Documentos da Guerra Fria: CIA – conceitos básicos do processo de inteligência

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Imagem: Eduardo Ramón/Wired.

Tradução e adaptação: Albert Caballé Marimón*

Imagem: Eduardo Ramón/Wired.

Neste documento de maio de 1959, a CIA (Central Intelligence Agency), uma das principais agências de inteligência dos Estados Unidos, explana os conceitos básicos de seus processos de coleta, organização, produção e disseminação de Inteligência.


I. Introdução

A. O papel da inteligência

Inteligência é o conhecimento sobre outros países que os formuladores de políticas e funcionários operacionais precisam para chegar a decisões acertadas. Há um consenso geral de que é tarefa da organização de inteligência fornecer esse conhecimento. Existem, no entanto, diferenças de opinião sobre até que ponto a inteligência deve contribuir para o processo de tomada de decisão. Uma visão é que as organizações de inteligência devem coletar dados conforme necessário e relatar esses dados ao tomador de decisão, que determinará por si mesmo o seu valor e os integrará a outros dados necessários para tomar sua decisão.

Outra visão, essencialmente uma extensão da primeira, é que além de coletar e transmitir dados ao tomador de decisões, a organização de inteligência deve determinar o valor, a validade e a importância dos dados. Essa responsabilidade adicional amplia consideravelmente a tarefa da organização de inteligência e alivia o tomador de decisão de examinar grandes quantidades de dados.

Uma terceira visão, uma extensão adicional da primeira, é que a organização de inteligência deve se imaginar na posição dos tomadores de decisão de outro país e deve tentar prever o que esses tomadores de decisão farão. Cada uma dessas visões é válida, mas apenas em termos das complexidades relativas das situações nas quais as decisões são necessárias. Os exemplos a seguir ilustram essas visões:

1. O comandante de uma unidade militar atribui a um soldado a tarefa de guarnecer um posto de observação avançado e o instrui a relatar suas descobertas. O comandante recebe as informações à medida que são relatadas pelo soldado, avalia e decide o que fazer, baseando-se na soma de seus conhecimentos da situação;

2. O comandante de uma unidade militar designa um oficial de inteligência para receber informações de vários postos de observação avançados. O oficial de inteligência avalia a qualidade das observações e relatos dos soldados nos postos; avalia as informações recebidas em termos de seu valor, consistência e relação com outros dados disponíveis e informa o comandante sobre sua importância;

3. O comandante de uma unidade militar sabe que o comandante inimigo tem uma série de opções à sua disposição. O inimigo pode recuar, avançar, executar um movimento de flanco ou permanecer na posição atual. O oficial de inteligência, colocando-se na posição do inimigo e usando todo o conhecimento disponível sobre o inimigo e sua situação, tenta determinar qual curso de ação ele provavelmente adotará. Essa opção, ou seja, aquela com maior probabilidade, é a que o oficial de inteligência irá reportar ao comandante.

Essas visões do papel da inteligência podem ser aplicadas de maneira semelhante ao apoio na formulação da política externa. Nesse contexto, inteligência já significou, quase que exclusivamente, a coleta, por meios secretos, de informações a serem utilizadas por estadistas. A determinação do significado da informação era deixada para aqueles que iriam usá-la. Em paralelo à coleta secreta, vinham os relatos, por representantes devidamente credenciados em países estrangeiros, de informações mais ou menos publicamente disponíveis sobre política, economia, forças armadas e outras do país em que estavam designados. Até recentemente, no entanto, esse tipo de relatório não era geralmente considerado como parte da função de inteligência.

Com o desenvolvimento da compreensão da estreita inter-relação entre as relações exteriores no sentido tradicional e as atividades militares, econômicas e de propaganda que afetam as relações exteriores e a segurança nacional, as organizações de inteligência foram cada vez mais instadas a fornecer aos tomadores de decisão políticos e ao pessoal operacional em todas essas áreas não apenas os dados avaliados, mas também interpretações de seu significado, estimativas das possíveis e prováveis​​ ações de países estrangeiros e, finalmente, estimativas das prováveis ​​reações estrangeiras à adoção das políticas e ações em avaliação.

B. O Processo de Inteligência

No nível de combate de um exército, a inteligência atende às necessidades do comandante acerca de dados sobre o inimigo, o terreno e o clima. O oficial de inteligência traduz essas necessidades em requerimentos para coleta de informações. A coleta de informações é realizada por elementos do comando capazes de coletá-las. O oficial de inteligência avalia as informações coletadas, principalmente do inimigo, as interpreta em termos das capacidades inimigas (opções do inimigo) e vulnerabilidades inimigas (fraquezas que podem ser exploradas) e informa ao comandante sobre o mais provável curso de ação do inimigo. A decisão do comandante de seguir seu próprio curso de ação é baseada na inteligência fornecida a ele, além de seu próprio conhecimento das capacidades e vulnerabilidades de sua força militar. As consequências de sua ação criam necessidades de novas informações e o processo se repete.

Em termos de segurança nacional, a necessidade de inteligência geralmente origina-se de um formulador ou executor de políticas, que exige inteligência em áreas estrangeiras para que possa fazer seu trabalho. Se os dados não estiverem imediatamente disponíveis de forma útil, organizações produtoras de inteligência podem ser solicitadas a fornecê-los.

Os produtores de inteligência, por sua vez, precisam de informações para produzir inteligência. Parte desta informação é obtida através de arquivos, bibliotecas e outros repositórios. Algumas informações, porém, devem ser solicitadas. Esses pedidos são chamados de “requisitos de coleta”. Os produtores de inteligência, usando as informações e dados coletados em arquivos de inteligência, desempenham uma função de pesquisa, cujo produto final é projetado para atender às necessidades dos formuladores de políticas e executivos.

