Os próximos 100 dias de guerra na Ucrânia

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, visita a cidade de Bucha, nos arredores de Kiev, Ucrânia, em 4 de abril de 2022 (Serviço de Imprensa Presidencial da Ucrânia via Reuters).

Por M.K. Bhadrakumar*

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, visita Bucha, nos arredores de Kiev, em 4 de abril de 2022 (Serviço de Imprensa Presidencial da Ucrânia via Reuters).

Se a narrativa em Washington era sobre vencer a guerra na Ucrânia, agora fala-se em “atividade de resistência contra as forças de ocupação russas”; é provavelmente nesse contexto que deve ser entendida a analogia histórica de Putin com Pedro, o Grande.


O Conselho de Relações Exteriores (CFR, Council on Foreign Relations), com sede em Nova York, realizou uma videoconferência em 31 de maio intitulada “Russia’s War in Ukraine: How does it end?” (Guerra da Rússia na Ucrânia: como termina?) O presidente do think tank, Richard Haas, presidiu o painel de participantes ilustres – Stephen Hadley, Prof. Charles Kupchan, Alina Polyakova e o tenente-general (aposentado) Stephen Twitty. Foi uma grande discussão dominada pela corrente liberal internacionalista que até agora orientou a equipe de segurança nacional do presidente Biden, que quer ajudar a Ucrânia a travar uma longa guerra contra a Rússia.

O que chamou a atenção na discussão foi o reconhecimento francamente articulado por um ex-general, que realmente havia lutado em guerras, de que não há como a Rússia ser derrotada na Ucrânia e, portanto, deve haver alguma clareza quanto ao fim do jogo declarado para “enfraquecer” a Rússia. O prognóstico sombrio era que a unidade europeia a propósito da guerra não está mais acontecendo.

Um cenário plausível seria que a Rússia transformasse a Ucrânia em um “conflito congelado” uma vez que a atual fase da guerra alcançasse os limites administrativos de Donbass, conectasse o Donbass à Crimeia e incorporasse Kherson, e uma “pausa estratégica e um impasse no futuro não-muito-distante” que pode abrir a porta para a diplomacia.

É concebível que um ar frio de realismo esteja soprando no establishment de Washington de que a Rússia está vencendo a Batalha de Donbass e uma vitória militar russa final sobre a Ucrânia está mesmo dentro do reino das possibilidades. Notavelmente, o membro do corpo docente da Universidade de Georgetown, Prof. Kupchan, injetou uma forte dose de realismo:

  • “Quanto mais essa [guerra] durar, maiores serão os efeitos negativos econômicos e políticos, inclusive aqui nos Estados Unidos, onde a inflação realmente está… colocando Biden em uma posição difícil”;
  • “Precisamos mudar essa narrativa [de que quem fala sobre um assentamento territorial é um apaziguador] e iniciar uma conversa com a Ucrânia e, em última análise, com a Rússia sobre como acabar com essa guerra mais cedo ou mais tarde”;
  • “Onde a linha de frente termina, quanto território os ucranianos são capazes de recuperar, continua sendo algo a ser visto”;
  • “Eu acho que o aspecto da guerra quente é mais perigoso do que muitas pessoas percebem, não apenas por causa da escalada, mas por causa dos efeitos de retrocesso”;
  • “Acho que estamos começando a ver rachaduras no Ocidente… haverá um ressurgimento do republicanismo ‘America-first’ à medida que nos aproximamos das eleições intermediárias”;
  • “Tudo isso me leva a acreditar que devemos pressionar pelo fim da guerra e ter uma conversa séria depois disso sobre uma disposição territorial.”

Nenhum dos palestrantes desperdiçou fôlego para argumentar que esta guerra deve ser vencida, ou que ainda pode ser. Mas ninguém se atreveu a reconhecer os legítimos interesses de segurança da Rússia também. O general Twitty apontou que a Ucrânia pode estar perto da exaustão total e a Rússia estabeleceu o controle do domínio marítimo no Mar Negro e, ainda assim, “quando você olha para o DIME (Diplomático, Informativo, Militar e Econômico) estamos lamentavelmente em falta da peça diplomática. Se você notar, não há nenhuma diplomacia acontecendo para tentar chegar a algum tipo de negociação.”

Os internacionalistas liberais erroneamente acreditavam que a OTAN era a pedra angular da segurança nacional dos EUA, e ainda parecem continuar acreditando. Apesar do fracasso total da decisão imprudente de Biden de travar uma guerra por procuração contra a Rússia, os EUA estão paralisados ​​​​na OTAN e não estão dispostos a considerar um acordo de segurança com Moscou.

Se a velha narrativa em Washington era sobre vencer a guerra, a nova narrativa é sobre “atividade de resistência contra as forças de ocupação russas”. É claro que essa nova narrativa é ainda menos possível de ser verificada de forma independente do que as altas alegações anteriores.

