Armênia, Azerbaijão e o Corredor Zangezur

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Trem passa pelas margens do rio Araz perto de Julfa, Nakhichevan, região do Corredor Zangezur (Uwe Seidner/Shutterstock).

Trem passa pelas margens do rio Araz perto de Julfa, Nakhichevan, região do Corredor Zangezur (Uwe Seidner/Shutterstock).

O apoio a mudanças de fronteiras com base apenas na superioridade militar pode potencialmente fazer com que muitos acordos enfrentem problemas.


A cúpula da União Europeia (UE), Armênia e Azerbaijão sobre a disputada região de Nagorno-Karabakh será realizada em Bruxelas em meados de dezembro. A região, durante 44 dias, foi o território da Guerra do Karabakh, na qual o Azerbaijão obteve vitórias sobre a Armênia, em uma guerra que a mídia azerbaijana chama de “vitória patriótica”. Confrontos também ocorreram entre os dois países nos dias 15 a 16 de novembro, os mais sangrentos após a guerra. Após isso, os líderes da Rússia, Armênia e República do Azerbaijão, respectivamente Vladimir Putin, Nikol Pashinyan e Ilham Aliyev, se reuniram em Sochi na sexta-feira, 26 de novembro.

Embora as negociações e os resultados detalhados da reunião não tenham sido divulgados, analistas políticos apontam para um acordo alcançado entre as duas partes sobre as novas fronteiras e o vêem como um prelúdio para o retorno à calma no Cáucaso.

O Yeni Musavat, jornal relacionado ao governo do Azerbaijão, além da análise das posições da França e de seu presidente, Emmanuel Macron, sobre a Armênia, afirmou recentemente que Charles Michel, o presidente francês do Conselho da UE, não poderá tomar nenhuma decisão exceto reconhecer as novas fronteiras. Também foi noticiado que Nikol Pashinyan concordou em abrir o Corredor Zangezur, uma demanda da Rússia e do Azerbaijão durante a cúpula. A Armênia, que não foi apoiada pela Rússia, seu aliado de longa data, ficou sozinha na guerra e na busca de seus interesses.


O Corredor Zangezur.

A confissão de Nikol Pashinyan em uma reunião online, de que o mundo estava cansado de suas queixas, deixou claro e mostrou que a Armênia está sozinha e não é capaz de insistir em suas posições sozinha, mesmo que essas posições sejam corretas.

Agora, o apoio da Rússia ao acordo tripartite de Sochi e o silêncio do Irã sobre o mesmo acordo podem abrir caminho para mudanças fundamentais na demarcação da região. É claro que este acordo, embora sirva aos interesses da Rússia em outras negociações com o Azerbaijão, pode levar à limitação do acesso do Irã à estratégica região do Cáucaso e à União Europeia.

Enquanto isso, a aparente alegria do principal líder apoiador do Azerbaijão, a Turquia, não pode ser simplesmente ignorada. O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, apesar dos graves problemas econômicos internos, ainda persegue a nova política do AKP chamada “Doutrina de Profundidade Estratégica” e acredita que a Turquia deve operar além de suas fronteiras.


LIVRO RECOMENDADO:

Prisioneiros da geografia: 10 mapas que explicam tudo o que você precisa saber sobre política global

  • Tim Marshall (Autor)
  • Em português
  • Kindle ou Capa comum

Em entrevista ao canal Haber 7, ele disse que foi informado por Ilham Aliyev que os problemas de construção de estradas e ferrovias ao longo do rio Araz foram resolvidos durante a reunião de Sochi.

Se a UE, em seu jogo diplomático e usando a atraente expressão “paz no Cáucaso”, vai aceitar as alterações nas fronteiras em benefício da Rússia, do Azerbaijão e mesmo da Turquia, ou se decidirá insistir nas fronteiras oficiais, começará a ficar claro nas próximas semanas.

A UE deve considerar que, se apoiar uma mudança de fronteiras com base na superioridade militar e citando “fronteiras históricas”, sem considerar a opinião dos habitantes de cada região, possivelmente muitos outros países e acordos recentes poderiam enfrentar novos problemas. Ela não deve esquecer que alguns países e fronteiras são novos, e alguns acordos podem não atender às vontades e interesses dessas nações.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também