Na elaboração de políticas governamentais e operacionais, as decisões são tomadas por muitas pessoas em diversas funções – todas precisam de informações coletadas. Tais informações podem ser disseminadas simultaneamente aos elementos do governo que conduzem operações e tomam decisões políticas, bem como para referências de inteligência e para analistas de pesquisa de inteligência.

Um serviço central de referência de inteligência, que disponibiliza informações coletadas e produzidas no passado é, no entanto, uma parte recente e muito importante de um sistema de inteligência moderno. A este serviço, todos os componentes de inteligência do governo submetem as informações que coletam e, por sua vez, ele as disponibiliza a todos os componentes a soma total dessa informação, devidamente indexada.



C. Informação e Inteligência

Informação refere-se à toda a gama de dados coletados. Quando um coletor, no entanto, seleciona alguma informação em resposta aos requisitos de usuários em potencial, ela se torna informação de inteligência, – que difere da informação bruta por ser selecionada por sua relação com um problema operacional ou político.

Informação de inteligência, embora às vezes útil, geralmente não é considerada inteligência até que seja posteriormente processada, isto é, avaliada, analisada, integrada e interpretada. Esse processamento é algo como um processo industrial: minério de ferro, carvão e calcário são fundidos para fazer ferro ou aço. O produto resultante, ferro ou aço, é algo bastante diferente dos vários materiais preparados no forno.

Só depois que a informação é compilada e totalmente processada em termos de um problema operacional ou político, pode-se dizer que se torna inteligência. O Dicionário de Termos Militares dos Estados Unidos para Uso Conjunto resume os processos em sua definição de inteligência:

“O produto resultante da coleta, avaliação, análise, integração e interpretação de toda a informação disponível que diga respeito a um ou mais aspectos de nações estrangeiras ou de áreas de operação e que seja imediata ou potencialmente significativa para o planeamento.”

Avaliação, análise, integração e interpretação são fatores no processamento da inteligência ou na produção da inteligência, e serão discutidos posteriormente.

D. Subdivisões de Inteligência

A ampla gama atual de atividades de inteligência resultou na subdivisão da inteligência em três categorias especializadas: 1) ASSUNTO: Político, Social, Cultural, Científico, Técnico, Militar, Econômico, Contrainteligência e Outros; 2) OBJETIVO E INTERVALO DE TEMPO: Básico, Atual, Estimado, e 3) USO: Departamental, Interdepartamental, Nacional conjunto.

1. ASSUNTO: todo o campo da inteligência pode ser classificado em termos do assunto com o qual está relacionado. Os especialistas em inteligência concentram seus esforços em campos como ciência, economia, política, sociologia e geografia. De fato, à medida em que a divisão do trabalho na produção de inteligência progride, especialidades adicionais se desenvolveram, como inteligência biográfica ou fotográfica. Essa ampla gama de disciplinas mentais é hoje necessária para servir à política externa governamental e aos planejadores militares. A capacidade militar de uma nação moderna depende da economia que sustenta suas forças armadas, dos avanços científicos e tecnológicos que podem ser transformados em armas de guerra, das atitudes de seu povo em relação à guerra e das condições políticas que permitem, encorajam ou proíbem a guerra. O planejador militar deve levar em consideração todos esses fatores ao considerar se uma nação deve se preparar para se defender contra outra potencialmente hostil.

2. PROPÓSITO E INTERVALO DE TEMPO: outra maneira pela qual todo o campo da inteligência pode ser dividido é pelo propósito e intervalo de tempo da inteligência. Elementos especializados de agências de inteligência se preocupam com 1) Inteligência Básica; 2) Inteligência atual (corrente) e 3) Inteligência estimada. O elemento tempo é uma parte essencial dessas categorias – passado, presente e futuro – e está relacionado ao propósito – histórico, ação e planejamento.

Inteligência Básica é uma compilação enciclopédica de informações de natureza mais ou menos permanente ou estática e de interesse geral. Seu objetivo é fornecer dados e informações básicas para planejadores militares e outros executivos do governo e analistas de inteligência.

Inteligência atual é aquela inteligência pontual de todos os tipos e formas de interesse imediato e valor para equipes operacionais ou de política, que é usada por eles geralmente sem os atrasos incidentes para concluir a avaliação ou interpretação. A forma mais comum de inteligência atual é um resumo das informações, recebido de qualquer fonte e acompanhado por um relatório de especialistas em inteligência sobre o significado dessas informações. O especialista em inteligência, geralmente uma área ou especialista funcional, pesa esta informação contra outras informações à sua disposição e interpreta seu significado em termos de seu conhecimento de política ou das necessidades de inteligência de vários usuários ou equipes operacionais. Normalmente, a inteligência atual é produzida nas informações mais recentes e importantes adquiridas, de modo que a atualidade ou novidade das informações é uma consideração primordial. É bem possível, entretanto, que o relato de um evento ocorrido algum tempo atrás, mas que tem uma relação nítida com os eventos atuais, seja processado como inteligência atual. Como exemplo extremo, se uma fonte de informação altamente confiável relatasse que Joseph Stalin foi extinto pelos outros membros do Presidium do PCUS em 1953, isso provavelmente seria um item digno de avaliação e interpretação da inteligência atual.

