Os EUA recrutam Israel contra a Rússia

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
O primeiro-ministro Naftali Bennett (Yonatan Sindel/Flash90).

O primeiro-ministro Naftali Bennett (Yonatan Sindel/Flash90).

Por mais de uma razão, a ligação telefônica do presidente dos EUA, Joe Biden, ao primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, em 24 de abril, é extremamente significativa.


Foi a segunda conversa telefônica de Biden com Bennett em quatro semanas. Em 30 de março, Biden havia telefonado para expressar as suas “mais profundas condolências” na sequência dos ataques terroristas que mataram 11 pessoas em três cidades israelenses.

Desta vez, seu apelo coincidiu com a reunião conjunta dos secretários de Estado e de Defesa dos EUA com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, em Kiev, no dia 24 de abril, o que significa que Washington está aumentando sua aposta no conflito ucraniano com a Rússia e marca uma mudança no conflito, sinalizando sua prontidão para ir mais fundo na disputa após a hesitação inicial.

Os Estados Unidos e seus aliados da OTAN estão mostrando disponibilidade para fornecer equipamento mais pesado e sistemas de armas mais avançados à Ucrânia. Após a viagem a Kiev, o secretário da Defesa Lloyd Austin disse aos jornalistas na Polônia que a Ucrânia pode ganhar a guerra contra a Rússia se tiver o equipamento certo. “Acreditamos que podemos vencer, eles podem vencer se tiverem o equipamento certo, o apoio certo”, disse ele.

As autoridades de Kiev tinham elaborado anteriormente uma lista de armas de que precisavam urgentemente dos EUA, que inclui sistemas antimísseis e antiaéreos. Sabe-se que a Ucrânia procurou anteriormente armamento avançado de Israel, incluindo o famoso sistema antimíssil “Iron Dome” e o infame spyware da Pegasus para utilização contra a Rússia. Mas Israel não quis arriscar o pescoço pela Ucrânia devido a temores de comprometer suas medidas tácitas de redução de conflito com Moscou durante suas operações contra alvos iranianos na Síria.

No entanto, as coisas mudaram drasticamente nas últimas duas semanas, quando Israel desistiu de sua neutralidade em relação à operação especial da Rússia e acusou Moscou de cometer crimes de guerra. A conversa de Biden com Bennett ocorreu quando as relações Rússia-Israel começaram a despencar. Curiosamente, a transcrição da Casa Branca sinalizou uma referência direta de Biden ao sistema Iron Dome de Israel.

Tanto a transcrição da Casa Branca como a declaração do gabinete de Bennett mencionaram a situação em torno do Irã. É inteiramente concebível que a súbita mudança inexplicável da posição de Israel em relação à Rússia no conflito da Ucrânia seja motivada por algum tipo de modus vivendi com a administração Biden com relação ao levantamento das sanções contra o Irã.

Israel tem feito todos os esforços para impedir que o governo Biden ceda à demanda iraniana pela remoção do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) da lista de grupos terroristas de Washington. A declaração israelense não apenas mencionou que a questão do IRGC foi discutida, mas também citou Bennett dizendo: “Tenho certeza de que o presidente Biden, que é um verdadeiro amigo de Israel e se preocupa com sua segurança, não permitirá que o IRGC seja removido da lista de organizações terroristas. Israel esclareceu sua posição sobre o assunto: o IRGC é a maior organização terrorista do mundo”. Enquanto isso, Biden aceitou um convite de Bennett para visitar Israel “nos próximos meses”.

Em toda a paisagem da Ásia Ocidental, não há um único país além de Israel com o qual os EUA possam contar hoje como aliado contra a Rússia. Claramente, o clima de segurança na Ásia Ocidental mudará fenomenalmente se o governo Biden virar as costas neste momento às negociações relacionadas ao Plano de Ação Abrangente Conjunto (JCPOA). A transcrição da Casa Branca destacou que Biden e Bennett discutiram “desafios de segurança regionais e globais compartilhados, incluindo a ameaça representada pelo Irã e seus proxies”.