É nesta zona de penumbra que o presidente Putin provavelmente situou seus comentários insultuosos em 9 de junho, ao traçar a analogia histórica da Grande Guerra do Norte de Pedro, o Grande, entre 1700-1721 – a contestação bem-sucedida pela Rússia da supremacia do Império Sueco no Norte, Europa Central e Oriental.


LIVRO RECOMENDADO:

A nova Guerra Fria e o prisma de um desastre: Ucrânia e o voo MH17

  • Kees Van Der Pijl (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

Putin disse: “Pedro, o Grande, travou a Grande Guerra do Norte por 21 anos. À primeira vista, ele estava em guerra com a Suécia, tirando algo dela. Ele não estava tirando nada, ele estava voltando. Era assim… Ele estava voltando e reforçando, era isso que ele estava fazendo… todo mundo reconhecia como parte da Suécia. No entanto, desde tempos imemoriais, os eslavos viviam lá junto com os povos fino-úgricos, e este território estava sob o controle da Rússia.”

“Claramente, coube a nós retornar e reforçar também. E se operarmos com a premissa de que esses valores básicos constituem a base de nossa existência, certamente conseguiremos alcançar nossos objetivos.”

Putin deu uma mensagem complexa aqui sobre a rejeição total da Rússia à supremacia da OTAN. Não importa o que for preciso, a Rússia recuperará sua herança. Essa é, antes de tudo, uma promessa a seus compatriotas, que, portanto, apoiarão Putin, cuja classificação nas pesquisas hoje excede 80% (em comparação com 36% de Biden).

O ponto é que também existem falhas não ditas. Não é por acaso que os discursos russos usam livremente a expressão “anglo-saxão” para se referir ao desafio na fronteira ocidental do país. Demônios tem sido soltos por lá. De fato, qual foi o significado da viagem ao Vaticano da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, para uma audiência com o Papa Francisco neste momento?

O professor irlandês Dr. Declan Hayes escreveu recentemente um ensaio intitulado Holy War in Ukraine (Guerra Santa na Ucrânia), sobre ataques violentos a padres ortodoxos russos dentro de suas igrejas na cidade de Stryi, região de Lviv e na Ucrânia controlada por Zelensky em geral. E ele viu que as pegadas de “dividir para conquistar” da OTAN estão por toda parte. “Embora os ataques fascistas a padres russos vulneráveis ​​diante de suas congregações galegas sejam uma manifestação de que os fantasmas do passado sombrio da Ucrânia ressurgiram, os murais da Virgem Maria posando com mísseis Javelin americanos são outra”, escreveu o professor Hayes.

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, anunciou na semana passada que uma “ponte terrestre” foi estabelecida para a Crimeia, um dos principais objetivos de guerra de Moscou, e está funcionando! Envolveu a reparação de centenas de quilômetros de linha férrea. Simultaneamente, foi relatado que o tráfego ferroviário para a fronteira com a Rússia foi restaurado e caminhões começaram a transportar grãos retirados dos silos da cidade de Melitopol para a Crimeia.

Shoigu prometeu “tráfego abrangente” de e para a Rússia para Kherson e para a Crimeia. Além disso, ultimamente tem havido um fluxo constante de relatórios de que a integração das regiões do sul da Ucrânia na Rússia está progredindo rapidamente – cidadania russa, placas de carros, internet, bancos, pensões e salários, escolas russas e assim por diante.

Na semana passada, o influente jornal Izvestiya citou fontes militares não identificadas alegando que qualquer acordo de paz neste momento também deveria incluir a aceitação de Kherson e Zaporizhzhya por Kiev como regiões separatistas, além de Donbass e Crimeia. A questão-chave não é mais se Kiev pode retomar o sul capturado, mas como pode impedir que a “ponte terrestre” da Rússia avance mais para o oeste até a Moldávia.

Por outro lado, o atraso em chegar a um acordo de paz pode significar que Kiev também terá que aceitar posteriormente a perda de Odessa. Mas quem na Europa está em condições de argumentar com Zelensky? Além disso, ele também está galopando um tigre. Ele conta com o apoio “anglo-saxão” e por sua vez os anglo-saxões são obrigados a nadar ou afundar com ele.

Ainda não há um fim claro à vista para esta guerra desatada. No final das contas, o que se destaca é que Putin comparou suas ações no que diz respeito à Ucrânia com a recuperação de Pedro, o Grande, da história compartilhada pela Rússia durante sua guerra do século XVIII contra a Suécia.


Artigo publicado no Indian Punchline.


*M.K. Bhadrakumar foi diplomata de carreira por 30 anos no Serviço de Relações Exteriores da Índia. Serviu na embaixada da Índia em Moscou em diversas funções e atuou na Divisão Irã- Paquistão-Afeganistão e na Unidade da Caxemira do Ministério das Relações Exteriores da Índia. Ocupou cargos nas missões indianas em Bonn, Colombo, Seul, Kuwait e Cabul; foi alto comissário interino adjunto em Islamabad e embaixador na Turquia e no Uzbequistão.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

1 comentário

  1. O fato é que até agora ninguém sabe exatamente quais são os objetivos da Russia e principalmente qual será o proximo passo de Putin.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também