O “conservadorismo saudável” de Vladimir Putin

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Painel de discussão no Valdai Discussion Club em 27 de outubro de 2016: Da esquerda para a direita, Tarja Halonen, ex-presidente da Finlândia; Vladimir Putin, presidente da Rússia; Heinz Fischer, ex-presidente da Áustria; Thabo Mbeki, ex-presidente da África do Sul; e Timothy Colton, presidente do Departamento de Governo da Universidade de Harvard (Serviço de Imprensa Presidencial da Rússia).

Por Rodrigo R. Pedroso*

Painel de discussão no Valdai Discussion Club em 27 de outubro de 2016: Da esquerda para a direita, Tarja Halonen, ex-presidente da Finlândia; Vladimir Putin, presidente da Rússia; Heinz Fischer, ex-presidente da Áustria; Thabo Mbeki, ex-presidente da África do Sul; e Timothy Colton, presidente do Departamento de Governo da Universidade de Harvard (Serviço de Imprensa Presidencial da Rússia).

O Clube de Discussões Valdai, fórum que reúne especialistas de diversos países interessados nos acontecimentos da Rússia para debates de alto nível – fundamental para compreender a política externa russa –, é amplamente ignorado no Brasil.


A mídia do Brasil é merecedora de críticas sob vários aspectos. Devo começar este artigo destacando mais um deles: a pouca ou nenhuma atenção que é dada às conferências anuais do Clube de Discussões Valdai, o mais importante foro de debates estratégicos naquela que é uma das duas maiores potências militares do planeta, a Rússia. Essa lacuna da imprensa no Brasil é particularmente grave, pois deixar de cobrir as discussões do Clube Valdai é sonegar ao público brasileiro um elemento essencial para a compreensão da política externa russa, o que obviamente prejudica uma análise objetiva dos fatos em nível internacional e o entendimento da situação geopolítica global.

O Clube de Discussões Valdai foi fundado em 2004, sob os auspícios de Vladimir Putin, com o objetivo de reunir os principais especialistas internacionais interessados nos acontecimentos da Rússia para debates de alto nível. Seu nome foi tomado do lago Valdai, a noroeste de Moscou, onde ocorreu a sua primeira conferência. Quando o Clube Valdai foi fundado, a responsável pela organização das conferências anuais era a agência de notícias oficial RIA Novosti. Em 2011, foi criada a Fundação para o Desenvolvimento e o Apoio ao Clube de Discussões Valdai, que se tornou responsável pela a organização do evento a partir de 2014.

As conferências do Clube Valdai ocorrem todos os anos, geralmente no outono europeu, que corresponde à primavera do nosso hemisfério Sul. Para cada conferência é escolhido um tema geral e sobre ele são realizados diversos painéis de debates. A simples leitura dos temas debatidos nas conferências de Valdai transmitem a importância e a complexidade dos assuntos que lá são tratados. A primeira conferência anual, em 2004, teve como tema “A Rússia na virada do século: esperanças e realidade”. Destacamos, a seguir, alguns temas dos encontros anuais: “Energia global no século XXI: o papel e a posição da Rússia” (2006), “A diversidade da Rússia para o mundo moderno” (2013), “Sociedades entre guerra e paz: superando a lógica do conflito no mundo de amanhã” (2015), “Mudança global no século XXI: o indivíduo, os valores e o Estado” (2021). Para ter-se uma ideia da riqueza dos debates, na conferência de 2015, foi organizado um painel com a participação de escritores e críticos literários russos para discutir a influência dos fatos históricos nos clássicos da literatura russa. Outros painéis têm foco em assuntos como religião, política ou questões militares.

Aproximadamente 150 especialistas participam dessas conferências anuais, entre professores e pesquisadores das principais universidades e centros de estudo mundiais. Mesmo críticos do governo russo são convidados. No final de cada conferência, os participantes têm a oportunidade de debater com a alta cúpula da classe política russa. Ministros de Estado, como Sergey Lavrov, participam regularmente dessas reuniões. O último painel de debates conta com a participação do presidente Vladimir Putin.


LIVRO RECOMENDADO

Os Románov

  • Simon Sebag Montefiore (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Em seus discursos no Clube Valdai, Putin sempre ressaltou a necessidade de resgatar as raízes cristãs da Rússia. Na conferência de 2013, fez uma crítica devastadora à apostasia do Ocidente: “Podemos ver quantos países euroatlânticos estão atualmente rejeitando suas raízes, em especial, os princípios cristãos que constituem a base da civilização ocidental. Estão negando os princípios morais e todas as identidades tradicionais: nacionais, culturais, religiosas e até sexuais. Eles colocam em prática normas que igualam as famílias numerosas a casais do mesmo sexo, que igualam a fé em Deus com a fé em Satanás”.

Não obstante, em minha fraca opinião, o mais importante dos discursos de Putin foi o da conferência do ano passado, em que ele declarou que o governo russo se orienta por um “conservadorismo saudável”: “Ao formar nossas abordagens, nos guiaremos pelo conservadorismo saudável. Agora, quando o mundo passa por uma ruptura estrutural, a importância de um conservadorismo razoável como base para o curso político cresceu muito, precisamente devido à multiplicação dos riscos e ameaças e da fragilidade da realidade que nos rodeia”.

Putin é um homem reflexivo, que leu muito, coisa rara hoje em dia no mundo da política. Durante as perguntas e respostas que se seguiram ao discurso, Putin confessou ser admirador e leitor de Nikolai Berdiaev (1874-1948), filósofo cristão que fugiu da Rússia para a França, perseguido pelo regime soviético. Aliás, em seu discurso, Putin tampouco poupou críticas à Revolução Russa.

Em dezembro do ano passado, nosso presidente Bolsonaro, eleito com uma plataforma conservadora, aceitou o convite de Putin para visitar a Rússia no mês de fevereiro. Foi certeiro e assertivo em rejeitar as pressões para que desistisse da viagem. Fez o correto: parafraseando Machado de Assis, se a Rússia nos galanteou, o Brasil correspondeu ao galanteio. “Conjuguemos os nossos interesses e um pouco também os nossos sentimentos”. A cooperação internacional é um dos princípios constitucionais da política externa brasileira (art. 4º, IX, CF). E o Brasil tem muito a ganhar, em termos econômicos, políticos, culturais e militares, cooperando com a Rússia. Façamos votos que a visita presidencial a Moscou seja pródiga em bons frutos.


*Rodrigo R. Pedroso é advogado, formado em direito pela Universidade de São Paulo (USP) e mestre em filosofia pela mesma universidade. Procurador da USP em virtude de concurso público desde 2009, exerceu o cargo de assessor especial do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos na gestão da ministra Damares Alves.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também