nova Guerra Fria e o prisma de um desastre: Ucrânia e o voo MH17

  • Kees Van Der Pijl (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Johnson escreveu de forma alarmante que a Doutrina Putin arroga à Rússia um direito eterno de “tomar de volta” qualquer território já habitado por eslavos e isso “permitiria a conquista de vastas extensões da Europa, incluindo aliados da OTAN”. Isso é uma hipérbole. Para recuperar seus territórios do leste e do sul, os ucranianos realmente terão que travar uma longa guerra, mas também dependerão de forma crítica da enorme assistência militar, financeira e econômica da Europa. Por outro lado, a unidade europeia é frágil e há uma “fadiga” instalada.

Também não há uma visão coerente sobre o objetivo final da OTAN. A Ucrânia é um buraco negro indigno de um Plano Marshall. Sem surpresa, há uma grande circunspecção por parte da Alemanha em desperdiçar seus recursos na Ucrânia.

Finalmente, o aprofundamento da crise econômica no Ocidente – alta inflação e custo de vida e crescente probabilidade de recessão – está nos portões como lobos uivando em um país das maravilhas do inverno. O público europeu já não fica mais sentimental ao ver os refugiados ucranianos. O álibi de que Putin é responsável por tudo isso não vai funcionar.

Fundamentalmente, as economias ocidentais estão enfrentando uma crise sistêmica. A complacência de que a economia dos EUA baseada em moeda de reserva é impermeável ao aumento da dívida; que o sistema petrodólar obriga o mundo inteiro a comprar dólares para financiar suas necessidades; que a enxurrada de bens de consumo chineses baratos e energia barata da Rússia e dos Estados do Golfo manteria a inflação sob controle; que os aumentos das taxas de juros vão curar a inflação estrutural; e, acima de tudo, que as consequências de levar um martelo de guerra comercial a um complexo sistema de rede na economia mundial podem ser gerenciadas – essas noções estão expostas.

Quando as impressoras de dinheiro zumbiam na Europa e na América, ninguém se sentia incomodado com as falhas estruturais do sistema. Em uma névoa de fanfarronice ideológica, o governo Biden e seu parceiro menor em Bruxelas não fizeram nenhuma diligência antes de sancionar a Rússia e sua energia e recursos. A Europa está muito pior do que a América. A inflação na Europa está em dois dígitos. Uma crise da dívida soberana europeia já pode ter começado.

A acelerada crise inflacionária ameaça a posição dos políticos ocidentais, pois eles encontrarão uma verdadeira raiva popular quando a inflação corroer a classe média e os altos preços da energia destruírem os lucros das empresas.

Como deter o desastre político que se desenrola lentamente para a Europa e os EUA? O caminho lógico é forçar Zelensky a ir à mesa de negociações e discutir um acordo. A narrativa de continuar o atrito contra as forças russas nos próximos meses, para infligir danos à Rússia, não ajuda os políticos europeus. Mariupol, Kherson e Zaporizhzhya caíram. Donbass também pode cair, em breve. Qual é a próxima linha vermelha? Odessa?

Paradoxalmente, a longa guerra na Ucrânia só poderia funcionar a favor da Rússia. O discurso do presidente Putin no SPIEF (Saint Petersburg International Economic Forum, Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo) na sexta-feira mostra como Moscou estudou minuciosamente o sistema financeiro e econômico ocidental e identificou suas contradições estruturais. Putin é adepto de usar o peso e a força de seus oponentes para sua própria vantagem, em vez de se opor golpe a golpe diretamente. A superextensão do Ocidente pode, em última análise, ser sua ruína.

É aí que está o verdadeiro ponto de inflexão hoje – se as contradições estruturais nas economias ocidentais amadureceram em desordem. Putin vê o futuro do Ocidente como sombrio, atingido simultaneamente pelo retrocesso de sua própria imposição de sanções e pelo aumento resultante nos preços das commodities, mas sem agilidade para desviar os golpes devido à rigidez institucional.

A grande questão hoje é até que ponto a Rússia retaliará os países que estão envolvidos no negócio de tráfico de armas na Ucrânia se eles acelerarem nesse caminho. Os ataques aéreos de jatos russos na quinta-feira passada contra os grupos terroristas militantes abrigados na guarnição dos EUA em Al-Tanf, na fronteira sírio-iraquiana, podem ter levado uma mensagem.


Publicado no Indian Punchline.


*M.K. Bhadrakumar foi diplomata de carreira por 30 anos no Serviço de Relações Exteriores da Índia. Serviu na embaixada da Índia em Moscou em diversas funções e atuou na Divisão Irã- Paquistão-Afeganistão e na Unidade da Caxemira do Ministério das Relações Exteriores da Índia. Ocupou cargos nas missões indianas em Bonn, Colombo, Seul, Kuwait e Cabul; foi alto comissário interino adjunto em Islamabad e embaixador na Turquia e no Uzbequistão.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

3 comentários

  1. Acredito que moscou vai se lembrar e reatilar TODOS os que tiveram atitudes pro Londres e washington

  2. Como sempre, excelente artigo deste autor. Uma verdadeira ducha de realidade. E queria saber de onde vão surgir homens ucranianos para pegarem em armas, já que estão morrendo ucranianos a rodo ali. Vão naturalizar os candidatos a virar combatentes? Isso poderia escalar o conflito.

  3. Dmitry Peskov disse hoje quando perguntado se a Rússia voltaria a confiar no ocidente após a Guerra, ele foi simples e direto – Nunca

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também