Inteligência Estimada é aquela que, usando outra inteligência como base, tenta prever tendências e prováveis ​​cursos de ação de uma nação estrangeira ou de forças militares opostas. Embora previsões limitadas sejam feitas tanto na inteligência atual quanto na básica, a estimativa estratégica das condições em áreas estrangeiras e os prováveis ​​cursos de ação de outras nações é um desenvolvimento recente não porque seja uma estimativa, mas porque é baseada em todas as informações disponíveis em organizações de inteligência do governo. Uma estimativa pode variar desde uma previsão das condições durante os próximos seis meses em um pequeno país da América do Sul, até uma estimativa das capacidades soviéticas para uma guerra global durante os próximos dez anos.

3. USO: três distinções são feitas no uso da inteligência.

Inteligência Departamental é a inteligência necessária e normalmente produzida por um departamento ou agência independente do Governo Federal para auxiliar na execução de sua missão e responsabilidades legais.

Inteligência Interdepartamental geralmente se refere à inteligência produzida pelos componentes de inteligência dos departamentos do Exército, Marinha, Força Aérea, Departamento de Estado e alguns elementos da CIA para atender às necessidades dos planejadores e funcionários operacionais em suas próprias agências.

Inteligência Conjunta é a inteligência departamental integrada exigida por departamentos e agências para a execução de suas missões, mas transcende a competência de produção de um único departamento. Inteligência Conjunta é um termo peculiar ao Departamento de Defesa. É uma categoria especial de inteligência interdepartamental produzida em conjunto pelos Departamentos do Exército, da Marinha e da Força Aérea. É usada para o planejamento conjunto feito no nível do Estado-Maior Conjunto do Departamento de Defesa.

Inteligência Nacional é uma inteligência departamental integrada que cobre aspectos amplos da política e da segurança nacional, que diz respeito a mais de um departamento ou agência e que transcende a competência exclusiva de um único departamento ou agência. A inteligência nacional é normalmente produzida pela combinação de contribuições acabadas de inteligência das agências mais competentes para produzir inteligência em um campo específico. Por exemplo, a organização de inteligência do Exército está mais bem equipada para fornecer informações sobre o Exército Soviético; a organização de inteligência da Marinha, sobre a Marinha Soviética; e organização de inteligência do Departamento de Estado, sobre a situação política na URSS. As contribuições dessas agências e de outras podem muito bem ser integradas a uma estimativa da inteligência da capacidade soviética de conduzir uma guerra. A estimativa geral é inteligência nacional.



II. Coleta de informação

A. Introdução

A palavra “coleta” é frequentemente usada para se referir a qualquer um dos três processos de inteligência diferentes 1) Coleta inicial, 2) Arquivamento cumulativo e 3) Montagem de informações, ou combinações destes processos. Para obter uma compreensão nítida e clara dos processos de inteligência aos quais esses termos se referem, cada um deles é definido aqui.

1. A Coleta inicial é a seleção de dados pertinentes com base nos requisitos de coleta e listas de orientação de toda a gama de fatos existentes que podem ser obtidos por observação direta, e de pessoas, documentos, publicações, transmissões e outras fontes. Esse é o trabalho realizado pelos elementos de coleta da comunidade de inteligência e é o que mais frequentemente se entende pelo termo Coleta. Uma vez coletado o material, o coletor tem a responsabilidade de reportá-lo ou encaminhá-lo aos produtores de inteligência ou a outros usuários.

2. O Arquivamento cumulativo refere-se à indexação e arquivamento para fins de referência de informações já relatadas conforme é feito numa biblioteca, arquivos de analistas e em outros repositórios especializados.

3. A Montagem de informações, parte do processo de pesquisa, é principalmente a exploração de instalações de referência para acumular dados relativos a um problema específico em consideração.

B. Orientação para coleta

Uma vez que a coleta se destina a satisfazer as necessidades de dados dos usuários, os coletores devem ter alguma forma de orientação quanto ao que é necessário. Esta orientação é fornecida por guias de coleta, requisitos de coleta e por treinamento formal.

Guias de Coleta: os coletores de informações geralmente são equipados com um amplo relatório de suas responsabilidades de coleta, frequentemente denominadas Guias de Coleta. Esses guias indicam assuntos gerais sobre os quais há uma necessidade contínua de informações. Por exemplo, analistas políticos e outros avaliam continuamente a força e as atividades dos partidos comunistas nacionais. Os coletores capazes de fornecer este tipo de informação têm uma responsabilidade de coleta contínua que é explicitada em um Guia de Coleta. O guia indicará os aspectos específicos do comunismo nacional nos quais o coletor deve concentrar seus esforços.

Requerimentos de Coleta: os Requerimentos de Coleta são solicitações de coleta de informações bastante específicas. Esses requisitos geralmente incluem dados de background já conhecidos sobre o assunto e recomendações relativas a possíveis fontes de informação e métodos de coleta. Por exemplo, um adido militar em um país estrangeiro pode ser solicitado, enquanto participa de uma manobra militar, a observar o mais perto possível o sistema de abastecimento empregado pelo exército desse país. Esse requisito pode incluir um relatório resumido do que se sabe atualmente sobre tal sistema de abastecimento. O coletor pode ser incitado a tentar atribuir-se a essa fase das manobras como observador. Na maioria das vezes, as instruções de coleta são apenas sugestões ao coletor de campo, pois ele conhece melhor as oportunidades e suas próprias capacidades de coleta.

C. Coleta Espontânea

A maior parte da coleta de informações é estimulada por requisitos conforme discutido acima, mas o coletor de campo geralmente está em posição de obter informações para as quais não possui requisitos. Se, com base em seu próprio julgamento e experiência, ele sentir que as informações têm valor de inteligência, deve coletá-las. Por exemplo, se um diplomata, no curso normal de suas funções, ouvisse observações de significado militar, normalmente fora de suas responsabilidades de coleta, ele relataria essas informações ao adido militar que, por sua vez, as repassaria ao componente apropriado da organização de inteligência militar.

