Transformar o Brasil por meio da tecnologia: players propõem desafio na abertura do 7º Fórum Atech

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Divulgação.

Divulgação.

Primeiro Painel do Fórum anual da Atech debateu o uso de 5G, AI e IoT como ferramentas de inclusão econômica e social; evento online segue até quinta-feira (25).


As novas matrizes tecnológicas podem ser o instrumento ideal para transformação da sociedade brasileira, conduzindo o país para um aprimoramento social, político e econômico. Essa foi uma das avaliações apontadas na abertura do 7º Fórum Atech, na manhã de terça-feira (23), com o tema “Rotas para o Futuro – Tecnologias Habilitadoras”.

O evento, realizado pela Atech, empresa do Grupo Embraer, teve início com o painel “Tecnologias Habilitadoras – Conhecimento e Inovação transformando o amanhã”.

Logo na abertura oficial do Fórum, a importância das novas tecnologias para o futuro da sociedade foi destacado pelo diretor-presidente da Atech, Edson Mallaco. “Elas devem servir de instrumentos transformadores e criadores de uma realidade que todos nós precisamos, com mais sustentabilidade e conectividade, além de qualidade de vida”.

Mallaco apontou ainda que essas novas matrizes como o 5G, Internet das Coisas, Inteligência Artificial e outras começam a se integrar à realidade não apenas de empresas e instituições, mas também ao cotidiano da população. “Elas estão mudando nossa vida, na economia e também nas nossas casas. Esse novo cenário tem mudado conceitos de forma de produção, de consumo e até nosso olhar sobre as coisas e sobre o mundo”.

Tecnologia inclusiva

O primeiro painel contou com a participação do prof. Marcelo Zuffo, Ph.D. em Engenharia Elétrica e Doutor em Engenharia Elétrica com ênfase em Sistemas Eletrônicos; Marcelo Nunes, diretor-geral do Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP); major Aguilar, Comandante de Policiamento de Choque da Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP) e Daniel Moczydlower, CEO da Embraer X. Claudio Nascimento, gerente de negócios da Atech, foi o moderador.

O debate trouxe um elemento importante para os próximos painéis – e mesmo para os próximos eventos – que é a adoção das novas tecnologias atendendo e beneficiando diretamente a sociedade.

Em um país de dimensões continentais e muitos contrastes, a ação de importantes players, tanto do poder público quanto privado, é a base para transformar o Brasil. Nunes citou uma iniciativa do Parque Tecnológico que caminha nesse sentido, levando soluções tecnológicas desenvolvidas para o sistema educacional básico de São José dos Campos. “As empresas têm papel fundamental de estimular o interesse pela tecnologia. E estamos trabalhando com a ideia de levar equipamentos para essa garotada”, ressaltou.

O professor Zuffo defendeu que empresas com grande potencial tecnológico precisam “pensar grande” e cita a Embraer como exemplo. “Quando ela surgiu, já existiam gigantes do setor, mas isso não a inibiu de crescer e inovar. Nossas empresas necessitam de uma mudança de mindset, não temer os gigantes. Se fizerem isso, elas poderão ser as gigantes de seu setor num futuro próximo”.

Ele também aponta a necessidade de condução de políticas públicas por parte do Estado, incentivando o setor produtivo a buscar soluções tecnológicas para o mercado. Segundo o professor, medidas como essa resultam em melhorias para o país e também para as próprias empresas, que realizam grandes saltos de competitividade, e cita as políticas de incentivo promovidas pela China nas últimas décadas. 

Daniel Moczydlower endossa a ideia e reforça que ela também é padrão nos Estados Unidos e União Europeia. “Eles usam o poder de compra do governo para resolver problemas da sociedade e impulsionar o avanço tecnológico. É uma combinação de força de todos os atores”.

O major Aguilar defendeu a massificação tecnológica no sistema educacional e citou o tema da redação do ENEM deste ano, a invisibilidade do registro civil, como exemplo.

Segurança cibernética

A busca por sistemas e procedimentos mais seguros também norteou os debates. Para Zuffo, este é um grande desafio para o país, que não se movimentou adequadamente nessa direção ao não se alinhar às normas internacionais redigidas nos últimos anos. Potencial para sair da posição incômoda, para ele não falta. “Por exemplo, o Brasil é o terceiro país em unicórnios em Tecnologia, logo depois dos EUA e China”.

Daniel cita o exemplo do sistema bancário brasileiro e pondera que a demanda é gigantesca e impacta até mesmo em questões de soberania. “Temos um campo fantástico de ação. O Brasil tem um dos sistemas tecnológicos bancários mais avançados do mundo. É uma das áreas em que o Brasil tem condições de se manter na vanguarda. Que sabe sendo até mesmo um exportador de soluções, um provedor confiável para outras nações do mundo”. 

O Major Aguilar citou a responsabilidade do Estado, incluindo as forças de segurança, na condução desse processo. “Nós lidamos com a contrainformação e o deep fake. Já tivemos casos de notícias falsas que provocaram a morte de pessoas. Nesse contexto, se insere a necessidade de proteger a população”.

Fórum Atech

A sétima edição do Fórum Atech aborda a grande capacidade de transformação de produtos, serviços e comportamentos por meio das tecnologias habilitadoras, como o Big Data, 5G, Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Nuvem, Segurança Cibernética, entre outras.

Ainda na terça-feira, às 15h00, aconteceu o painel “Segurança e Defesa Cibernética – Ataques cibernéticos: Como ter uma estratégia de segurança eficiente nos dias de hoje?”.

No dia 24 de novembro (quarta-feira), serão discutidas as “Novas Habilidades das Indústrias e Organizações – Traçando o caminho para um mundo mais dinâmico, conectado, responsivo e orientado a dados” e “A Digitalização do Tráfego Aéreo – Moldando os céus do amanhã com um sistema aéreo tecnológico integrado, sustentável e eficiente”.

No último dia do evento, 25 de novembro (quinta-feira), o tema central será “Céu, Terra e Mar – Um olhar para o futuro da autonomia tecnológica do país”.

Todos os painéis contarão com a participação de especialistas da Atech, autoridades e profissionais experientes e renomados em cada segmento, debatendo sobre inovação, tecnologia, aplicabilidade e visão de mercado hoje e amanhã.

A edição 2021 do evento é 100% online, gratuita , aberta ao público. As inscrições podem ser feitas pelo link: https://setimoforumatech.com.br.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também