LIVRO RECOMENDADO

Israel: Uma história

  • Anita Shapira (Autora)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Um poderoso lobby do Beltway, começando com ninguém menos que o senador democrata Bob Menendez, presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, se opõe a qualquer acordo com o Irã. Esses lobistas argumentam que, com o Irã continuando a escalar rapidamente seu programa nuclear e deixando claro que seus mísseis balísticos e políticas regionais não são negociáveis, resta pouco para os EUA salvarem do JCPOA.

Falando no Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA, o presidente do Estado-Maior Conjunto dos EUA, general Mark Milley, disse recentemente: “Na minha opinião pessoal, acredito que a Força Quds do IRGC seja uma organização terrorista e eu não a apoio sua retirada da lista de organizações terroristas estrangeiras”. Novamente, em uma carta aberta a Biden, 70 profissionais de segurança nacional se opuseram à retirada do IRGC da lista de organizações terroristas estrangeiras. Em outra carta aberta, 46 generais e almirantes aposentados dos EUA se opuseram ao acordo nuclear em andamento com o Irã.

Visto de outro ângulo, agora que a União Europeia não está contemplando um embargo coletivo de petróleo/gás contra a Rússia, Washington não está mais sob pressão para suspender as sanções contra as exportações de energia do Irã. E, de qualquer forma, os EUA estarão atentos à possibilidade de o Irã fornecer uma tábua de salvação à Rússia para vencer as sanções ocidentais.

Enquanto isso, a prioridade do governo Biden também está se afastando das sanções econômicas contra a Rússia para “finalmente quebrar a capacidade da Rússia de projetar poder fora da Rússia para ameaçar a Geórgia, a Moldávia, e nossos aliados bálticos” – para emprestar as palavras de ex-comandante do Exército dos EUA na Europa, Ben Hodges, em uma entrevista recente à CBS.

Austin convocou uma reunião de última hora em 26 de abril na base americana na Alemanha com colegas de países aliados para discutir o escopo de atender à exigência de um amplo aumento de suprimentos militares para a Ucrânia a longo prazo. O telefonema de Biden para Bennett pouco antes dessa reunião sugere que os EUA podem ter persuadido Israel a ser um participante ativo na guerra na Ucrânia, o que deixaria a Rússia exaurida.

O que motiva Israel seria que o governo Biden está disposto a acomodar as preocupações israelenses sobre um acordo nuclear EUA-Irã. Isso explica a confiança de Bennett de que Biden não cederá à exigência do Irã de remover o IRGC da lista de vigilância do terrorismo.

A conclusão é que Teerã não tem outra opção agora senão aceitar um novo acordo nuclear ou cumprir suas exigências e pagar pelas consequências. Os EUA estimam que Teerã, tendo chegado tão perto de os EUA suspenderem as sanções, o que obviamente será um divisor de águas para a economia sitiada do Irã, pensaria duas vezes antes de sair de mãos vazias.

O telefonema de Biden com Bennett envia a Teerã uma mensagem de que os EUA estão preparados para recorrer a outras opções se as negociações sobre o acordo falharem em Viena.


Este artigo foi produzido em parceria pela Indian Punchline e pela Globetrotter.


*M.K. Bhadrakumar foi diplomata de carreira por 30 anos no Serviço de Relações Exteriores da Índia. Serviu na embaixada da Índia em Moscou em diversas funções e atuou na Divisão Irã-Paquistão-Afeganistão e na Unidade da Caxemira do Ministério das Relações Exteriores da Índia. Ocupou cargos nas missões indianas em Bonn, Colombo, Seul, Kuwait e Cabul; foi alto comissário interino adjunto em Islamabad e embaixador na Turquia e no Uzbequistão.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

V-UnitCanal do Velho GeneralHackerSecPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisPrograma Café com Defesa

Veja também