D. Prioridades

Sempre que a demanda por algo é maior do que sua oferta, um sistema de priorização é necessário para garantir que as necessidades mais urgentes sejam satisfeitas primeiro. Coletores de Inteligência geralmente estão em posição de ter muito mais solicitações de informações do que podem atender em detalhes completos (isso é particularmente verdadeiro para coletores clandestinos). Como consequência, foram desenvolvidos sistemas para ajudá-los a determinar a quais assuntos ou fontes devem dar atenção primeiro e quanto esforço devem dedicar a cada um.

Normalmente, os adidos recebem cronogramas para os relatórios necessários. Essas programações geralmente incluem esboços detalhados do assunto a ser relatado, bem como o prazo de entrega. Coletores que exploram uma determinada fonte, como transmissões de rádio ou publicações, geralmente dão atenção primeiro às fontes que sua experiência comprova serem mais frutíferas. Essas seriam as transmissões que normalmente contêm a maioria dos itens de interesse intelectual. Qualquer tempo extra disponível pode ser usado em outras transmissões menos produtivas. Em situações especiais ou urgentes, uma diretriz especial chamaria a atenção dos coletores para algumas transmissões geralmente insignificantes para obter informações sobre um evento especial. As prioridades da coleta clandestina são determinadas por uma comissão especial de coordenação e equipes criadas para esse fim.

E. Fontes de informação

Uma fonte de informação é aquela pessoa, lugar ou documento do qual podem ser obtidas informações de valor. No sentido mais estrito, o coletor de informações coleta da fonte, ou coleta a própria fonte. Uma fonte de informação pode ser um mapa que um adido militar recebe do exército de outra nação. Uma fonte pode ser uma pessoa que fornece informações verbalmente. Pode ser um documento ou um evento testemunhado pelo coletor de campo. Os tipos de fontes de informação são muitos, variados e amplamente dispersos. Fontes de informação comumente exploradas por colecionadores são jornais, revistas, periódicos técnicos, livros, transmissões de rádio, funcionários estrangeiros, viajantes, estrangeiros, refugiados, desertores, fotografias e filmes. O coletor raramente é a fonte inicial de informação. Em geral, a fonte de informação é o documento, objeto ou pessoa explorada por métodos de coleta.

F. Coletores e métodos

A maioria dos governos tem alguma forma de coleta sistemática de informações para atender às necessidades de inteligência. O sistema normalmente inclui esforços de coleta encobertos e abertos e um esforço interno e outro estrangeiro. Normalmente, o esforço clandestino é conduzido no estrangeiro, e o esforço de coleta aberta é realizado tanto no país quanto no exterior.

1. Coleta clandestina: os altos custos em termos de pessoal, tempo e dinheiro e os riscos envolvidos na coleta clandestina, militam contra seu uso extensivo, exceto quando o acesso às informações desejadas é negado. Durante períodos de tensão internacional ou em tempo de guerra, quando medidas positivas de segurança são tomadas pelas nações para evitar que informações de valor cheguem às mãos de um estado hostil, a coleta secreta torna-se importante. Um axioma de inteligência pode muito bem ser enunciado da seguinte forma: a coleta clandestina de informação é realizada somente se a informação estiver inacessível para meios abertos. Os coletores clandestinos, portanto, se concentram na coleta de informações consideradas sensíveis pelo país-alvo e em áreas de acesso negado ou limitado. Um exemplo em que a coleta clandestina pode ocorrer internamente é no campo da contrainteligência, em que as forças de segurança interna de uma nação tentam impedir os esforços de penetração dos serviços de informações de outras nações.

Normalmente, os coletores clandestinos de informação trabalham por meio de agentes pagos ou motivados de outras formas. Os agentes são escolhidos com base em muitos fatores. O mais importante deles é a acessibilidade às informações desejadas. Por exemplo, um membro insatisfeito de um partido comunista estrangeiro pode ser contratado para fornecer informações sobre filiação e outras atividades que o partido normalmente não revelaria. Embora a coleta clandestina de informações possa ser muito lucrativa, pode criar dificuldades em termos de aceitação da validade da informação por parte dos usuários, bem como criar problemas de tensas relações políticas entre nações quando exposta.


LIVRO RECOMENDADO:

Ex-agente abre a caixa-preta da ABIN (Agência Brasileira de Inteligência)

  • André Soares (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

2. Coletores diplomáticos: uma das responsabilidades dos funcionários em serviço no estrangeiro, além de suas funções diplomáticas, é a coleta aberta de informações. Suas funções de coleta são principalmente no campo da informação política. Seus meios usuais de coleta são através da troca de informações, conversas ou observação.

3. Coletores militares: a maior parte da coleta militar em tempos de paz é realizada por meio de adidos das forças armadas designados em missões estrangeiras. Além de suas funções como assessores de embaixadores, eles coletam informações sobre as forças armadas do país por meio de contatos com oficiais militares, observação de manobras, visitas a instalações e intercâmbio de informações militares, tais como manuais de treinamento. Durante tempo de guerra, cada comandante militar na cadeia de comando tem uma organização de inteligência, parte da qual consiste em unidades que são responsáveis ​​por coletar as informações necessárias para cumprir os objetivos do comandante.

4. Outros coletores em áreas estrangeiras: a maioria dos funcionários do governo estacionados no exterior, além dos mencionados acima, têm responsabilidades de coleta incidental além de suas demais atividades. Por exemplo, os adidos agrícolas e comerciais coletam informações em seus campos de atuação.

5. Coleta de publicações abertas: a coleta de publicações abertas pode ser realizada por assinatura ou compra de publicações em países estrangeiros. Os tipos de publicações coletadas são os jornais mais importantes, revistas de notícias, periódicos profissionais, livros, publicações governamentais e quaisquer outras publicações que possam conter informações de valor de inteligência. Mapas compilados e impressos em áreas estrangeiras também são coletados devido à riqueza de detalhes que contêm.

6. Coleta por monitoramento de rádio: muitas informações atuais podem ser obtidas monitorando as transmissões de voz estrangeiras. Esse monitoramento produz informações de mensagens não criptografadas e informações de comunicações de mensagens codificadas. A última informação é útil para quebrar os códigos de outros governos.

7. Coleta por fotografias: a fotografia, tanto aérea quanto terrestre, é uma técnica empregada até certo ponto pela maioria dos coletores de informação. O uso extensivo da fotografia aérea é feito para descobrir localizações, forças, atividades e instalações inimigas. Também fornece informações estratégicas para missões de bombardeio e avaliação da eficácia do bombardeio. Fotografia terrestre de edifícios, fábricas, portos e pessoas, tirada clandestina ou abertamente, fornece informações importantes para a análise econômica, bem como para análise de alvos.

8. Coleta doméstica: em qualquer país, sempre há pessoas que estudaram ou viajaram para áreas de interesse da inteligência e, em alguns países, há muitos refugiados e imigrantes de áreas de interesse da inteligência. Essas pessoas podem ser entrevistadas para obter informações de valor para a inteligência. Além das pessoas, geralmente há organizações empresariais, educacionais, religiosas, esportivas, culturais e sociais com contatos e informações estrangeiras que podem ser de valor para a inteligência se os contatos adequados e oportunos forem feitos. A coleta dessas fontes é chamada coleta doméstica de informações de inteligência estrangeira.

G. Relatório de informações

Em muitos casos, o relato de informações em campo significa apenas o envio de mapas, fotografias, objetos físicos ou publicações para as pessoas que explorarão seu valor de inteligência. Nesses casos, os usuários podem trabalhar diretamente com a fonte de informação. Outras informações, no entanto, devem ser relatadas de forma diferente daquela em que foi coletada. Por exemplo, um adido que observou uma manobra militar de um exército estrangeiro deve traduzir suas observações em um relato lógico e objetivo que será útil para fins de inteligência.

Por outro lado, o coletor pode receber de um agente um relatório escrito à mão que precise apenas de uma pequena edição para torná-lo útil. Seja qual for o caso, o coletor deve fazer um trabalho de reportagem o mais claro, completo, imparcial e objetivo que puder. O coletor também deve fornecer aos usuários dados que estabelecerão a confiabilidade da fonte da informação.

Isso é feito fornecendo, se possível, detalhes sobre a fonte e como as informações foram coletadas. Em alguns casos, o coletor de campo tenta fazer uma avaliação provisória da verdade relativa do conteúdo do relatório. Algumas agências de coleta usam um sistema de classificação para indicar o grau de confiabilidade da fonte e a credibilidade da informação. Este sistema consiste em seis letras, geralmente indo de A até F, cada uma das quais indica um grau diferente de confiabilidade da fonte, e seis números, geralmente indo de 1 até 6, cada um dos quais dá uma avaliação provisória da provável veracidade do conteúdo. Este sistema é normalmente usado por organizações responsáveis ​​pela coleta secreta e quando tais organizações estão relatando informações de agentes ou de outras fontes confidenciais.

Organizações responsáveis por coleta aberta geralmente fornecem uma descrição narrativa da fonte para ajudar o usuário. Em geral, o coletor deve fornecer o máximo possível de informações de fonte, tanto quanto o tempo, espaço e segurança permitirem. Em qualquer caso, o usuário das informações irá reavaliá-las desde seu próprio ponto de vista. Na maioria dos casos, um analista de inteligência terá à sua disposição mais informações sobre o assunto do que o coletor de campo.

III. Produção de Inteligência (pesquisa de Inteligência)

A. introdução

A produção de inteligência é uma atividade ampla que inclui tarefas que vão desde a avaliação e interpretação de um único relatório de informações até a compilação e interpretação de todos os dados relevantes disponíveis sobre um assunto, tais como a probabilidade de ataque por outra grande potência.

Não há mistério para a produção de inteligência. A maioria de suas características não diferem das pesquisas realizadas por estudiosos. As técnicas de pesquisa em inteligência são aquelas emprestadas das disciplinas acadêmicas ou da imprensa. A pesquisa de inteligência difere de outras por ser conduzida em condições de segurança, por poder utilizar material classificado e por atender às necessidades de planejadores governamentais e funcionários operacionais envolvidos na proteção do segurança nacional e na condução dos assuntos estrangeiros.



Conforme mencionado anteriormente, a produção de inteligência, particularmente em seu contexto mais simples de avaliação e interpretação de informações, pode ser realizada pelo planejador da política ou pelo funcionário operacional. Mais frequentemente, entretanto, a produção de inteligência é uma tarefa para especialistas treinados e com experiência nas complexidades específicas.

B. Orientação de Pesquisa de Inteligência

A pesquisa de inteligência é conduzida principalmente como um serviço para planejadores de políticas e funcionários operacionais. Esses usuários de inteligência devem fornecer orientação ao analista de inteligência, indicando em termos claros exatamente qual inteligência eles precisam para cumprir suas missões com sucesso. Em termos simples, um planejador de política de segurança nacional deve saber duas coisas para planejar adequadamente.

Ele deve conhecer as capacidades e vulnerabilidades de seu país, e as capacidades e vulnerabilidades da área em relação à qual a política está sendo feita. Estas últimas geralmente são fornecidas pelo analista de inteligência. Visto que apenas o planejador conhece o escopo do problema para o qual precisa de inteligência, ele é o único que pode definir adequadamente sua necessidade. O analista que trabalha em um problema de inteligência não pode produzir inteligência utilizável sem a orientação adequada do planejador. É claro que o analista de inteligência precisa de orientação; quanto mais específica, melhor.

A orientação consiste em vários fatores principais. Primeiro, é necessário um relatório do problema de inteligência, seus limites e profundidade e, se possível, um relatório indicando como a inteligência será usada. Em segundo lugar, o analista deve saber se deve interpretar sua pesquisa e que tipo de interpretação é desejada. Terceiro, o analista deve saber quando a pesquisa deve ser concluída para que tenha o máximo de uso pelo planejador. Além dessa orientação direta, existe uma forma indireta de orientação baseada nas necessidades gerais e contínuas dos planejadores de políticas e funcionários operacionais. Essas necessidades de inteligência são satisfeitas por meio do estabelecimento e operação de programas de inteligência, distintos dos esforços de pesquisa individuais.

Por exemplo, o estudo contínuo da situação e das capacidades das forças armadas de um determinado país e a publicação periódica dos resultados desse estudo seriam um programa de inteligência. Haveria uma orientação inicial em grande detalhe, mas quando isso fosse concluído, muito pouca orientação seria necessária aos analistas de inteligência para a operação e manutenção do programa.

C. O Processo de Pesquisa

Depois que o analista de inteligência sabe qual é seu problema de pesquisa, ele passa a usar ferramentas para realizar sua tarefa. Existem muitas maneiras de descrever o processo de pesquisa e as etapas envolvidas. O processo aqui descrito consiste no seguinte: montagem de dados; avaliação, análise, integração; interpretação e apresentação do produto de inteligência ao usuário. A montagem de dados e a apresentação são processos principalmente físicos, enquanto avaliação, análise, integração e interpretação são processos essencialmente mentais. Para fins de descrição, cada uma das etapas acima será tratada separadamente, mas deve ser entendido que várias das etapas podem ocorrer simultaneamente; que algumas etapas podem ser omitidas e que etapas posteriores podem preceder etapas anteriores.

1. MONTAGEM: o processo de montagem envolve a coleta de todos os dados relevantes para o problema de inteligência. O analista precisa saber que dados deve obter e onde encontrá-los. Ele usa tanto dados previamente coletados quanto aqueles que vêm constantemente de coletores, talvez durante todo o período do esforço de pesquisa.

Fontes típicas de Coleta são:

a. Analista: a maioria dos especialistas em pesquisa de inteligência são utilizados devido ao seu treinamento especializado em uma ou mais disciplinas acadêmicas, como ciência política, economia, ciências e idiomas. Eles trazem conhecimento especializado que lhes permite distinção em processos mentais posteriores.

b. Arquivos do Analista: normalmente, um analista em qualquer tipo de inteligência irá construir arquivos de materiais pertinentes ao seu campo geral de responsabilidade. A partir desses arquivos, ele extrai material à medida que problemas específicos lhe são atribuídos. Por exemplo, um analista político que lida com a França manteria em seus arquivos informações sobre todos os aspectos da política francesa. Desses arquivos, ele poderia obter informações que tratam de um partido político específico.

c. Instalações abertas de não-inteligência: muitas bibliotecas e outros repositórios especializados podem fornecer grande quantidade de informações. De fato, é concebível que todos os dados necessários para a solução do problema de inteligência possam ser obtidos de tais instalações. A familiaridade com tais repositórios faz parte do conhecimento básico do analista.

d. Repositórios de inteligência: repositórios de inteligência gerais e especializados são explorados pelo analista. Os repositórios de inteligência especializados incluem aqueles configurados para dados biográficos, dados industriais, fotografias e mapas.

e. Informações recebidas: uma das responsabilidades mais demoradas de um analista de inteligência é a leitura dos relatórios de informações recebidas. Ele os lê por três razões: 1) para manter seu conhecimento do assunto atualizado; 2) para acrescentar a seus próprios arquivos informações para uso futuro, e 3) para extrair informações pertinentes à pesquisa que está conduzindo. Os relatórios recebidos sobre sua pesquisa de inteligência podem influenciar seu trabalho até o momento da apresentação da inteligência ao usuário.

À medida em que o analista de inteligência prossegue com a coleta de informações, ele é forçado, por uma questão de eficiência, a desenvolver um sistema lógico de registro das informações. Ele usa um sistema de anotações e desenvolve arquivos de acordo com seus conceitos de subdivisões normais do problema geral de inteligência. Os aspectos mentais da montagem são a determinação de quais tipos de informação são necessários, onde pode ser obtida e a seleção de peças específicas de informação relevantes para o problema de pesquisa.


LIVRO RECOMENDADO:

A história da quebra dos códigos secretos

  • Al Cimino (Autor)
  • Em português
  • Capa comum

2. AVALIAÇÃO: cada item de informação reunido pelo analista de inteligência deve ser avaliado em termos de a) pertinência provável ao problema de pesquisa e b) consistência com outros fatos conhecidos. O analista não está vinculado a nenhuma avaliação colocada em um relatório pelo coletor de campo. Ele não deve, entretanto, ignorar a avaliação de campo, uma vez que ela foi colocada ali para orientá-lo em sua determinação do valor da informação.

O analista encontra relativamente pouca dificuldade em avaliar as informações quando a fonte é material documental em sua forma original, mas quando a informação original é obscurecida por traduções e relatórios pouco claros, ele faz reservas mentais sobre a provável veracidade das informações. Além disso, se ele está julgando o relatório de um indivíduo que foi fonte de informações insuficientes no passado, o analista será alertado para examinar minuciosamente as informações.

a. Pertinência para o problema de pesquisa: o analista deve examinar as informações em grande detalhe e fazer determinações do valor provável da informação para o problema de pesquisa.

Ele já fez isso até certo ponto na seleção do material, mas agora deve fazê-lo com maior profundidade. É neste estágio que ele é forçado a tomar decisões provisórias sobre como proceder com a pesquisa. Inevitavelmente, à medida em que prossegue com a avaliação, hipóteses provisórias relacionadas ao problema de inteligência lhe ocorrerão.

b. Consistência com outros fatos conhecidos: o analista deve determinar como os fatos nas informações recebidas coincidem com outras informações conhecidas. Ele pode descobrir que uma nova informação contradiz uma ampla base de conhecimento anterior sobre o assunto ou que a informação contradiz outro conjunto conhecido de fatos. No último caso, o analista deve pesar cuidadosamente os dois conjuntos opostos de dados antes de decidir qual é o mais provável. Informações que confirmam informações anteriores tendem a aumentar o valor das informações já conhecidas. Mesmo aqui, porém, o analista deve estar alerta para falsas confirmações e enganos. É bem possível que as informações relatadas por dois ou mais coletores em questão emanem de uma única fonte e um relatório confirme falsamente outro.

Fraude é a técnica de alimentar informações errôneas em vários canais de coleta para enganar o pessoal de inteligência e, em última instância, o usuário. Por exemplo, uma nação prestes a entrar em guerra com outra pode procurar canalizar para o sistema de inteligência da oponente informações contrárias às suas reais intenções.

Além de relacionar as informações a outras conhecidas, o analista deve examinar um relatório quanto à consistência interna. O relatório não deve ser contraditório para ter valor. Numa avaliação inicial, um relatório pode parecer bastante lógico, mas um exame detalhado pode revelar inconsistências gritantes.

3. ANÁLISE: a análise é definida como a separação de qualquer coisa em suas partes ou elementos constituintes; também, um exame de qualquer coisa para distinguir suas partes ou elementos componentes, separadamente ou em relação ao todo.

A análise é mais uma divisão do que um processo de construção. Neste estágio do processo de pesquisa, o analista tenta provar ou refutar a validade dos fatos comparando-os criticamente com fatos relacionados.

Suponhamos que um analista esteja trabalhando em um problema de inteligência que lida com as implicações estratégicas da disposição do Exército Soviético. Ele tem um relatório que afirma que a 76ª Divisão Aerotransportada da Rússia está localizada em Cracóvia, na Polônia. Se for verdadeira, essa informação seria de grande utilidade futura, mas infelizmente, o analista não tem certeza sobre a fonte da informação. Por um processo analítico, ele determina o que mais deve saber para provar ou refutar a afirmação.

Ele pode encontrar uma tradução de artigo de jornal polonês que afirma que o prefeito de Cracóvia recebeu visita do comandante da 76ª Divisão. Uma lista de designações de unidades do Bloco Soviético pode mostrar que as divisões aerotransportadas russas são numeradas serialmente de 120 a 140, mas que as divisões aerotransportadas polonesas são numeradas serialmente de 75 a 80. A tradução do jornal tenderia a substanciar o relatório original, enquanto a lista de unidades do Bloco tenderia a refutá-la, mas lançando uma luz diferente sobre a informação, ou seja, que esta é provavelmente uma divisão polonesa e não russa.

Assim, a análise é o exame dos subfatores que tendem a provar ou refutar um fator maior.

4. INTEGRAÇÃO: a análise divide e a integração constrói. O último processo é frequentemente descrito na inteligência como a construção de um mosaico ou a junção das peças de informação em relações adequadas umas com as outras para formar um todo unificado. O todo é essencialmente diferente de qualquer uma das peças individuais que o integraram. Uma informação, anteriormente uma entidade, pode no novo produto ser uma estatística em uma tabela, uma linha de contorno em um mapa ou parte de uma ideia expressa em palavras.

O processo, a integração, às vezes é descrito usando os termos correlação e síntese. Correlacionar é o ato de estabelecer relações mútuas – a ideia de mosaico. Síntese é a construção das partes em um todo unificado para criar uma nova entidade. Os dois termos não são mutuamente exclusivos.

Produtos típicos de integração são mapas de inteligência, tabelas estatísticas e um relatório que descreve a indústria química dos EUA. Cada um deles é o resultado de um processo de raciocínio e compilação com base em fenômenos observáveis. Destes fenômenos observáveis, certas conclusões são derivadas.



5. INTERPRETAÇÃO: interpretação é a determinação do significado do produto resultante da integração. Nesse estágio, o analista deve ir além das informações que integrou e fazer a pergunta: O que tudo isso significa? É nesse ponto que ele se torna menos o estudioso cauteloso e mais o funcionário de inteligência. O analista é chamado a colocar em jogo sua engenhosidade, experiência e julgamento. Por exemplo, tendo concluído um estudo sobre o desenvolvimento em outro país de um novo produto químico tóxico, o analista científico deve indicar se esse produto químico pode ser usado como um gás nervoso; se pode ser difundido e transmitido e, em caso afirmativo, por que meios; ou se sua produção e armazenamento em grande escala são viáveis. Essas são as coisas de que o formulador de políticas e o funcionário operacional geralmente precisam, porque não possuem o conhecimento especializado necessário para derivar tais interpretações do estudo básico de inteligência. Além disso, o analista deve dizer as coisas que refletem com precisão os resultados de sua pesquisa, sejam ou não palatáveis ​​para os usuários.

Tem havido uma tentativa de isolar os vários fatores no processo mental da pesquisa de inteligência. Na prática, esses fatores operam simultaneamente. Portanto, enquanto o analista está avaliando um determinado documento, muito provavelmente está relacionando-o com as outras informações com as quais está trabalhando. Frequentemente, ele analisa automaticamente as informações do documento, encontrando provas e contradições em sua memória. Além disso, uma interpretação pode ocorrer nesta fase. À medida em que o analista examina um documento, ele pode fazer suposições de que, se uma determinada coisa é verdadeira, então surge um determinado significado.

6. APRESENTAÇÃO: no início do problema de pesquisa, o analista se preocupa com a forma como a inteligência será apresentada ao usuário. Ele molda seu esforço de pesquisa em grande parte pela maneira como o apresentará. Se o produto final for um mapa de inteligência comentado, as técnicas que ele utilizaria são diferentes daquelas que ele empregaria para preparar um estudo detalhado por escrito. De modo geral, a inteligência é apresentada de forma escrita, gráfica ou oral. A maior parte da inteligência é fornecida de forma escrita, mas com frequência briefings de inteligência orais mantêm oficiais e comandantes militares a par das evoluções.

IV. Disseminação

A. Introdução

Disseminação é o processo de colocar informações e inteligência nas mãos das pessoas que delas precisam. A disseminação é na verdade composta de duas funções separadas. A primeira é decidir quem precisa dos dados. Uma vez que as organizações de inteligência se esforçam para impedir que seus métodos e resultados se tornem conhecidos por estados hostis ou potencialmente hostis, muitas informações coletadas e virtualmente todas as informações produzidas estão sujeitas a vários graus de classificação de segurança.

O princípio da “necessidade de saber” limita o número de destinatários de dados classificados. A rigor, esse princípio significa que, independentemente do nível de habilitação de segurança de um indivíduo, ele tem o direito de receber apenas as informações classificadas necessárias para o desempenho eficiente de suas funções. Outro freio à sobreposição de divulgação é a regra que proíbe uma agência de divulgar material de outra agência sem permissão do originador. A segunda função envolvida na disseminação é a mecânica de distribuição dos dados aos destinatários indicados.

Normalmente, uma organização de inteligência atribuirá a responsabilidade por essa função a um de seus componentes de serviço ou suporte. Técnicas como meios elétricos e mensageiros especiais aceleram a distribuição quando o tempo é um fator importante.

B. Disseminação de Informação

A informação é frequentemente disseminada pelo coletor de campo para outras organizações que possuem estabelecimentos e pessoal de campo. Por exemplo, um adido militar trabalhando em uma embaixada no exterior pode disseminar as informações coletadas a outros adidos de seu país, ao embaixador e até mesmo a adidos de países amigos. Ele deve ter certeza, ao divulgar a informação, que outros coletores, caso encaminhem essa informação à suas respectivas organizações, lhe darão o crédito pela coleta. Não fazer isso pode levar a uma falsa confirmação de informações.

Os QGs da organização de coleta disseminam suas informações para usuários em potencial com “necessidade de saber”. Entre eles estão organizações de pesquisa (produtoras) de inteligência, formuladores de políticas, funcionários operacionais e, em alguns casos, organizações estrangeiras de inteligência.

C. Disseminação de Inteligência

A inteligência finalizada é disseminada de maneira semelhante à usada na disseminação de informações. Os destinatários da inteligência podem ser os mesmos das informações, mas a inteligência geralmente é disseminada para um grupo de usuários mais restrito e específico. Na apresentação oral da inteligência, o analista “dissemina” a inteligência diretamente ao usuário.

V. Usos de Inteligência e Informações de Inteligência

A inteligência fornece conhecimento sobre países e povos estrangeiros para formuladores de políticas e executivos do governo para ajudá-los a tomar suas decisões. Por exemplo, a inteligência serve no desenho de políticas para manter a segurança nacional. A inteligência também fornece estimativas das possíveis ameaças presentes ou futuras a um governo e seus aliados e aponta o caráter e a localização de possíveis ameaças.

Essas estimativas ajudam as pessoas nas agências executivas do governo a fazer determinações da magnitude geral dos esforços de defesa necessários para a segurança. A inteligência também pode indicar as intenções ou prováveis ​​cursos de ação de aliados e inimigos em potencial, bem como suas fraquezas e vulnerabilidades. Essas indicações permitem que os formuladores de políticas e executivos do governo ajustem os preparativos de defesa para enfrentar os perigos mais prováveis.

O uso mais imediato da inteligência é fornecer informações que auxiliem na tomada de decisões operacionais. Decisões operacionais são tomadas em todos os níveis de governo e por todas as suas agências executivas. Por exemplo, um tipo de relatório é usado por 18 departamentos, conselhos ou escritórios diferentes, e 77 de suas principais divisões e escritórios e muitos mais ramos e seções. Embora a maioria dos relatórios de inteligência e informações de inteligência não sejam usados ​​de forma tão ampla, um único relatório pode ser usado em qualquer um dos mesmos departamentos, conselhos, escritórios, divisões, escritórios, filiais ou seções.

Finalmente, a inteligência avalia as prováveis reações ​​de governos estrangeiros a cursos de ação alternativos que estejam sendo considerados pelos formuladores de políticas.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curso sobre a RússiaCurso de InteligênciaCurso sobre a ChinaPublicidade
Fórum Brasileiro de Ciências PoliciaisLoja Café com Defesa

Veja também